Curiosidades

11 melhores filmes de Jean-Luc Godard, o gênio da Nouvelle Vague

Jean-Luc Godard morreu aos 91 anos; ele foi responsável por alguns dos melhores filmes da história do cinema francês.

Jean-Luc Godard é um diretor, roteirista e crítico de cinema franco-suíço. Ele faleceu aos 91 anos, no último dia 13. Em suma, ele ganhou destaque como um pioneiro do movimento cinematográfico francês New Wave dos anos 1960, e é sem dúvida o cineasta francês mais influente da era pós-guerra.

Não só ele é considerado um dos grandes mestres do cinema moderno, um pioneiro da Nouvelle Vague francesa e um dos cineastas mais chiques do século XX, mas sua influência e inspiração podem ser notadas ao longo da história cinematográfica e além, inspirando até Os Rolling Stones durante sua infância explosiva.

Desde seus primeiros curtas-metragens em meados da década de 1950, até seu último longa-metragem em Image Book de 2018, seu trabalho é tão particular que muitas vezes é descrito apenas como “Godardiano”. Aqui, listamos os 10 dos melhores filmes de Jean-Luc Godard para assistir em sua homenagem.

11 melhores filmes de Jean-Luc Godard

1. Pierrot le fou (1965)

Uma soma triunfante de tudo que Godard havia alcançado até agora, esse anti-suspense pulp noir foi descrito como cubismo cinematográfico francês. Filmado em cores primárias deslumbrantes e carregado de referências à literatura, pintura, outros filmes e cultura pop, Pierrot Le Fou é, entre outras coisas, sobre as lutas do artista, a Guerra do Vietnã e a morte do romance.

Continua após a publicidade

2. Duas ou três coisas que eu sei sobre ela (1967)

Uma visão do consumismo desenfreado do século 20, o filme francês centra-se em Juliette (Marina Vlady), uma dona de casa que se volta para o trabalho sexual para tornar sua vida suburbana mais agradável.

Aliás, alguns o consideram mais um ensaio do que um filme tradicional, atuando como um estudo da vida contemporânea. Com efeito, o próprio Godard narra o filme, discutindo seus medos do mundo moderno, incluindo a Guerra do Vietnã.

Continua após a publicidade

3. O Soldadinho (1963)

Le Petit Soldat conta a história de Bruno (Michel Suborn) enquanto tenta evitar o alistamento na guerra da Argélia. Ao longo do caminho, ele conhece e se apaixona por uma mulher misteriosa, adicionando mais complicações à sua situação.

O que Godard faz tão bem é reforçar a ideia de quão absurda é a guerra e a crueldade e, embora não seja tão ousada quanto seus trabalhos posteriores de crítica à guerra, ainda é uma exploração dissonante do assunto.

Continua após a publicidade

4. Os Chineses (1967)

Em La Chinoise , os interesses acadêmicos e filosóficos de Godard são explorados, juntamente com sua intriga do maoísmo que causou rebuliço no lançamento inugural do filme.

Em suma, o filme segue um estudante de filosofia, junto com outros quatro membros de um grupo maoísta, enquanto tentam transformar o mundo em um paraíso comunista.

5. Fim de semana (1967)

Aqui, vemos a França através de uma visão anárquica, em que um casal (Mirelle Dark e Jean Yanne) está procurando garantir uma herança de um moribundo. À medida que o filme continua, ele desce à insanidade, com a mistura real com o surreal e personagens de outras obras da literatura aparecem aleatoriamente por toda parte.

6. Simpatia para o Diabo (1968)

Para a década de 1968, Godard começou a se concentrar mais em peças políticas, particularmente as ideias de racismo e a guerra do Vietnã. Uma peça desta época é Sympathy for the Devil, combinando imagens documentais dos Rolling Stones gravando a música titular com imagens politicamente carregadas e filmagens.

Continua após a publicidade

7. Adeus à linguagem (2014)

Um pedaço do cinema contemporâneo de Godard, Adieu au Language é um dos melhores filmes sobre filosofia. Ou seja, ele incentiva o público a questionar suas perspectivas enquanto assiste a um filme.

Ao seguir uma história de amor, ele conta a história de duas perspectivas diferentes. Além disso, ele emprega visuais 3D para enfatizar os pensamentos e sentimentos dos personagens.

8. Sem fôlego (1960)

O primeiro longa-metragem de Godard também é considerado o avanço de Jean-Paul Belmondo como ator, tornando este filme imperdível. É estrelado por Belmondo como um criminoso chamado Michel, e Jean Seberg como sua namorada americana, Patricia.

Desse modo, o que torna o filme tão aclamado, é o seu estilo New Wave. Ele ainda chamou a atenção internacional para o novo estilo de cinema francês que surgiu na última década de 1950 até meados da década de 1960.

Continua após a publicidade

9. Desprezo (1963)

Estrelado por Birgitte Bardot e Michel Piccoli, Le Mépris é baseado no romance de 1954, Il disprezzo, de Alberto Moravia. É uma das peças mais astutas do cinema focando na ruptura de um casamento, em que encontramos Piccoli interpretando um roteirista contratado por uma produtora americana como roteirista para uma adaptação de A Odisseia de Homero.

No entanto, ele também está em conflito com a ideia de que sua esposa Camille (Bardot) está simplesmente o usando para alimentar sua própria carreira como estrela.

10. Masculino Feminino (1966)

Uma das obras mais icônicas de Godard é Masculin Feminin, estrelado por Jean-Pierre Léaud, estrela de 400 Blows, ao lado de Chantal Goya, o primeiro retratando Paul, um intelectual e o segundo Madeline, uma estrela pop.

A dupla inicia um caso, apesar de ter visões culturais e políticas muito diferentes, e eventualmente se envolve com as colegas de quarto de Madeline. O filme faz referência a muitos ícones da cultura pop da época, incluindo James Bond, Bob Dylan e Charles de Gaulle.

Continua após a publicidade

11. Viva sua vida (1962)

Por fim, estrelando a eterna musa e futura esposa de Godard, Anna Karina, em Vivre Sa Vie, encontramos a protagonista Nana Kleinfrankenheim (Karina). Ela é uma aspirante a atriz que trabalha na prostituição para se sustentar.

A história é contada através de doze vinhetas (ou episódios). Assim, esses docu-realistas que exploram sua alienação da vida urbana e como os homens podem ser pessoas verdadeiramente horríveis.

Fontes: Adorocinema, Cultura Genial, Melhores filmes, Estadão

Leia também:

Continua após a publicidade

30 livros que viraram filmes que ganharam o Oscar

20 nomes inesquecíveis de gatos de filmes e da TV

Qual a ordem cronológica dos filmes do Homem-Aranha?

Os 30 filmes perturbadores mais aterrorizantes do cinema

Continua após a publicidade

Próxima página »

Escolhidas para você