Curiosidades

‘A revolução dos bichos’: alegoria que faz crítica ao totalitarismo

A Revolução dos Bichos é uma sátira sobre política escrita por George Orwell, em 1945, após o fim da primeira guerra mundial.

Em agosto de 1946, foi publicado nos Estados Unidos “A revolução dos bichos” de George Orwell. Foi um enorme sucesso, com mais de meio milhão de cópias vendidas em seu primeiro ano. A obra foi seguida três anos depois por um sucesso ainda maior: o romance distópico de Orwell “1984”.

Vamos saber mais sobre este livro, suas críticas ao totalitarismo e o autor George Orwell neste artigo.

Resumo de “A revolução dos bichos”

“A revolução dos bichos” conta a história de um grupo de animais que derrubam o dono da fazenda. O livro de George Orwell explora temas de totalitarismo, corrupção de ideais e poder da linguagem.

Assim, cada personagem da obra representa uma figura da Revolução Russa. Sr. Jones, o proprietário humano original da fazenda, representa o ineficaz e incompetente Czar Nicolau II.

Os porcos representam membros-chave da liderança bolchevique e os demais bichos representam as classes trabalhadoras da Rússia.

Personagens de “A revolução dos bichos”

Porcos

De acordo com Orwell, os porcos representam membros-chave da liderança bolchevique: Napoleão representa Joseph Stalin, Snowball representa Leon Trotsky e Squealer representa Vyacheslav Molotov.

Os porcos adotam os modos humanos aos quais se opuseram ferozmente (beber uísque, dormir em camas) e fazem negócios com os agricultores que os beneficiam apenas.

A descida dos porcos à corrupção é um elemento-chave do romance. Orwell, um socialista, acreditava que a Revolução Russa havia sido corrompida por buscadores de poder como Stalin desde o início.

Cavalos

A essência deste livro vem das descrições que o autor faz daqueles animais comuns que, sem pensar, se entregam de boa fé a trabalhar para o próprio sistema pelo qual são cruelmente explorados.

Um caso em questão é Boxer, um dos dois cavalos de carroça entre os “discípulos mais fiéis” dos porcos. Os cavalos “tinham grande dificuldade em pensar em algo por si mesmos; mas uma vez que aceitaram os porcos como seus professores, absorveram tudo o que lhes foi dito e passaram para os outros animais”.

Seja colhendo feno ou pegando pedras da pedreira, Boxer trabalha mais do que qualquer outro animal, mas ainda assim adota o lema “Vou trabalhar mais”.

Ele é tão altruísta em seu serviço, de fato, que ele trabalha perto da morte. Neste ponto, Napoleão, enquanto pretende mandá-lo para o hospital, vende-o para o matadouro, depois gasta o dinheiro de seu cadáver em uísque para os porcos.

Outros animais

Os outros animais incluem burro, cabra, corvo, patos, galinhas e ovelhas. Em suma, eles representam as classes trabalhadoras da Rússia: inicialmente apaixonados pela revolução, eventualmente manipulados para apoiar um regime que era tão incompetente e sem dúvida mais brutal do que o anterior.

Além disso, a fazenda em si representa a Rússia, e as fazendas vizinhas representam as potências europeias que testemunharam a Revolução Russa.

Seres humanos

Sr. e Sra. Jones são os donos cruéis e incompetentes da fazenda no início da história. Às vezes, eles se esquecem de alimentar os animais e tentam levá-los à submissão.

Eles representam o último czar da Rússia e sua esposa, Nicolau II e Alexandra, que eram muito impopulares, em parte porque arrastaram a Rússia para a Primeira Guerra Mundial e depois administraram mal seu envolvimento.

O Sr. Pilkington, o agricultor vizinho, é um símbolo para os EUA e o Reino Unido. Enquanto isso, o Sr. Frederick, o astuto agricultor vizinho que faz uma barganha difícil e está sempre envolvido em ações judiciais, representa Hitler.

Napoleão está sempre negociando entre os dois, e simultaneamente enviando Squealer para explicar aos outros animais por que ele está lidando com humanos.

Mr. Whymper atua como um mediador entre os bichos e os humanos no mundo exterior. Ele percebeu desde o início que os animais precisariam de um porta-voz para agir em seu nome, e ficou feliz em fazê-lo, desde que fosse pago.

O Sr. Whymper representa os ocidentais crédulos que estavam dispostos a espalhar a mensagem comunista e atender aos objetivos de Stalin para lucro pessoal.

George Orwell, autor de “A revolução dos bichos”

George Orwell era o pseudônimo de Eric Blair. Nascido em 1903 na Índia colonial, Blair mais tarde mudou-se para a Inglaterra, onde frequentou escolas de elite com bolsas de estudo.

Depois de terminar a escola, ingressou no serviço civil britânico, trabalhando na Birmânia, hoje Mianmar. Aos 24 anos, Orwell retornou à Inglaterra para se tornar escritor.

Durante a década de 1930, Orwell teve um sucesso modesto como ensaísta, jornalista e romancista. Ele também serviu como soldado voluntário de um grupo de milícias de esquerda que lutou em nome da República Espanhola durante a Guerra Civil Espanhola.

Durante o conflito, Orwell experimentou como a propaganda poderia moldar narrativas políticas ao observar relatos imprecisos de eventos que ele experimentou em primeira mão.

Orwell mais tarde resumiu o propósito de seus escritos a partir da Guerra Civil Espanhola: “Toda linha de trabalho sério que escrevi desde 1936 foi, direta ou indiretamente, contra o totalitarismo e pelo socialismo democrático”.

Contudo, ele não especificou nessa passagem o que ele quis dizer com totalitarismo ou socialismo democrático, mas alguns de seus outros trabalhos esclarecem como ele entendia esses termos.

Adaptações

“A revolução dos bichos” foi adaptada muitas vezes para o teatro e para o cinema. Os principais incluem dois filmes, um de 1954 e outro de 1999. Vamos dar uma olhada em cada um deles:

“A revolução dos bichos” (1954)

Diretor: John Halas e Joy Batchelor
Elenco Notável: Maurice Denham

Financiada pela CIA no auge da Guerra Fria, essa adaptação fez várias mudanças na história da novela para sugerir que o regime stalinista dos porcos é muito pior do que o regime capitalista de Jones. Assim, o filme termina com os outros animais, liderados por Benjamin, retomando o controle da fazenda.

“A revolução dos bichos” (1999)

Diretor: John Stephenson
Elenco Notável: Kelsey Grammer, Ian Holm, Julia Louis-Dreyfus, Patrick Stewart, Julia Ormond, Paul Schofield, Pete Postlethwaite, Peter Ustinov

Por fim, esta adaptação é narrada pela cadela do Sr. Jones, Jessie, e termina com a Fazenda de Napoleão em ruínas. Aliás, é fiel aos eventos do livro, embora os críticos tenham achado uma versão simplista da história de Orwell.

Fontes: Wikipédia, Mural dos Livros, Guia do Estudante

Outros conteúdos que podem interessar:

Luís de Camões: como o autor de Os Lusíadas perdeu um olho?
Livros de Jane Austen – Melhores romances da autora
Obras de Monteiro Lobato – 12 livros para conhecer o trabalho do autor
O que é cordel? Principais características, autores e obras do gênero
Stephen King – Quem é e todos os filmes baseados nos livros do autor

Próxima página »

Escolhidas para você