Carta do Diabo escrita por freira possuída é decifrada depois de 300 anos

Quem nunca assistiu um filme de terror com uma freira possuída pelo demônio? Embora a história de hoje pareça um roteiro clichê dos filmes de possessão demoníaca, há registros que ela aconteceu de verdade e envolvia uma carta do diabo, ditada pelo próprio “encardido” a uma religiosa.

Escrita há mais de 340 anos, em pleno século 17, o conteúdo da carta do diabo, no entanto, permaneceu em segredo até hoje, já que a mensagem escrita pela freira italiana Maria Crocifissa della Concezione é cifrada.

O mais interessante de tudo é que só foi possível decodificar a carta agora com a ajuda de um programa de computador tirado da Deep Web. (Fala se isso não é coisa de filme!?).

A carta do Diabo

De acordo com o site Live Science, a mensagem foi escrita em agosto de 1676, quando a freira tinha 31 anos de idade. Ela vivia no convento Palma di Montechiaro, na região da Sicília; e foi encontrada em sua cela jogada no chão, com o rosto coberto de tinta e segurando a tal carta do diabo.

Na época, a religiosa disse que a carta foi escrita pelo próprio Demo, na tentativa de fazê-la assumir a mensagem e se voltar contra Deus.

Mensagem decifrada

Composta por 14 linhas, a carta despertou o interesse dos pesquisadores do Museu de Ciência de Ludum, também na Sicília. Eles usaram o tal programa da internet na esperança de decodificar alguns símbolos soltos, mesmo que não fizessem muito sentido.

Para a surpresa de todos, a freira tinha amplo conhecimento de alfabetos antigos, o que permitiu que os pesquisadores encontrassem sentido nas partes que foram decifradas.

O que o Diabo tinha a dizer

No tal conteúdo maligno, a carta do Diabo acusa a Santíssima Trindade (forma que a Igreja Católica usa para identificar Deus como Pai, Filho e Espírito Santo) de serem pesos mortos e sobre Deus não ter realmente poder de libertar os mortos.

Satã, inclusive, teria escrito por intermédio da freira possuída que talvez o conceito do Estige – que na mitologia greco-romana se trata do rio que separa o mundo dos vivos do mundo dos mortos – esteja correto.

Existem ainda outras passagens da carta que não fazem sentido, já que o texto consiste basicamente em divagações.

Psicose ou possessão?

Embora os mais religiosos possam ficar abalados com a carta do Diabo, assim como a Igreja ficou na época, os pesquisadores apostam que a tal freira possuída, na verdade sofresse de esquizofrenia ou de bipolaridade.

Segundo os cientistas, Maria Crocifissa della Concezione era, na verdade, Isabella Tomasi e viva no convento desde os 15 anos, tempo suficiente para ficar perturbada com o enclausuramento. Na época, no entanto, a carta do Diabo foi considerada uma prova da luta da religiosa contra os vários espíritos malignos que teriam tentado fazer com que ela assinasse a mensagem.

Tenso, não? Você por exemplo, em que acredita? Acha que ela realmente poderia estar sendo usada para transmitir uma mensagem do “coisa ruim” aos vivos?

E, aproveitando que o papo está indo por esse caminho meio supersticioso, meio religioso, não deixe de conferir também: 3 coisas que todos pensam estar na Bíblia, mas não estão.

Fonte: Mega Curioso, Live Science, Ancient Origins