Saúde

Herpes-zóster, quais são as causas, sintomas e o tratamento

O herpes-zóster, comumente conhecido como cobreiro, é causado pelo vírus varicela zoster, o mesmo vírus que causa a catapora.

O herpes-zóster, também conhecido como cobreiro, é uma doença viral caracterizada pelo surto de erupção cutânea dolorosa e com bolhas que ocorre quando uma infecção latente de varicela reativa repentinamente.

Quando envolve a região que envolve o olho, é chamado de herpes zoster oftálmico e pode causar sérios problemas oculares, incluindo úlceras de córnea, inflamação e glaucoma. Vamos saber mais a seguir sobre essa condição.

O que é herpes-zóster?

O herpes-zóster é uma infecção viral que afeta principalmente os idosos. Cerca de 20% das pessoas experimentam uma infecção por cobreiro durante a vida. Em contraste com outras infecções por herpes, o herpes-zóster se repete raramente.

Apenas uma pequena porcentagem de pacientes é encaminhada ao hospital, e geralmente são pacientes com dor intensa ou com neuralgia pós-herpética.

Como surge o herpes-zóster?

A doença é causada pelo vírus da varicela (Varicella-zoster), que pertence à mesma família de vírus que causa o herpes genital e oral. Assim, após uma infecção por varicela, o vírus entrará em um período de latência em que fica adormecido em certos nervos do corpo.

Mais tarde na vida, o vírus pode reativar espontaneamente e causar a condição dolorosa e vesicular conhecida como herpes-zóster.

Continua após a publicidade

Sintomas

Os sintomas dessa doença incluem:

Além disso, nos dias anteriores ao aparecimento da erupção cutânea, pode ocorrer uma variedade de outros sintomas semelhantes aos da gripe como por exemplo:

  • Arrepios
  • Febre
  • Dor de cabeça
  • Dor de estômago

Complicações

As bolhas do rosto ou couro cabeludo podem resultar em dores de cabeça e fraqueza em um lado do rosto (causando uma queda no lado afetado). Pode levar vários meses para que essa fraqueza desapareça.

Além disso, as erupções podem afetar o olho causando ulceração, inflamação ou glaucoma e, ocasionalmente, perda de visão. Raramente, elas afetam o ouvido causando dor de ouvido, perda auditiva, vertigem e/ou zumbido. A erupção pode ser infectada e os órgãos do corpo podem ser afetados.

Danos crônicos nos nervos podem ocorrer, particularmente em pessoas com mais de 50 anos de idade, causando dor nos nervos (neuropatia), dormência ou formigamento por meses ou anos na área da erupção cutânea, ou seja, neuralgia pós-herpética.

Transmissão do herpes-zóster

O vírus dormente da varicela que causa o herpes-zóster pode ser facilmente transmitido através do contato direto com a erupção cutânea de pessoas infectadas.

Isso significa que se você nunca teve catapora e entrar em contato com uma pessoa que tenha herpes-zóster (ou qualquer um dos curativos, lençóis ou roupas usados ​​para tratar essa pessoa), você pode desenvolver a doença.

É aconselhável ficar bem longe de qualquer pessoa com herpes-zóster se você não teve catapora. Da mesma forma, se você tem herpes-zóster, fique longe de quem não teve catapora, especialmente se também estiver grávida.

Fatores de risco

A maioria das pessoas que tem herpes-zóster é idoso ou tem um sistema imunológico fraco. Outros fatores de risco incluem:

  • Idade acima de 50 anos;
  • Estresse físico ou psicológico;
  • Privação do sono;
  • Diabetes mellitus;
  • Câncer;
  • Quimioterapia;
  • Doenças crônicas;
  • Uso de drogas imunossupressoras;
  • HIV/AIDS.

Tratamento

Assim que você suspeitar que pode ter herpes-zóster, consulte seu médico. Quanto mais cedo você puder iniciar a medicação antiviral, mais eficaz será a medicação para reduzir o tempo de erupção cutânea. Além disso, o médico também pode prescrever analgésicos e pomadas tópicas ​​para aliviar a dor.

Em alguns casos, a dor não desaparece depois que a erupção desaparece. Isso é chamado de neuralgia pós-herpética – e isso, infelizmente, pode durar meses ou anos. Nesses casos, o alívio da dor com medicamentos pode ser necessário.

Vacina

Por fim, a vacina para prevenção do herpes-zóster está indicada para pessoas a partir dos 50 anos. Aliás, todo adulto que teve catapora apresenta risco de ter o cobreiro. E esse risco aumenta progressivamente com o avançar da idade, principalmente após os 50 anos.

Estima-se que, na população em geral, o risco de desenvolver herpes-zóster seja de cerca de 30% durante toda a vida, mas nas pessoas com 85 anos ou mais, por exemplo, a prevalência pode ultrapassar 50%.

Por isso, é recomendado que os idosos recebam a vacina, independentemente de já terem tido ou não um episódio de cobreiro.

Fontes: Viva Bem, Drauzio Varella, MD Saúde

Outros artigos que podem interessar:

O que é bicho geográfico? Causas, sintomas e tratamento da infecção
Varíola do macaco: saiba o que é a doença, os sintomas e por que afeta humanos
Tipos de micose, quais são? Principais características e prevenção
Língua geográfica, o que é? Sintomas e como tratá-la
O que é afta? Causas, sintomas, prevenção e diferenças de herpes labial

Próxima página »

Escolhidas para você