Curiosidades

Yakuza: 10 fatos sobre a organização japonesa e maior máfia do mundo

A Yakuza contribui com o tráfico internacional de mulheres ao mesmo tempo que ajuda vítimas de desastres. Saiba mais sobre o polêmico grupo.

A Yakuza é um componente do imaginário não só de japoneses, mas de boa parte do mundo. Isso porque a controversa organização mafiosa do Japão é mundialmente conhecida por suas atividades ilegais no mercado negro.

Além disso, o rigoroso código de conduta e a força inimaginável no território asiático são destaques na história do grupo. Os membros da máfia se autodenominam uma ninkyō dantai, ou “organização cavalheiresca”. A definição da polícia para o grupo é bōryokudan, que significa “grupo de violência”.

Presente até mesmo no mundo Ocidental, a máfia japonesa tem um grande repertório para crimes, chegando até mesmo ao tráfico internacional de mulheres, mas também surpreende em ações de solidariedade. Para entender um pouco mais sobre esta famosa e misteriosa gangue, o Segredos do Mundo elaborou uma lista com as 10 principais controvérsias da Yakuza.

Confira os 10 fatos mais controversos sobre a Yakusa

1 – Famílias numerosas

Yakuza - 10 fatos controversos sobre a maior máfia do mundo

Continua após a publicidade

A Yakuza tem 103 mil pessoas filiadas, segundo estimativas do governo japonês. Na gangue, destacam-se quatro famílias.

A maior é a Yamaguchi-gumi, com 40 mil membros espalhados por 750 clãs. A Sumiyoshi-Rengo tem cerca de 10 mil membros e 177 clãs. A Inagawa-ka também tem 177 clãs, mas seu tamanho é estimado em 7 mil pessoas. Por fim, com seis clãs, aparece a Toua Yuai Jigyo Kumiaim, que em cerca de mil membros.

Continua após a publicidade

Após a II Guerra Mundial, a gangue chegou a ter 184 mil pessoas. Para se ter ideia, a polícia do Japão tinha, em 2010, 291 mil homens.

2 – Tatuagens de membros da máfia

Yakusa - 10 fatos controversos sobre a maior máfia do mundo

Continua após a publicidade

Quando se fala em Yakuza, vem logo à mente as famosas tatuagens, muito peculiares da organização. Os membros são tatuados por meio de uma arte artesanal chamada de Irezumi. A prática é tomada como sinal de bravura dos componentes, já que o processo causa muita dor.

Em contrapartida, pessoas com esse tipo de tatuagem sofrem discriminação por conta da associação com a máfia. Alguns parques e piscinas públicas, por exemplo, não permitem visitantes com esse tipo de tatuagem, assim como muitas empresas e repartições públicas deixam de contratar candidatos pela associação com a Yakuza.

3 – Solidariedade da Yakuza

Yakuza foi fundamental no apoio às vítimas do tremor, na região Tohoku, em 2011

A Yakuza ganhou muitas manchetes após o tsunami de 2011, que devastou parte do litoral japonês. O grupo chegou à região atingida para auxiliar as vítimas antes mesmo das equipes do governo do Japão.

Os membros distribuíram água, cobertores e itens de higiene pessoal. A máfia também atuou em 1995, no terremoto de Kobe, abastecendo a cidade com suprimentos. Todavia, segundo especialistas, a organização realiza esse tipo de gesto solidário não por convicção, mas para melhorar a imagem perante a opinião pública.

Continua após a publicidade

4 – Complexo de Robin Hood

Yakusa - 10 fatos controversos sobre a maior máfia do mundo

Há dentro da Yakuza uma corrente de pensamento que diz que os membros são descendentes dos samurais Kabuki-mono, que viveram no século XVII e atuaram como ronins. Basicamente, eles participavam de atividades criminosas e viviam em comunidades dedicadas à gestão de jogos de azar.

Muitos ainda se autodeclaram descentes dos Yokko-machi, ou “servos da cidade”, que defendiam os pobres e camponeses contra a tirania de ricos e nobres no Japão Medieval.

5 – Tráfico de mulheres relacionado à máfia

Yakuza - 10 fatos controversos sobre a maior máfia do mundo

Continua após a publicidade

Uma das práticas criminosas da Yakuza é o tráfico internacional de mulheres.

Basicamente, os mafiosos iludem jovens, especialmente latino-americanas, com promessas de carreiras bem sucedidas e levam-nas para o Japão. Em território nipônico, as vítimas são forçadas a serem escravas sexuais de membros da gangue ou seus clientes.

Uma reportagem publicada pela britânica BBC em janeiro deste ano contou a história de uma brasileira que sofreu com escravidão sexual depois de ser enganada pela Yakuza.

6 – Esposas e filhas de membros da máfia

Continua após a publicidade

A escravidão sexual não é restrita apenas às estrangeiras. Membros da máfia consentem que suas filhas e esposas recebam tratamento como escravas sexuais e sejam estupradas incontáveis vezes por outros pertencentes à gangue.

Um caso emblemático é de Shoko Tendo, que sofreu abuso sexual durante cinco anos por vários membros da Yakuza com consentimento de seu pai. Ela se tornou viciada em drogas dadas pelos próprios homens que a agrediam e precisou passar por uma série de cirurgias para se recuperar da brutalidade.

7 – Ação global da máfia

Basicamente, uma organização tão grande e poderosa como a Yakuza não atua somente no território japonês. Há vários braços espalhados pelo mundo, inclusive, no Ocidente.

Continua após a publicidade

Nos Estados Unidos, por exemplo, os estados de Nova York, Califórnia, Havaí e Nevada têm o maior contingente de homens ligados à máfia japonesa.

Em Los Angeles, os membros da gangue atuam para tentar enganar jovens atrizes desesperadas com o sonho da fama. Assim, eles as vendem como escravas sexuais ou mesmo como atrizes em filmes pornográficos. Muitas de suas vítimas também se envolvem com à prostituição.

8 – Pirâmide Yakuza

Yakusa - 10 fatos controversos sobre a maior máfia do mundo
Esquema de poder dentro da Yakuza é uma espécie de pirâmide

A organização de poder dentro da Yakuza seria uma espécie de pirâmide, com o chefe principal denominado oyabun. Os kobun lideram vários capangas e detêm muito poder, mas todos eles devem lealdade ao oyabun.

As leis do grupo, basicamente, rezam que todos os seguidores têm o dever de manter-se fiéis e obedientes ao grupo e ao grande chefe. Mesmo que isso signifique sacrificar a própria vida.

Continua após a publicidade

9 – Punição e estigma

Na Yakuza, a punição para qualquer insubordinação ou falha em tarefas propostas pelos chefes é a amputação de parte dos dedos, especialmente o mindinho.

A tradição, aliás, vem da era Meiji, quando amputava-se alguém para que ele se tornasse mais dependente de seu superior. Desse modo, quem fosse o alvo da punição não poderia, por exemplo, brandir a espada com a mesma destreza.

Na sociedade japonesa, pessoas sem dedos possuem o estigma da associação com à máfia e sofrem muito preconceito. Por isso, o mercado de próteses dessas partes tem grande proeminência.

Continua após a publicidade

10 – Significado de Yakuza

Yakusa - 10 fatos controversos sobre a maior máfia do mundo

Por fim, o nome Yakuza é oriundo de um dialeto regional e significa “8-9-3”, nomenclatura provavelmente oriunda dos jogos de baralho denominado ochokabu.

Aliás, define-se a pontuação neste jogo pela soma de várias cartas e utilizando apenas o menor valor. Portanto, conforme as regras, 20 é igual a 0.

Assim, o significado da expressão japonesa Yakuza seria “pessoas sem valor” ou “pessoas de jogos de azar”.

Continua após a publicidade

Então, se você tem interesse em saber mais sobre a curiosidades do Japão, vai gostar de conhecer 14 invenções japonesas bizarras que você vai querer testá-las.

Fonte: BBC, Superinteressante, Fatos Desconhecidos e Japão em Foco.

Fonte de Imagens: Fatos Desconhecidos, BBC, Mundo Curioso, Jornal IGuia Japão, Pinterest e Estilo.online.

Continua após a publicidade

Próxima página »

Escolhidas para você