Curiosidades

Como John Lennon morreu? Os últimos minutos do ex-Beatle

Há mais de 40 anos, o icônico vocalista dos Beatles era morto à tiros na rua em Nova York. Saiba tudo sobre a morte de John Lennon.

Em 8 de dezembro de 1980, o mundo ficou chocado com a notícia da morte do ex-Beatle, John Lennon. Ele foi assassinado perto de seu apartamento, por um “fã”, chamado Mark Chapman. Preso no local, Chapman mais tarde se declarou culpado e recebeu uma sentença de prisão perpétua.

A morte de Lennon permanece tão significativa que a maioria das pessoas com idade suficiente para se lembrar dela sabe exatamente onde estava quando ocorreu; o evento serve como um ponto de virada cultural.

Como foi a morte de John Lennon?

Foi por volta das 23h (horário local), que Mark David Chapman disparou cinco tiros em Lennon enquanto este estava entrando em sua casa, um apartamento em Manhattan, junto com sua esposa Yoko Ono.

Chapman, um ávido fã dos Beatles, ficou irritado com o estilo de vida luxuoso de Lennon e com tais declarações históricas de que os Beatles eram mais famosos que Jesus Cristo.

Continua após a publicidade

Embora Lennon tivesse declarado isso anos antes, em uma entrevista em março de 1966, Chapman refletiu sobre uma declaração tão ultrajante.

Além disso, a letra do mega-hit Imagine em que Lennon ‘imaginou’ um mundo pacífico sem religiões, também foi ofensiva para Chapman.

O assassino não fugiu da cena do crime enquanto calmamente lia O Apanhador no Campo de Centeio, de JD Salinger, enquanto Lennon dava seu último suspiro e Yoko Ono gritava por ajuda.

Descobriu-se que o modelo de Chapman era Holden Caulfield, o principal protagonista do romance de Salinger. Este personagem fictício tornou-se um ícone da rebelião adolescente na literatura.

Continua após a publicidade

Por que Chapman matou John Lennon?

Chapman, com 25 anos na época, recebeu diagnóstico de psicótico limítrofe. Aliás ele passou meses planejando o assassinato.

O assassino estava carregando o livro de JD Salinger, O Apanhador no Campo de Centeio; com o qual ele mais tarde admitiu se identificar por causa de seus principais temas isolamento e solidão – quando atirou em Lennon.

Chapman foi preso no local sem incidentes, enquando Jonh Lennon faleceu a caminho do hospital.

Na época, Chapman recusou-se a alegar insanidade, afirmando que era “ vontade de Deus” que Lennon morresse.

Continua após a publicidade

Aliás, ele disse que estava irritado com o que via ser o estilo de vida hedonista de Lennon e uma citação infame que Lennon fez anos antes sobre os Beatles serem “mais populares que Jesus”.

Chapman teria mirado em outras três celebridades caso ele não tivesse conseguido assassinar Lennon naquele dia, dizendo: “Eu inventei qualquer pessoa famosa que eu pudesse”.

Embora tenha sido condenado a 20 anos de prisão perpétua, Chapman teve sua liberdade condicional negada 11 vezes e permanece atrás das grades.

Em setembro de 2020, em sua audiência de liberdade condicional, o assassino admitiu que tirou a vida de Lennon pela “glória” e alegou que merecia a pena de morte.

Continua após a publicidade

Discurso do assassino

“Ele era extremamente famoso. Eu não o matei por causa de seu caráter ou do tipo de homem que ele era. Ele era um homem de família. Ele era um ícone e era alguém que falava de coisas que agora podemos falar e é excelente.”

“Eu o assassinei… porque ele era muito, muito, muito famoso e essa é a única razão e eu estava muito, muito, muito, muito buscando a auto-glória, muito egoísta . Eu quero acrescentar isso e enfatizar muito isso. Foi um ato extremamente egoísta. Sinto muito pela dor que causei a ela [Ono]. Penso nisso o tempo todo”, disse Chapman.

Ao negar a liberdade condicional a Chapman, o painel comentou que as observações de Chapman eram “perturbadoras… suas ações representavam um ato maligno.”

Últimas palavras de John Lennon

As últimas palavras de John Lennon, segundo sua esposa, constituíram sua resposta à pergunta dela: “Vamos jantar antes de irmos para casa?” Ao que Lennon disse: “Não, vamos para casa porque quero ver Sean antes dele dormir”.

Continua após a publicidade

A conversa ocorreu pouco antes da morte de Lennon enquanto eles estavam voltando para casa. Embora, de acordo com alguns relatos, Lennon tenha gritado as palavras: “Estou baleado!” antes de cair no chão.

A cremação de John Lennon foi privada e não houve funeral para a lenda. No entanto, uma vigília foi feita para ele por Yoko e Sean (filho de John e Yoko) em 14 de dezembro de 1980 com um minuto de silêncio.

Perturbado e triste Paul McCartney foi abordado pela imprensa quando estava saindo de um estúdio para comentar sobre a morte de John Lennon.

Ele não conseguiu articular sua tristeza e quase não falou; embora mais tarde ele tenha prestado uma homenagem adequada ao seu ex-companheiro Beatle com a música “Here Today”.

Continua após a publicidade

Fontes: Tenho Mais Discos Que Amigos, BBC

Não deixe de ler também: Ted Bundy – Quem é o serial killer que matou mais de 30 mulheres

Próxima página »

Escolhidas para você