5 dicas para realmente economizar na Black Friday

Todo mundo sabe que a Black Friday americana consiste em um dos eventos mais aguardados do ano e que realmente oferecem oportunidades de compras com preços realmente amigáveis. Aqui no Brasil, no entanto, economizar na Black Friday nem sempre é possível, já que muitas lojas costumam subir os preços de seus produtos antes do evento e, então, enganar os consumidores com descontos que não existem.

Isso, claro, é apenas um dos problemas do evento por aqui. Como você já viu nessa outra matéria, existem ainda sites que dão golpes em consumidores e já caíram na lista dos que devem ser evitados durante a Black Friday.

8

Saber de tudo isso é meio chato, a gente sabe, mas não se deprima. Se for sua intenção comprar durante a grande liquidação, fique sabendo que existem sites e lojas honestas e que existem também alguns truques que podem fazer você realmente economizar durante a Black Friday.

Na lista que preparamos abaixo você tem acesso às dicas de ouro para comprar e não ser passado para trás durante o evento. Como você vai ver, para realmente valer a pena comprar durante a Black Friday é preciso planejamento e, acima de tudo, atenção.

Confira 5 dicas para realmente economizar na Black Friday:

1. Monitore o histórico de preços

2

Para não cair em golpes, como os de preços que são elevados antes da Black Friday, o jeito mesmo é pesquisar. Sites comparadores de preços, como o Buscapé e Bondfaro, por exemplo, monitoram o histórico de preços do produto que você está interessado. Em alguns casos é possível perceber um aumento de quase 30% no valor dos produtos desde o início de novembro para enganar os clientes com descontos irreais.

3

A dica, segundo o site Exame, é só comprar se os preços caírem proporcionalmente além do que já aumentaram. Caso contrário, você não vai economizar na Black Friday.

Não se esqueça também de incluir, neste monitoramento, o valor do frete. Até mesmo nisso algumas lojas costumam mexer durante a grande liquidação para enganar o cliente.

2. Comece o quanto antes

4

As pessoas esquecem, mas 00h01 já conta como sexta-feira e, portanto, já é Black Friday. O ideal, para conseguir encontrar os produtos que você deseja e ainda ter tempo para uma pesquisa refinada é começar suas compras na madrugada ou nas primeiras horas do dia.

No caso dos eletrodomésticos, que tem uma margem menor de lucro para o comerciante, os descontos mais generosos costumam girar em torno de 20%. Já no caso de móveis, roupas, alimentos, bebidas e assim por diante, os descontos costumam ser bem mais agressivos, chegando a 50% ou mais.

3. Planeje suas compras

5

Comprar por impulso é sempre uma armadilha, então, a melhor opção é se planejar. Especialistas recomendam que se faça uma revisão nas próximas faturas do cartão de crédito para ter certeza de que novas compras não estourarão o orçamento, verificar se existem juros inclusos nas parcelas e assim por diante.

É preciso levar em consideração ainda, antes das compras, as despesas extras do final e do início de ano, como as compras de Natal, matrícula escolar, IPVA, IPTU e demais impostos.

Outra boa dica para evitar tentações em excesso e conseguir economizar na Black Friday é fazer uma lista com tudo que se pretende adquirir.

4. Escolha o cartão de crédito

6

Na hora de fazer o pagamento de produtos comprados durante a Black Friday, a melhor opção é o cartão de crédito, especialmente se as compras forem feitas pela internet. Isso porque esta forma de pagamento protege o consumidor de golpes, possibilitando que o valor gasto seja cancelado ou mesmo estornado para o comprador, caso o produto não seja entregue ou não esteja de acordo com o anunciado.

Sites que só aceitam pagamento por boleto bancário, por exemplo, costumam ser uma grande furada.

5. Fotografe a tela em todas as etapas de compra

7

Para economizar na Black Friday do Brasil é preciso desconfiar de tudo e se manter sempre alerta. Portanto, se for comprar online, não deixe de fotografar ou dar print na tela a cada etapa de compra. Isso vai servir de registro caso ocorra algum erro na cobrança, por exemplo, caso o produto saia por um preço maior que o pretendido ou até mesmo se você não receber o que comprou.

Emails de confirmação de compra e pagamento, que indiquem prazos de entrega pelo site e que forneça todas as informações úteis da compra também devem ser guardados. Tudo isso serve como uma garantia de que você pagou pelo produto.

Agora, se realmente der “caca”, os especialistas recomendam que o cliente procure negociar diretamente com a loja, de forma amigável. Caso o problema não for resolvido você pode tentar o cancelamento e estorno pela operadora do cartão de crédito e, claro, procurar o Procon.

E, por falar em comprar, você vai gostar também de conferir: O que é possível comprar com 300 mil dólares pelo mundo?

Fonte: Exame