Curiosidades

Conheça a origem e história da pipoca

A pipoca é um dos alimentos mais versáteis, sendo o nosso lanche do cinema, e uma comida amada pelas crianças. Confira a origem da pipoca!

A pipoca é um grão de milho que se expande e “explode” ao estourar. A umidade contida no endosperma do grão transforma-se em vapor quando vai ao fogo. Com efeito, a pressão do vapor acaba por romper o revestimento duro da semente e causa uma expansão de 20 a 50 vezes do grão original.

Origem da pipoca

Nativa das Américas, a pipoca era fonte de alimento para os indígenas muito antes da chegada de Colombo. Por exemplo, os arqueólogos rastrearam o consumo de pipoca no México até 3.500 a.C.

Muito provavelmente, os nativos americanos a pipocavam colocando os grãos de milho em pedras aquecidas no fogo, ou jogando grãos de pipoca em cinzas quentes e deixando-os estourar. Mais tarde, potes de barro foram amplamente utilizados para estourar milho.

Contudo, ela não era servida como um lanche, ou seja, o milho era peneirado e depois triturado em uma refeição fina, em pó e misturado com água.

Métodos de estouro do grão de milho

Nos tempos antigos, a pipoca era comumente feita mexendo os grãos em uma jarra de cerâmica cheia de areia aquecida pelo fogo. Aliás, este método durou milhares de anos antes da invenção da primeira máquina de estourar pipoca.

A máquina de estourar pipoca foi vista pela primeira vez pelo empresário Charles Cretors na Exposição Colombiana Mundial de 1893 em Chicago. Sua máquina era a vapor, o que garantia que todos os grãos aquecessem uniformemente. Isso minimizou o número de grãos não estourados e permitiu que os usuários colocassem o milho diretamente nos temperos desejados.

Continua após a publicidade

Cretors continuou a refinar e desenvolver sua máquina e, em 1900, ele introduziu o Special – o primeiro grande vagão de pipoca puxado por cavalos.

Como a pipoca se popularizou?

A pipoca disparou em popularidade no início de 1900 e, por causa do seu custo relativamente baixo, permaneceu um alimento comum durante a Grande Depressão.

Quando as rações de açúcar durante a Segunda Guerra Mundial tornaram difíceis de encontrar outros lanches, o consumo de pipoca aumentou o triplo, comparado aos níveis anteriores à guerra.

Entretanto, o consumo de pipoca nem sempre teve tendência de alta. À medida que mais casas compravam televisores em meados do século 20, a participação nos cinemas caiu e as vendas de pipoca caíram junto com isso.

Essa queda se reverteu rapidamente quando a General Mills lançou a primeira pipoca de microondas em 1981, o que levou a um enorme aumento no consumo.

A pipoca e o cinema

É absolutamente inconcebível assistir um filme no cinema sem levar uma pipoquinha para a sessão; (aliás, essa iguaria já foi servida até em velório); mas durante a ascensão dos cinemas no início do século 20, a pipoca estava longe de ser um lanche padrão.

Continua após a publicidade

Os grãos quebradiços eram particularmente ruins para os luxuosos cinemas mudos. Desse modo, pipoca se tornou popular a partir de 1885, quando a primeira máquina de pipoca a vapor permitiu que o lanche chegasse às ruas.

Assim, a máquina portátil se tornou o meio perfeito para atender clientes que frequentavam eventos esportivos ao ar livre, circos e feiras. Além disso, poderia ser feita em escala sem ser na cozinha, uma vantagem que faltava a outro lanche crocante, ou seja, as batatas fritas.

Outra razão para seu domínio sobre outros petiscos era seu aroma atraente quando estourado, algo que os vendedores de rua usavam a seu favor ao vender pipoca. Ainda assim, os cinemas não permitiam que o popular lanche de rua entrasse em seus auditórios.

Eventualmente, os donos de cinemas perceberam que, se incorporassem o lanche nas cabines de ingresso, seus lucros disparariam. Aliás, para muitos cinemas, a transição para a venda de lanches ajudou a salvá-los de crises como a Grande Depressão.

Fontes: Clube da Pipoca, Super Interessante

Então agora que você conheceu a origem da pipoca saiba se ela engorda? Faz bem à saúde? – Benefícios e cuidados no consumo.

Continua após a publicidade
Próxima página »

Escolhidas para você