Curiosidades

Qual a diferença entre voto em branco e voto nulo?

As eleições para Presidente, Senadores, Deputados Federais, Deputados Estaduais e Governadores acontece em outubro deste ano. E muita gente ainda tem dúvidas sobre a diferença entre voto em branco e voto nulo. Você sabe qual é?

Por Júlia Marreto

-

Em outubro deste ano teremos eleições para Presidente da República, Governadores, Senadores, Deputados Federais e Deputados Estaduais. E, no Distrito Federal, as eleições para a escolha dos Deputados Distritais e Governador. Fazendo com que uma das maiores dúvidas dos eleitores seja: escolher um cadidato, voto em branco ou voto nulo?

No Brasil, temos livre escolha de candidatos, assim como escolher candidato nenhum. Mas, de acordo com a legislação vigente, é de obrigação de todo cidadão comparecer ao local de votação, ou a justificar sua ausência. Assim, podemos votar em um candidato de nossa preferência, votar em branco ou votar nulo.

Mas é nas duas últimas opções que muita gente fica em dúvida, afinal de contas, qual a diferença em voto em branco ou voto nulo?

Voto em branco

O voto em branco é aquele em que o eleitor não manifesta preferência por qualquer dos candidatos. Antes da implementação da urna eletrônica no Brasil (1996 – em mais de 50 municípios), para votar em branco bastava que o eleitor não assinalasse a cédula de votação, deixando-a em branco. Atualmente, para votar em “branco”o eleitor precisa pressionar a tecla “branco” na urna eletrônica e, em seguida, “confirma”.

Antigamente, o voto branco era considerado válido, ou seja, era recebido como um voto de conformismo, com o qual o eleitor se mostrava satisfeito com qualquer candidato que vencesse as eleições.

Conheça todas as propostas dos candidatos Presidência da República em 2018 

Voto Nulo

O Tribunal Superior eleitoral (TSE) considera como voto nulo aquele em que o eleitor manifesta sua vontade de anular o voto. Para votar nulo, o eleitor precisa digitar um número de candidato inexistente, por exemplo “00”, e depois a tecla “confirma”.

Até alguns anos atrás, o voto nulo era considerado inválido pela Justiça Eleitoral, como um voto de protesto contra os candidatos ou contra a classe política em geral.

Veja as datas dos próximos debates políticos na TV 

Hoje, no pleito eleitoral, vigora o princípio da maioria absoluta de votos válidos, de acordo com a Constituição Federal e a Lei das Eleições. Princípio que considera apenas os votos válidos, ou seja, os votos nominais e os de legenda, para os cálculos eleitorais, desconsiderando os votos em branco e os votos nulos.

Isso quer dizer que, atualmente, os votos brancos e os votos nulos representam apenas o direito de manifestação de descontentamento do eleitor. Não servem para o pleito eleitoral, do ponto de vista das eleições majoritárias (eleições para Presidente, Governador e Senador). Nas quais são eleitos os candidatos que obtiverem a maioria simples (o maior número de votos apurados) ou absoluta dos votos (mais da metade dos votos apurados, excluindo os votos em branco e nulos).

Confira os 30 melhores memes de Bolsonaro depois de sabatina no Jornal Nacional 

Aplicação nas Eleições Proporcionais

As eleições proporcionais são aquelas utilizadas para eleger os candidatos para os cargos de Deputado Federal, Deputado Estadual e Vereador (que não é o caso deste ano).

Aqui, os votos brancos e nulos são contabilizados de forma diferente, interferindo no resultado das eleições.

Para ser eleito a um desses cargos, o candidato precisa alcançar o quociente eleitoral, que é o índice que determina o número de vagas que cada partido vai ocupar no legislativo, obtido pela divisão do número de votos válidos (votos atribuídos aos candidatos ou à legenda) pelo número de vagas a serem preenchidas. Assim, quanto maior for a quantidade de votos nulos e brancos, menor será o quociente eleitoral e mais fácil será para o candidato conquistar a vaga.

Fonte: Jusbrasil

Próxima página »

Escolhidas para você