Como impedir que as pessoas mintam, segundo a Ciência

Se você disser que nunca mentiu na vida, especialmente em declarações oficiais, com certeza, vai estar contando uma grande mentira. Isso porque o ser humano é extremamente criativo e não se contém quando podem usar sua mente para se favorecer, mesmo que, para isso, precise se dar ao trabalho de criar todo um enredo elaborado.

Mas, ao que tudo indica, pesquisadores das Universidades de Toronto, em Ontário (Canadá); e da de Duke, na Carolina do Norte (Estados Unidos); descobriram uma maneira bastante eficiente de impedir que as pessoas mintam, especialmente em documentos e declarações. Segundo eles, o grande segredo está ordem em que você solicita para as pessoas comprovarem sua honestidade com a assinatura.

Como impedir que as pessoas mintam

Depois de uma série de quatro experimentos, os cientistas perceberam que quando você pede a assinatura de alguém no final de um formulário, como a declaração de imposto de renda ou a revisão de um seguro de automóvel, isso não garante que ela será totalmente honesta.

Isso porque, a essa altura, o “dano” já foi feito e o dono do formulário já se envolveu em truques mentais e justificativas que lhe permitiriam manter a autoimagem positiva, mesmo se for pego na inverdade.

Por outro lado, quando você pede às pessoas para assinarem um documento logo no início, essa acaba se tornando uma forma eficiente de inibir e impedir que as pessoas mintam. A explicação dos pesquisadores é que, dessa maneira, você chama atenção para os padrões morais dos indivíduos e os deixam mais comprometidos em responder a verdade.

Funciona mesmo?

Dentre os vários experimentos realizados para chegarem a essa conclusão, os cientistas convidaram alguns voluntários a responderem questionários de uma companhia de seguros. Em metade das declarações, as pessoas teriam que assinar no início e, na outra metade, ao final do documento.

O resultado foi surpreendente: quem assinou logo no início “confessou” ter dirigido mais quilômetros naquele ano. Aliás, as pessoas assumiram ter dirigido, em média, quase 4 mil km a mais que aqueles que tiveram que assinar o documento no final.

Outro teste interessante foi quando os voluntários foram convidados a declarar sobre seus rendimentos e despesas. Dos que assinaram o documento no início, apenas 37% foram “pegas na mentira”. Por outro lado, entre os que assinaram o formulário no final, 79% acabaram trapaceando.

E você, acha que isso pode funcionar com você também? Agora, falando sobre mentiras, você precisa conferir também: 10 técnicas policiais incríveis para detectar mentiras.

Fonte: Hypescience, Business Insider