Coisas estranhas que as pessoas faziam no passado, mas que hoje seriam maluquices

Se você acredita que as pessoas eram menos estranhas no passado, você precisa conhecer algumas modas e tradições antigas. Talvez você mude de opinião.

Confira algumas coisas que as pessoas do passado consideravam normal, mas que nos dias de hoje seria completas maluquices. Parece que nós não somos estranhos assim.

Despertadores ambulantes

O despertador ambulante era uma profissão que existia desde meados do século 18 até a década de 1950. Seu trabalho era despertar as pessoas que precisam levantar cedo. Para despertar seus clientes eles usam zarabatanas para lançar sementes nas janelas.

Primeiro e segundo sono

Os europeus que viveram na Idade Média praticavam o que chamamos de sono bifásico. O primeiro sono começava no pôr-do-sol e durava até cerca da meia-noite. Então as pessoas ficavam acordadas por 2-3 horas. Alguns usavam esse tempo para orar ou ler, e alguns passavam esse tempo com a família ou vizinhos. Depois vinha o segundo sono, que durava até o nascer do sol.

Nove exemplos incríveis de como influenciamos nosso cérebro

Chopines

Chopines, também conhecida como zoccoli ou  pianelle, são um tipo de salto com até 50 cm de altura. Não é de admirar que aqueles que as usassem precisassem da ajuda de servos para conseguir calça-las. As chopines não era apenas uma tendência de moda, mas também para não manchar a roupa do portador com a lama da rua.

Vestidos para meninos

A partir do século 16 até 1920, era costume para meninos até uma certa idade (4-8 anos) vestir vestidos. O principal motivo era talvez o alto custo das roupas naquela época, os vestidos eram mais fáceis de serem “adaptados” à medida que a criança crescia. A tradição não fugia nem mesmo as famílias reais: esta foto retrata Alexei, filho do imperador russo Nicolau II, com um vestido semelhante ao usado por suas irmãs.

Péssima Higiene

Em alguns países medievais, as pessoas acreditavam que a água só trazia doença para o homem, e os piolhos eram chamados de “pérolas de Deus”. Essas crenças eram compartilhadas até mesmo por monarcas. Isabella I de Castilla estava orgulhosa do fato de que ela tomou apenas dois banhos em toda a sua vida: no nascimento e antes do casamento.

Sangria para curar todas as doenças

Este modo de tratamento foi popular por 2.000 anos até o início do século XX. A sangria foi praticado para tratar qualquer doença e muitas vezes fez mais mal do que bem, enfraquecendo ainda mais o paciente.

Produtos de beleza radioativos

No início do século 20, a radiação era percebida como um fenômeno positivo, o que os escoteiros não deixavam de aproveitar: você poderia comprar cosméticos, alimentos e bebidas enriquecidas com rádio e tório, lembranças radioativas e até dispositivos de água de saturação com elementos radioativos.

Você vai preferir não saber como realmente é suja uma esponja de cozinha

Fotos pós morte

Outro costume que hoje parece muito bizarro. No entanto, no século 19, era uma maneira de preservar a memória dos entes queridos falecidos. Em regra, os cadáveres era arrumados para parecerem vivos na fotografia: ficavam sentados em poses naturais, e os olhos eram desenhados em seus pálpebras fechadas, como na imagem acima.

Fumar dentro do avião

Há apenas 50 ou 60 anos, o tabagismo não era considerado um mau hábito. As pessoas não deixavam de fumar mesmo durantes os voos, independentemente da presença de outros passageiros. Hoje, fumar em aviões é proibido, mas em vários países (como no Irã) a proibição não foi implementada.

Máquinas de banho

Ao contrário de hoje, as pessoas nos séculos 18 e 19 não podiam simplesmente banhar nas praias. Era necessário usar máquinas de banho: carrinhos especiais que pareciam cabanas. Os carros eram conduzidos à água para que os banhistas pudessem nadar sem olhos curiosos observando-os. Além disso, as máquinas de banho femininas ficavam a uma certa distância dos homens.

Rochas como papel higiênico

A lista de coisas que as pessoas usavam antes da invenção do papel higiênico poderia não caber nessa página. Isso inclui folhas de plantas, espigas de milho, casca de coco, lã de ovelha e pano (para aqueles que podiam pagar), esponja em uma vara ou apenas água. Mas os antigos gregos nos surpreenderam: para certos usos higiênicos, eles usavam pedras, pedras ou fragmentos de cerâmica.

 

 

Fonte: Brightside
Imagens: Reprodução