3 lendas urbanas assustadoras que na verdade são reais

As lendas urbanas raramente são verdadeiras, mas muitas vezes elas revelam nossos medos mais profundos e sombrios. Compartilhar esses medos com outras pessoas é uma maneira de enfrentar e lidar com o que tememos.

Então, em uma noite escura, talvez em torno de uma fogueira, durante uma festa de pijama ou apenas uma noite tranquila com os amigos, tente contar uma alguma dessas histórias de terror … se você tiver coragem!

Lendas Urbanas que acabaram se provando reais

1. Ligações do além

No dia 12 de setembro de 2008, às 16:22, no Vale da Califórnia, um trem  que transportava 225 passageiros colidiu com um trem de carga. No que veio a ser conhecido como o acidente de Chatsworth, 135 pessoas ficaram feridas, das quais 87 foram levadas para hospitais, 46 em estado crítico e 25 morreram.

Um dos falecidos era Charles E. Peck, de 49 anos, um funcionário da  empresa Delta Air Lines, no Aeroporto Internacional de Salt Lake City. Ele tinha ido a Los Angeles para uma entrevista de emprego no Van Nuys Airport.

Sua noiva ouviu sobre o acidente em um relatório de notícias de uma rádio enquanto ela estava dirigindo para a estação de trem para pegar Charles. Os pais e irmãos de Peck (que moram na área de Los Angeles ) estavam com ela.

O corpo de Peck foi recuperado dos destroços 12 horas após o acidente. No entanto, durante as primeiras onze horas, seu celular telefonou várias vezes para seus entes queridos, seu filho, seu irmão, sua madrasta, sua irmã e sua noiva. Ao todo, seus vários membros da família receberam 35 chamadas de seu celular durante as 11 horas. Quando atendiam, tudo o que ouviam era estática.

Quando eles ligavam de volta, suas chamadas caiam diretamente no correio de voz. Mas as chamadas lhes davam a esperança de que o Charles ainda estivesse vivo, apenas preso em algum lugar nos destroços.

Os policiais que ajudavam na busca pelos desaparecidos conseguiram rastrear as chamadas e chagaram à sua orgiem. Eles finalmente encontraram o corpo de Charles. Até onde se sabe, o telefone nunca foi encontrado.

Charles Peck morreu instantaneamente no impacto. No entanto, muito depois de sua morte, seu telefone celular continuou a fazer ligações para seus entes queridos, o que levou os socorristas a seus restos mortais.

Ironicamente (e trágicamente), outro telefone celular pode ter desempenhado um papel fundamental no acidente de Chatsworth. Uma investigação revelou que o engenheiro que circulava pelo trem de comboio não tinha percebido uma luz de sinal vermelha, em vez disso, continuou em direção à faixa onde o trem de transporte da Union Pacific estava. De acordo com os filhos do engenheiro que colaboraram com a investigação, eles estavam trocando mensagens de texto com o pai quando o acidente aconteceu.

2. Sombra e Escuridão

Como parte da construção de uma ferrovia que liga Uganda, na África, com o Oceano Índico no Porto de Kilindini , em março de 1898, os britânicos começaram a construir uma ponte ferroviária sobre o rio Tsavo, no Quênia. O projeto foi liderado pelo tenente-coronel John Henry Patterson. Durante os próximos nove meses de construção, dois leões machos, que ficaram conhecidos como a Sombra e a Escuridão, perseguiram o acampamento, arrastando os trabalhadores indianos das suas tendas à noite e devorando-os.

Após vários ataques, centenas de trabalhadores fugiram de Tsavo, impedindo a construção na ponte. O tenente-coronel Patterson preparou armadilhas e tentou várias vezes emboscar os leões à noite. Após repetidas tentativas mal sucedidas, ele disparou no primeiro leão em 9 de dezembro de 1898. Vinte dias depois, o segundo leão foi encontrado e morto. O primeiro leão morto media 2,95 m do nariz à ponta da cauda. Foram necessários oito homens para levar a carcaça de volta ao acampamento.

O segundo leão foi alvejado nove vezes, cinco com o mesmo rifle, três com um segundo e uma vez com um terceiro rifle. Patterson estava em cima de uma árvore quando matou o leão, e conta que até em seus últimos segundos de vida o leão tentava devora-lo, tentando subir na árvore.

Existem várias teorias e mistérios que cercam esses leões. Segundo o próprio relato de Patterson, os leões eram anormalmente grandes. Além disso, o comportamento de atacar seres humanos nesses leões foi muito discutido. Os leões são conhecidos por atacar seres humanos de tempos em tempos, mas geralmente quando eles são encontrados sozinhos e não quando estão reunidos em grande número.

Esse comportamento confundiu pesquisadores. Também foi dito que os leões acabaram se tornando tão destemidos que eles nem arrastavam mais suas vítimas para os arbustos, começaram a devorá-los a poucos metros das barracas. Outra teoria afirma que às vezes os leões matavam sem nenhum motivo lógico, já que não devoravam os corpos.

Patterson em seu livro também menciona ter encontrado o esconderijo dos dois leões, uma caverna perto da margem do rio Tsavo, onde ele encontrou vários crânios humanos mantidos pelos leões quase como seus “troféus”.

A equipe de construção retornou e terminou a ponte em fevereiro de 1899. O número exato de pessoas mortas pelos leões não é certo, mas sabe-se que ao menos 135 pessoas foram mortas pela Sombra e a Escuridão.

3. Morte impossível

Lam era um estudante canadense de 21 anos que morava em Vancouver. Em janeiro de 2013, ela partiu, sozinha, em um tour por inúmeras cidades da costa oeste dos EUA.

Começando suas férias em San Diego, ela visitou o zoológico e escreveu sobre a cidade em seu blog, depois continuou, chegando a Los Angeles no dia 26 de janeiro. Lá, ela se hospedou no Cecil Hotel.

O plano de Elisa era fazer cinco dias de turismo em Los Angeles e continuar sua jornada para Santa Cruz. Neste período, seus pais não receberam o telefonema diário de sua filha. Como Elisa não tinha o costume de fazer isso, eles entraram em contato com a polícia de Los Angeles para relatar seu desaparecimento.

A equipe do hotel disse que ela estava sozinha na manhã do seu desaparecimento, e o gerente de uma livraria nas proximidades, a última pessoa a relatar vê-la viva, descreveu-a como “extrovertida, muito animada, muito amigável”, tendo ido comprar presentes para família dela.

A polícia realizou várias buscas no hotel, mas nada foi encontrado, nem mesmo indícios de um crime.

No dia 6 de fevereiro, panfletos foram distribuídos no bairro, pedindo a qualquer um com qualquer informação para se apresentar. Uma semana passou sem novas informação, e então o caso teve sua primeira reviravolta.

Em 16 de fevereiro, o departamento de policia revelou um vídeo de vigilância do hotel, datado em 1º de fevereiro. O vídeo retrata Elisa em um dos elevadores do hotel, agindo de forma extremamente bizarra. Ela espia dentro e fora do elevador, se escondendo na esquina, pressionando vários botões e gesticulando e dançando de forma errática no corredor fora do elevador. Ela então sai do elevador e a porta fecha e abre várias vezes antes do vídeo acabar.

No momento do lançamento do vídeo, a atenção da mídia em torno do caso aumentou drasticamente. Jornalistas descobriram que o Cecil Hotel tinha uma longo histórico de acontecimentos estranhos, incluindo assassinatos e suicídios.

Durante esse tempo os hóspedes do hotel começaram a se queixar de um gosto estranho na água, juntamente uma coloração atípica e baixa pressão nas torneiras dos quartos. Os funcionários começaram a investigar o encanamento do prédio. Isso os levou a uma descoberta horrível nos tanques de água no telhado do prédio.

Dentro de um dos tanques, flutuando nua ao lado de suas roupas e pertences, estava o corpo parcialmente decomposto de Elisa Lam.

A descoberta do corpo trouxe mais perguntas do que respostas. A autópsia não encontrou evidências de trauma ou agressão sexual, sem vestígios de drogas ilícitas e nenhuma evidência de que Elisa tentou suicídio.

O tanque de água em questão tinha blocos de concreto gigantes sobre sua tampa, eram pesados, difíceis de deslocar, e foram encontrados intactos. O acesso ao próprio telhado era bloqueado. Como Elisa conseguiu chegar lá e entrar no tanque sem remover os blocos de concreto? A investigação cessou, mas muitas questões vitais permanecem sem resposta nesta tragédia.

 

Apesar dessas histórias serem completamente diferentes entre si, existem uma fator em comum em todas elas, são todas reais.

 

 

Fontes: Fatos Desconhecidos | Megacurioso | Megacurioso
Imagens: Reprodução