10 segredos que as redes de fast food escondem de você

Comida gordurosa, apesar de ser um veneno para o corpo, tem um gostinho inegavelmente bom. O problema, no entanto, é que, juntamente com esse gosto que vicia, milhares de outros ingredientes que você sequer imaginou, são mandados juntos para dentro de seu corpo. E não é só isso: como você vai ver na matéria de hoje, as redes de fast food são peritas em esconder segredos sórdidos de você e de todos os fãs de suas comidas pré-prepadas.

Dentre esses segredos que as redes de fast food não querem que você saiba, por exemplo, é que sua batata frita crocante e salgadinha está sempre velha, que seu hambúrguer marcado pela grelha jamais foi grelhado, que mais de 100 vacas diferentes podem compor a carne de seu sanduíche, que há coliformes fecais nas suas bebidas e assim por diante.

Ficou assustado? Que bom, porque você precisa se assustar mesmo! Há muito mais coisas sobre as redes de fast food que você não sabe, não gostaria de saber, mas que estão disponíveis logo abaixo, na lista que preparamos.

Veja, agora, os segredos mais cabulosos das redes de fast food pelo mundo:

1. Hambúrguer nada grelhado

1

Embora a carne venha com marcas perfeitas de grill, você precisa saber: elas não são reais e seu hambúrguer não oi realmente grelhado. Aliás, essas marquinhas nem são feitas dentro das redes de fast food. Elas foram colocadas ali, de forma estratégica pelo fabricante, para deixar a carne mais apetitosa.

2. Batatas fritas sempre velhas

2

Mesmo que esteja crocante, sua tão amada batata frita, normalmente, já estava pronta há horas! Isso porque as redes de fast food precisam de agilidade e, como ninguém percebe que as batatas estão velhas, eles as preparam antes. A única forma de conseguir batatas recém-preparadas é pedindo batata frita sem sal. Nesse caso, eles precisam fazer uma porção especialmente para você.

3. Máquinas de refrigerante nada higiênicas

3

Tem gente que ama frequentar redes de fast food só para tomar refrigerante daquelas máquinas dispensadoras, não é mesmo? O problema, segundo uma pesquisa realizada recentemente, é que mais de 50% desses recipientes nas redes de fast food contém matéria fecal (ou, pelo menos continham durante as inspeções do estudo). O mais seguro, quando ir a esses restaurantes, é pedir sucos ou outras bebidas lacradas, como água.

4. Ingredientes velhos

4

Na maior parte dos restaurantes das redes de fast food, ingredientes e temperos do dia anterior não são descartados. Então, não adianta se enganar: dificilmente sua comida estará fresca, já que boa parte dos ingredientes são sempre velhos e amanhecidos.

5. Milkshakes do mal

8

Você não sabia, mas um inocente milkshake das redes de fast food pode conter mais de 50 produtos químicos diferentes. É muito raro, aliás, quando há alguma fruta real nessas batidas.

6. Xarope de milho em tudo

9

As redes de fast food, simplesmente, adoram xarope de milho e os enfiam em toda e qualquer receita. Para quem não sabe do que se trata, esse tipo de xarope representa uma injeção de frutose, um espécie de açúcar, no organismo e é um dos piores inimigos da saúde. Além disso, o xarope de milho grandes chances de deixa você viciado, pois engana seu corpo para que você sempre queira mais comidas em que ele esteja na receita, mesmo que você não saiba disso.

7. Cuidado com os limões

6

Não é muito difícil pedir um refrigerante ou água com gelo e limão para acompanhar um belo sanduíche, não é mesmo? Pois, de hoje em diante, evite pedir limões em redes de fast food. Isso porque, como o serviço desses lugares precisa ser rápido, os funcionários dificilmente lavam os limões que são acrescentados ao copos. Em consequência, você pode estar consumindo grandes quantidades de agrotóxicos juntamente com sua bebida refrescante.

8. Hambúrguer Frankstein

5

Outro segredo que as redes de fast food jamais comentam é sobre a composição de seus hambúrgueres. Isso porque essa carne, marca registrada dos sanduíches por aí, pode ser feita com até 100 vacas diferentes.  Ou seja, é um amontoado de carnes de diferentes lugares, todas processadas juntas.

9. A epidemia do fast food

7

Em 2013, os brasileiros gastaram mais de R$ 50 bilhões em redes fast food. Isso, aliás, representa um aumento de 82%, se comparado aos números de 2008. A estimativa é que, em 2018, essa estatística suba para R$ 75 bilhões. Nós, aliás, estamos seguindo o ritmo de crescimento dos Estados Unidos. Na Terra do Tio Sam, por exemplo, gastava-se cerca de US$ 6 bilhões anuais com comidas de redes de fast food. Hoje os gastos não infinitamente maiores, chegando a mais de US$ 200 bilhões anuais.

10.  Trabalho escravo

10

Mas, se você pensava que acabou, está enganado. Não é só com sua saúde que as redes de fast food estão ferrando. Não são raras notícias sobre redes de fast food que utilizam trabalho escravo em suas cozinhas, para atenderem mais clientes, sem ter gastos com mão-de-obra.

E agora que você sabe dos segredos das redes de fast food, o que vai fazer sobre o assunto?