Sabia que chupão no pescoço pode ser fatal? Entenda

Na hora daquele amasso, quem nunca levou ou deixou aquele famoso chupão no pescoço? O ato, claro, é de muito mal gosto, até porque deixa uma mancha roxa e, normalmente, muito aparente no pescoço e em outras regiões sensíveis do corpo por dias!

No entanto, conforme especialistas, o constrangimento e a lesão na pele não são as únicas consequências ruins de um chupão no pescoço. Isso porque, a mancha aparece porque o beijo, mordida ou sucção (chupão) estoura os vasos sanguíneos que estão logo abaixo da pele.

E, se você está tentando entender onde mora o perigo dessa situação, fique sabendo que o chupão no pescoço pode ser fatal! Claro que se trata de uma situação rara, mas mortes já foram registradas devido a um chupão feito no pescoço com muita força.

6

Chupão no pescoço e morte

O caso mais recente, aliás, aconteceu na Cidade do México, no México, com um rapaz de 17 anos, chamado Julio Macias Gonzalez. Conforme o site Metrópoles, a namorada fez um chupão no pescoço do garoto, mas nada de anormal aconteceu nos primeiros instantes.

1

Julio até voltou para casa e se sentou à mesa para jantar com a família, quando começou a sofrer convulsões. Ao ser levado para o hospital, no entanto, o rapaz não resistiu e morreu.

Os médicos que examinaram o garoto identificaram o chupão no pescoço como o fator decisivo em sua morte. Segundo os especialistas que o atenderam, o chupão foi tão forte que acabou criando um coágulo na região sugada. Com a pulsação coágulo acabou sendo levado até o cérebro e desencadeou um derrame cerebral.

2

Os familiares de Julio contaram ao site El Ciudadano que responsabilizam a namorada do rapaz pela morte. A garota, no entanto, está desaparecida.

Tenso, não? Na próxima vez que você estiver em um momento quente, lembre-se dessa história antes de deixar um chupão no pescoço de alguém!

3

E, por falar em coisas ruins que podem surgir depois de uma “pegação”, você deveria conferir também: 6 doenças transmitidas pela saliva que você não sabia.

Fonte: Catraca Livre, Metrópoles