Saúde

Síndrome de Munchausen: conheça as causas e sintomas

A síndrome de Munchausen consiste em narrar sintomas que não correspondem a uma doença e que nunca são diagnosticados pelos médicos.

Existem transtornos mentais muito perigosos, mas às vezes difíceis de detectar, como a Síndrome de Munchausen, também conhecida como transtorno factício.

Em suma, é um transtorno psiquiátrico em que o paciente relata os sintomas para ser tratado por especialistas e, em alguns casos, pode até causar lesões autoinfligidas.

Desse modo, pacientes com pouco apoio social e familiar costumam sofrer com essa doença, pois procuram atendimento sem saber disso.

Outros estudos apontam que muitas mães projetam esse transtorno em seus filhos, simulando doenças, sintomas e os submetendo a assistência médica prejudicial ou potencialmente perigosa. Assim, configurando um tipo de abuso tanto físico quanto psicológico com alta probabilidade de deixar sequelas por toda a vida da vítima.

Continua após a publicidade

Vamos saber mais sobre esta condição abaixo.

O que é a síndrome de Munchausen?

A síndrome de Munchausen é um transtorno psiquiátrico em que a pessoa simula vários sintomas, assumindo assim, inconscientemente o papel de um paciente. Com efeito, isso pode ocasionar internações hospitalares, exames médicos desnecessários e até mesmo tratamentos médicos e cirúrgicos.

A doença foi descrita inicialmente pelo psiquiatra britânico Sir Richard Asher em 1951, que lhe deu o nome em homenagem ao protagonista da obra “As Aventuras do Barão de Münchhausen”, escrita por Rudolf-Eric Raspe em 1784, onde o incrível aventuras eram contadas, inventadas por um nobre alemão que afirmava serem verdadeiras no estilo mais quixotesco.

Causas da síndrome de Munchausen

Aqueles que sofrem com transtorno factício são muito difíceis de avaliar. São pessoas que não buscam obter um benefício físico de suas simulações, mas sim uma gratificação psicológica pela atenção que o pessoal médico lhes dá ao tentar descobrir a causa de suas doenças.

Continua após a publicidade

Desse modo, aqueles que sofrem desta doença são geralmente pacientes com pouco apoio social e familiar que procuram atendimento médico. No entanto, não há dados sobre as causas desse transtorno.

Principais sintomas

Os pacientes chegam às consultas de médicos especialistas explicando dramaticamente seus sintomas, mas tendem a responder vagamente quando são feitas perguntas específicas ou a concordar com qualquer sugestão de sintoma ou sinal que o médico possa fazer.

Eles nunca se opõem a serem submetidos a exames complementares, por mais sangrentos que sejam: exames, endoscopias, biópsias, exames cirúrgicos, etc. Inicialmente parecem ser colaboradores mas quando se inicia o tratamento tendem a não cumprir e a apresentar todo o tipo de queixas.

Também é possível analisar outros sintomas que incluem:

Continua após a publicidade
  • febre de origem desconhecidas;
  • lesões na pele;
  • enfisema subcutâneo;
  • dores em geral;
  • distúrbios endócrinos;
  • arritmias cardíacas;
  • insuficiência respiratória;
  • infecções de repetição;
  • simulação de alguma patologia.

Como diagnosticar?

Pouco se sabe sobre essa síndrome e raramente é considerada como diagnóstico diferencial. Mas sua identificação precoce pode ​​evitar exames diagnósticos desnecessários ou mesmo invasivos, danos físicos e emocionais às vítimas e internações onerosas.

Desse modo, o diagnóstico do transtorno factício é baseado na suspeita clínica do médico e, além disso, os três fatores a seguir devem estar presentes:

  • Pretensão ou produção de sintomas e sinais físicos ou psicológicos pelo paciente;
  • Necessidade de assumir o papel de doente;
  • Ausência de incentivos externos (econômicos, sociais, legais) que possam causar esse comportamento.

Tratamento para a síndrome de Munchausen

Por fim, em pacientes com síndrome de Munchausen, o tratamento raramente é bem sucedido. Concordar com as manipulações do paciente alivia sua tensão, mas provoca uma escalada, acabando por ultrapassar o que os médicos são capazes ou dispostos a fazer.

Confrontar o paciente ou recusar suas demandas de tratamento leva a reações de raiva que o levam a mudar de hospital. O paciente geralmente rejeita o tratamento psiquiátrico.

Continua após a publicidade

No entanto, o tratamento se reduz a reconhecer a doença e evitar procedimentos que envolvam risco, como o excesso de medicação.

Fontes: Vittude, Hospital Santa Mônica, Rede’Dor São Luiz

Leia também:

O que é Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC)?

Continua após a publicidade

Síndrome do Patinho Feio, o que é? Como lidar com o transtorno

Ursinho Pooh: personagens do desenho representam transtornos mentais

Ninfomania, o que é e os principais sintomas do transtorno

Tripofobia: o transtorno de quem tem medo de buracos

Continua após a publicidade

Amaxofobia: entenda melhor o medo excessivo de dirigir

Quais são os 12 vícios mais bizarros do mundo?

Síndrome de Fregoli: um transtorno delirante de identificação

Continua após a publicidade
Próxima página »

Escolhidas para você