6 formas de treinar seu cérebro para lidar com a ansiedade

Você se considera uma pessoa ansiosa? Segundo dados divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 13,3 milhões de pessoas no Brasil sofrem com os distúrbios de ansiedade, uma doença real, que pode atrapalhar relacionamentos, o bem-estar físico e emocional e até mesmo comprometer o desempenho profissional.

Ainda de acordo com a OMS, boa parcela da população brasileira sofre com transtornos do tipo. Em 2006, por exemplo, enquanto a média mundial era de 3,9%; somente em nosso país o diagnóstico do distúrbio atingiu 6,4% da população.

Ansiedade natural x doença

Mas, antes de você sair por aí achando que precisa de tratamento é preciso saber identificar o que é a ansiedade comum e natural do ser humano e a ansiedade generalizada.

Por exemplo, antes de fazer uma prova ou de apresentar uma proposta importante no trabalho é comum estar ansioso e mais elétrico que o normal.

No caso do transtorno, as pessoas sentem medo, inquietação e exaustão a maior parte do tempo, sem nenhum motivo aparente.  Segundo especialistas, a ansiedade como doença faz com que as pessoas se preocupam muito mais frequentemente e com mais intensidade que aquelas com uma boa saúde mental.

Como controlar o problema?

Mas, mesmo parecendo algo incontrolável, a verdade é que o transtorno da ansiedade pode ser controlado. Além do acompanhamento com profissionais especializados e da possibilidade do uso de alguns medicamentos específicos, existem ainda algumas mudanças estratégicas de comportamento que podem ajudar a lidar com o problema.

Abaixo, como você vai ver, listamos algumas dessas maneiras específicas de alterar o funcionamento da sua mente e de afastar os efeitos mais devastadores da ansiedade. O melhor de tudo é que, além de serem medidas simples, todas elas são respaldadas por estudos científicos.

Aprenda a treinar seu cérebro para lidar com a ansiedade:

1. Monitore seus pensamentos

Conforme especialistas, pessoas ansiosas costumam ter pensamentos negativos a maior parte do tempo, se preocupam demais com o futuro e acreditam que algo ruim sempre pode acontecer, mesmo que não existam indícios disso.

Para melhorar isso, não adianta lutar contra os pensamentos pessimistas. Para reduzir a frequência e o impacto deles em sua vida, melhor mesmo é limitá-los a um só período do dia, durante um tempo determinado.

Por exemplo, 16h será seu horário da preocupação. Durante não mais que 20 minutos você vai poder ruminar tudo o que perturba sua autoconfiança e todos seus temores.

Quem entende do assunto acredita que nossos pensamentos acabam “morrendo” se não são alimentados. Quando limitamos um horário do dia para esse tipo de atitude é normal que quando chegue o momento de refletir sobre eles você faça isso com menos ansiedade e a situação se apresente de forma mais clara em sua mente.

2. Pratique exercícios físicos e meditação

A prática de exercícios físicos não melhora somente a parte física. A mente é bastante beneficiada devido à liberação de endorfina, hormônio da felicidade, que percorre nosso organismo quando nos exercitamos.

Aliado a isso, a meditação, pelo menos 2 vezes por semana, ajudam a colocar a cabeça no lugar, a afastar sintomas depressivos e até mesmo controlar o hábito de ruminar pensamentos negativos, como é comum entre os ansiosos.

Pelo menos é isso que um estudo recente, feito pela Universidade de Nova Jersey, mostrou. Segundo os responsáveis pelo estudo, os resultados foram ótimos nos 52 participantes da pesquisa que tiveram 2 sessões semanais de meditação e atividades físicas semanais, de 30 minutos cada.

3. Encontre um propósito diário

Especialistas dizem que encontrar sentido no cotidiano é uma maneira de ligar com a adversidade. O problema é que pessoas que sofrem com ansiedade dificilmente conseguem identificar um propósito claro para suas vidas e nem sempre acreditam que valha a pena se esforçar para superar os desafios com os quais se deparam.

Estudos mostram que pessoas que enxergam sentido na vida costumam sofrer menos com o distúrbio da ansiedade, mesmo em situações difíceis. É por isso que ter um propósito, se sentir útil ou necessário de alguma forma podem ajudar a superar o problema.

Bons exemplos de coisas que podem ajudar a construir esse propósito de vida, são o trabalho, ligações familiares, os cuidados com um bichinho de estimação e até mesmo trabalhos voluntários, como cuidar de crianças carentes, pessoas enfermas e assim por diante.

4. Tente sempre ver o lado bom da vida

Por mais desafiador que pareça, aprender a adotar uma postura positiva diante da vida pode ajudar bastante no controle da ansiedade. Especialistas ensinam que para domar a mente e espantar os pensamentos negativos é necessário olhar para elementos que lhe dão prazer, ao invés daqueles que deixam você irritado ou deprimido, por exemplo.

Claro que não é possível controlar quais pensamentos chegam até nossa mente, mas é possível dialogar com eles. Por exemplo, você pode focar na irritação que o trânsito lhe causa, mas pode também aproveitar esse tempo parado para ouvir aquela música que você gosta e ver o lado bom de estar perdendo alguns minutos. Você também pode mudar a rota e, além de fugir do trânsito, conhecer um novo lado da cidade.

Esse tipo de atitude positiva diante dos pequenos momentos não tão legais da vida tendem a nos proporcionar menos estresse e a nos trazer bem estar emocional. Para aliviar ainda mais os efeitos dos pensamentos negativos, você pode também focar em outras atividades do corpo, como a respiração.

5. Viva o presente

Embora seja bom ter um propósito de vida, algo que nos impulsione ao futuro, é precisa viver o presente. Se entregar ao que você realmente está vivendo é uma ótima maneira de controlar a ansiedade e de se manter ocupado.

Não adianta nada ficar preso a memórias do que já passou, uma vez que elas só causam ainda mais ansiedade e não podem ser mudadas. A mesma coisa é com situações futuras, as quais você não pode controlar.

6. Faça terapia

Nem sempre é possível lidar sozinho com a ansiedade e seus efeitos negativos na vida, por isso, terapia pode ser um grande aliado para a saúde mental. Especialistas defendem a aplicação da terapia cognitivo-comportamental nesses casos, que busca construir uma postura construtiva do paciente diante de eventos internos e externos.

Além disso, em alguns casos, medicamentos específicos podem ser recomendados, mas isso somente um profissional pode indicar.

E então, você sofre com esse distúrbio? Acha que, depois dessas dicas, é capaz de tentar amenizar os efeitos da sua ansiedade? Não deixe de nos contar nos comentários.

Agora, falando em transtornos causados pela mente, não deixe de conferir ainda: 10 coisas que você precisa saber se ama alguém com TDAH.

Fonte: BBC