Curiosidades

Livro mais caro do mundo – Qual é, quanto custou e outras obras caras

O livro mais caro do mundo foi comprado em 2013, por um bilionário. Saiba qual é e conheça quais outros livros mais caros da história.

Atualizado em 15/09/2020

Se você é um leitor ávido, certamente já se deparou com uma publicação que queria muito, mas que não cabia no seu orçamento. Pois bem, e se eu te disser que o livro mais caro do mundo foi vendido por R$ 32,6 milhões? Trata-se do Bay Psalm Book, ou “Livro de Salmos da Baía”, escrito em 1640.

O livro foi leiloado pelo preço exorbitante em 2013, porque trata-se do primeiro volume impresso na América. Desse modo, o livro mais caro do mundo também tem um simbolismo importante, já que representa a identidade norte americana.

Apesar de ser um símbolo nos Estados Unidos, o livro foi comprado por um homem que vive na Austrália e participou do leilão via telefone. O dono da relíquia é o banqueiro, bilionário e norte-americano David Rubenstein. Mesmo pagando muito, ele ainda ofereceu menos do que a casa de leilões Sotheby’s esperava, um valor em torno de R$ 32,2 milhões.

Além de ter sido o primeiro livro publicado na América, há outros fatores que explicam o preço elevado da obra. Em primeiro lugar, há apenas 11 cópias conhecidas no mundo. O exemplar adquirido por David Rubenstein só entrou em leilão, porque a igreja Old South Church, de Boston, resolveu colocar à venda um de seus dois exemplares.

Por que o Bay Psalm Book é o livro mais caro do mundo?

Fonte: Revista Bula

Contudo, este também não é o único fator que encarece a publicação. Isso porque, o Bay Psalm Book possui grande importância para a formação do povo norte-americano. Durante o ano de 1630, muitos puritanos migraram da Inglaterra para as colônias que formariam os Estados Unidos em busca de melhores oportunidades de vida. Desse modo, esses colonos se estabeleceram na região e continuaram com sua religião.

Mesmo tendo alguns livros de salmos disponíveis, os colonos não estavam satisfeitos. Isso porque, eles queriam um Livro dos Salmos que fosse o mais parecido possível com o original, escrito em hebraico e em forma de versos. Sendo assim, eles decidiram que tentariam imprimir a própria obras, algo que, para a época, era quase impossível.

Os colonos só obtiveram uma máquina de impressão e papéis suficientes em 1638. Além disso, a compra só foi possível, pois um reverendo chamado Jose Glover angariou fundo. Mesmo que o homem tenha morrido na viagem para buscar o equipamento, o sonho de publicar o livro continuou vivo. Assim, a viúva de Glover abriu uma editora em Massachusetts.

Desse modo, a máquina de impressão passou a ser operada por um escravo chamado Stephen Day que apenas em 1640 emitiu 1.700 cópias do livro. Com cerca de 300 páginas, a publicação era, na realidade, chamada de Whole Book of Psalmes Faithfully Translated into English Metre, nome que aparecia em sua capa.

Além das cópias originais, o livro mais caro do mundo passou pelo processo de reimpressão mais de 50 vezes e circulou por toda a colônia. Contudo, como o material de produção da publicação era precário, a maior parte das obras acabou se desgastando com o passar dos anos.

O significado da obra

Fonte: BBC

Para além do pioneirismo, o Bay Psalm Book também simboliza a independência dos Estados Unidos em relação à Inglaterra. Isso porque, a obra mostra que as 13 colônias estavam muito avançadas, podendo inclusive ter suas próprias publicações. Poucos anos antes, ter um livro significaria ter que comprá-lo de algum vendedor inglês.

De modo geral, a publicação teve muita repercussão entre a comunidade puritana, inclusive na Old South Church, igreja que leiloou o livro mais caro do mundo. Apesar da resistência inicial em vender a publicação, os membros da congregação concordaram que o valor arrecadado seria de suma importância para a instituição.

Outras obras caras

Apesar de ter um valor surpreendentemente elevado, o Bay Psalm Book possui concorrentes à altura, incluindo uma outra edição do mesmo livro. Em 1947, uma outra versão do livro de salmos foi vendida por aproximadamente R$ 344 mil. Anteriormente, apenas dois livros haviam batido esse montante: uma Bíblia do Antigo Testamento de Gutenberg e um First Folio, que consiste na primeira coleção das peças teatrais de Shakespeare.

Confira os livros mais caros da história:

1 – O Códice Leicester – Leonardo Da Vinci

Fonte: Revista Bula

Inicialmente, um livro de autoria de uma das personalidades mais famosas do mundo: Leonardo Da Vinci. A priori, a publicação não se trata de uma obra acabada, mas de um conjunto de escritos científicos, uma espécie de rascunho do pintor e inventor. Nas páginas há teorias de astronomia, as propriedades da água, rochas e fósseis, ar e luz celestial. Além disso, ele foi todo escrito ao contrário, com a ajuda de um espelho.

Ao contrário da maioria das obras de Da Vinci. o Códice Leicester não era de de propriedade do estado. Os escritos foram adquiridos por Bill Gates e custaram cerca de $ 30 milhões de dólares. O livro possui 72 página e 360 ilustrações e desenhos do artista.

2 – The Gospels of Henry the Lion

Fonte: Revista Bula

Já esta obra trata-se de uma encomenda feita pelo Duque da Saxônia e da Baviera Henrique, o Leão. Desse modo, o livro religioso foi escrito em 1188 e é composto por 226 folhas de papiro e foi criado especificamente para o altar da Catedral de Brunswick, uma igreja luterana localizada na Alemanha.

Já que a obra se trata de um documento histórico importante, ela foi comprada pelo governo britânico em 1893, pelo valor de 22 milhões de dólares.

3 – Magna Carta (exemplar original)

Fonte: Revista Bula

Mais um livro que se trata, na realidade, de um documento oficial. Neste caso, trata-se de uma carta escrita pelo arcebispo de Canterbury, e aceite pelo rei João de Inglaterra, como forma de selar a paz entre grupos rebeldes e o monarca. A obra foi comprada em 2007, pelo valor de 20.1 milhões de euros. Apesar de não haver comprovações, acredita-se que o dono é o mesmo do Bay Psalm Book, David Rubenstein.

4 – Evangelho de São Cuthbert

Fonte: Revista Bula

Além de caro, esses escritos são muito raros. Isso porque, trata-se de um manuscrito intacto mais antigo da Europa, uma cópia em latim do Evangelho de São João, Chamada de o “Evangelho de São Cuthbert”. Este livro data do século  7, mas só foi encontrado no ano de 1104 no túmulo do bispo de Lindisfarne, que morreu em 698.

A priori, o livro foi adquirido por uma instituição chamada British Library que pagou 9 milhões de libras, após arrecadar parte do valor por meio de doações.

5 – Birds of America – John James Audubon

Fonte: Revista Bula

Em tradução livre, Aves da América é, na realidade, um livro de ilustrações feitas pelo naturalista John James Audubon. O conjunto de pinturas das aves americanas foi publicado, primeiramente, entre 1827 e 1838. Um de seus exemplares da época foi vendido, em 2010, por 11,5 milhões de dólares. Apesar disso, não se sabe quem foi o afortunado que obteve a obra.

6 – Os Contos de Cantuária – Geoffrey Chaucer

Fonte: Revista Bula

Esse conjunto de contos é tão caro, pois se trata da primeira publicação em língua inglesa e data do século 14. De modo geral, o livro é composto por  relatos de grupo de peregrinos que viajou ao templo de São Tomás Becket, arcebispo da Cantuária, no Reino Unido, entre 1162 e 1170.

No ano de 1998 o livro foi vendido durante um leilão por um lance de 7,5 milhões de dólares.

7 – First Folio – William Shakespeare

Fonte: Revista Bula

Como dito anteriormente, a primeira coleção das peças teatrais de Shakespeare ocupava o ranking de livro mais caro do mundo, antes do Bay Psalm Book. A coletânea foi lançada em 1623 e leiloada em 2001 por 6 milhões de dólares. Já o comprador, trata-se de mais um bilionário, o cofundador da Microsoft, Paul Allen.

Apesar de acreditar-se que 750 peças semelhantes foram criadas na época, somente 200 são conhecidas atualmente.

8 – Bíblia de Gutenberg

Fonte: Revista Bula

Além do First Folio, esse era o outro livro mais caro do mundo. Isso porque, a bíblia de Gutenberg trata-se de um exemplar da primeira publicação impressa, após a invenção da prensa móvel em 1455. De modo geral, acredita-se que 80 cópias foram produzidas, 45 em pergaminho e 135 em papel.

No entanto, estima-se que apena 80 cópias existam até os dias de hoje. Um desses exemplares foi a leilão em Nova York por 4,9 milhões de dólares.

9 – Traité Des Arbres Fruitiers – Henri Louis Duhamel du Monceau

Fonte: Revista Bula

Tratado Sobre Árvores Frutíferas é a tradução livre desta obra produzida em 1750. De modo geral, a publicação é um compilado sobre 16 espécies de árvores e seus frutos. Desse modo, um dos exemplares foi vendido em 2006 por 4,5 milhões de dólares.

10 – Bestiário Northumberland

Fonte: Revista Bula

Por último, mas não menos importante, este catálogo de bestas foi escrito na Inglaterra entre os anos 1250 e 1260. Esta espécie de enciclopédia é composta por definições e ilustrações de animais ferozes reais e imaginários. Além disso, o compilado possui mitos e fábulas que tratam da origem e dos poderes dessas criaturas. A obra foi vendida por 4,4 milhões de dólares, no ano de 1987.

Ama livros? Então talvez você goste dessa matéria: Fotógrafo italiano viaja para registrar as bibliotecas mais incríveis do mundo

Fonte: Perdida na Biblioteca, BBC Brasil, Revista Bula

Imagens: BBC Brasil, Revista Bula

Por <a href='https://segredosdomundo.r7.com/author/amandasales/' rel='dofollow' class='dim-on-hover'>Amanda Sales</a>
Por Amanda Sales
Jornalista, escritora, redatora e social media. Gosto de coisas demais para caber aqui. Instagram: @tobemcansada