Curiosidades

Povo Bajau: curiosidades sobre o povo geneticamente modificado

O povo Bajau viaja em pequenos grupos pelas Filipinas, Malásia e Indonésia, caçando peixes debaixo d'água para alimentação.

Imagine-se prendendo a respiração. Quanto tempo você conseguiria ficar debaixo d’água? Provavelmente 30 segundos ou dois minutos no máximo. O povo Bajau das Filipinas, no entanto, de acordo com relatos, pode nadar 60 metros abaixo da superfície do oceano por até 13 minutos.

Espalhados por muitas das ilhas e comunidades costeiras do Sudeste Asiático, os Bajau, com cerca de um milhão de pessoas, são o maior grupo remanescente de nômades do mar do mundo. Mas, sua cultura está ameaçada.

No Mar de Sulu, entre Bornéu e as Filipinas, onde os Bajau vagam pelo oceano há 1.000 anos, a insurreição do grupo armado Abu Sayyaf levou a um aumento da presença militar e toques de recolher restringindo os movimentos em ambos os lados da fronteira.

Povo Bajau

Nas ilhas do sul da Tailândia, onde o grupo é conhecido como Moken, eles vivem em palafitas que se agarram como cracas às costas que estão sendo rapidamente consumidas por edifícios construídos para turistas.

Por outro lado, na Indonésia e na península da Malásia, muitos do povo Bajau abandonaram a vida no oceano, casando-se com pessoas de comunidades locais e procurando emprego nas cidades.

Mas uma comunidade Bajau na ilha indonésia de Sumbawa preservou seu modo de vida único construindo sua própria ilhota de coral, permitindo que ela evolua separadamente do continente.

Continua após a publicidade

Com 3.500 habitantes em apenas 8,5 hectares de terra, a Ilha Bungin também se destaca como a mais densamente povoada das 17.000 ilhas da Indonésia.

Estilo de vida do povo Bajau

O estilo de vida tradicional Bajau é gasto principalmente em pequenas flotilhas que serpenteiam pelas águas das Filipinas, Malásia e Indonésia. Aqui, eles se dedicam à caça de subsistência, lançando peixes para alimentação quando necessário.

Em um determinado dia, um indivíduo Bajau pode passar cinco horas debaixo d’água no total, onde eles são mestres completos de seu ambiente. Aliás, eles são chamados de ‘ciganos do mar’ devido a essas habilidades. Além disso, o único equipamento que eles usam são óculos de madeira feitos à mão e um arpão.

A fim de facilitar seu estilo de vida de mergulho livre, alguns Bajau perfuram deliberadamente seus tímpanos para lidar com a intensa pressão que experimentam debaixo d’água. No entanto, Bajau que se submetem a este procedimento tendem a ficar com deficiência auditiva na velhice.

Adaptação à água

Estudos sobre os Bajau que começam a mergulhar desde jovens mostraram que seus baços, os órgãos que armazenam glóbulos vermelhos oxigenados, são 50% maiores que a média.

Em suma, o baço mantém uma reserva de sangue. Quando os mamíferos mergulham debaixo d’água, o baço se contrai, distribuindo o sangue reservado e rico em oxigênio por todo o corpo. Assim, um baço maior significa mais oxigênio disponível ao mergulhar.

Continua após a publicidade

Além disso, as variantes genéticas que os Bajau possuem estão associadas a outra característica da resposta ao mergulho: a vasoconstrição periférica. Embora esse fenômeno não tenha sido observado diretamente pelos pesquisadores.

O perfil genético único dos Bajau pode permitir que eles contraiam melhor as áreas não críticas de seu sistema vascular. Em essência, isso significa que menos sangue é usado nas partes mais externas de seus corpos, como os membros. Em contrapartida, mais sangue é enviado para áreas críticas, como coração, pulmões e cérebro, permitindo mergulhos mais longos.

Fontes: BBC, National Geographic, G1, Mar sem fim

Tribos indígenas: As principais brasileiras, povos, costumes e curiosidades

Mulheres-girafa, tudo sobre a tribo Karen da Tailândia

Dani – Origem e tradições da tribo adoradora da morte

Continua após a publicidade

Osages, a tribo indígena massacrada ligada à origem do FBI

Quem é Karapiru? História do indígena que morreu duas vezes

Próxima página »

Escolhidas para você