Nabucodonosor II: o rei mais poderoso do Império Babilônico

Nabucodonosor II é citado na Bíblia, mas foi o maior rei do império babilônico. Saiba quem foi esse rei que ergueu os Jardins da Babilônia

Nabucodonosor

Nabucodonosor II foi um dos maiores reis da Babilônia, que governou entre 605 e 562 a.C. Ele é conhecido por suas conquistas militares, sua construção de grandes monumentos e seus feitos na cultura e na religião.

Ele nasceu em uma família real e sucedeu seu pai Nabopolassar, que havia derrotado o Império Assírio e fundado o Império Neobabilônico. Nabucodonosor expandiu seu domínio sobre a Mesopotâmia, a Síria, a Palestina e o Egito, enfrentando vários inimigos, como os egípcios, os medos e os judeus. Ele também sitiou e destruiu Jerusalém em 586 a.C., levando muitos judeus para o exílio na Babilônia.

Nabucodonosor foi um grande construtor e patrono das artes. Ele restaurou e embelezou a cidade de Babilônia, erguendo muralhas, portões, templos e palácios. Entre suas obras mais famosas estão os Jardins Suspensos da Babilônia, uma das sete maravilhas do mundo antigo, e a Torre de Babel, uma enorme estrutura que pretendia alcançar o céu. Ele também promoveu o culto ao deus Marduque, o principal deus babilônico, e se proclamou seu representante na terra.

Nabucodonosor foi um personagem importante na história da humanidade, pois influenciou o desenvolvimento político, cultural e religioso de vários povos. Ele aparece na Bíblia, no Alcorão e em outras fontes antigas. As pessoas o consideram um exemplo de poder, glória e orgulho, mas também de loucura e humilhação.

Continua após a publicidade

Origens de Nabucodonosor II

Nabucodonosor II foi um dos maiores reis da Babilônia e do Império Neobabilônico. Ele nasceu por volta de 630 a.C., filho de Nabopolassar, o fundador da dinastia caldeia. Seu nome significa “Nabu, vigie meu herdeiro” e pode ser uma referência ao seu avô ou a um antigo rei babilônico.

Desde jovem, Nabucodonosor se destacou como líder militar, lutando contra os assírios e os egípcios pela posse da Mesopotâmia, da Síria e da Palestina. Em 605 a.C., ele derrotou o faraó Necao II na Batalha de Carquemis e garantiu a supremacia babilônica na região. Nesse mesmo ano, seu pai morreu e ele se tornou rei.

Continua após a publicidade

Nabucodonosor governou por 43 anos, sendo o rei mais longevo da dinastia caldeia. Ele expandiu seu império através de várias campanhas militares, submetendo os fenícios, os judeus, os edomitas e os moabitas. Em 586 a.C., ele destruiu Jerusalém e levou muitos judeus para o cativeiro na Babilônia, um episódio conhecido como o Exílio Babilônico. Ele também tentou invadir o Egito, mas mercenários gregos o impediram.

Além de conquistador, Nabucodonosor foi um grande construtor. Ele embelezou sua capital com palácios, templos, jardins e muralhas. O rei recebeu os créditos pelos lendários Jardins Suspensos da Babilônia, uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo. Nabucodonosor II também restaurou o templo de Marduque, o principal deus babilônico, e construiu uma enorme estátua de ouro em sua homenagem.

Continua após a publicidade

Nabucodonosor morreu em 7 de outubro de 562 a.C., aos 80 anos de idade. Ele foi sucedido por seu filho Evil-Merodaque, que reinou por apenas dois anos. Nabucodonosor é considerado um dos maiores reis da história antiga e um personagem importante na história judaica e na Bíblia.

Como foi o reinado de Nabucodonosor II?

Ascensão ao trono e início

Nabucodonosor II ascendeu ao trono da Babilônia com determinação e ambição. Assumindo o poder em um período de incertezas, ele buscou estabelecer seu domínio desde o início. Com uma personalidade forte e habilidades estratégicas, ele logo mostrou sua capacidade de liderança.

Campanhas militares e destruição de Jerusalém

Durante seu reinado, Nabucodonosor II conduziu várias campanhas militares bem-sucedidas. Com um exército disciplinado e bem treinado, ele expandiu o império babilônico, conquistando territórios e subjugando nações rebeldes. Um dos eventos mais marcantes foi a destruição de Jerusalém, que se opôs à sua autoridade. A cidade foi saqueada e o Templo de Salomão foi reduzido a escombros.

Construções e restaurações feitas pro Nabucodonosor II

Além de suas conquistas militares, Nabucodonosor II também ficou conhecido por suas grandiosas construções e restaurações. Ele empreendeu projetos arquitetônicos impressionantes, como os Jardins Suspensos da Babilônia, uma das sete maravilhas do mundo antigo. Além disso, ele restaurou diversos templos e palácios, deixando um legado duradouro para a civilização babilônica.

Continua após a publicidade

Família e filhos de Nabucodonosor II

Nabucodonosor era filho de Nabopolassar, o fundador do Império Neobabilônico, que derrotou os assírios e tomou Nínive. Ele se casou com Amitis, a filha de Ciáxares, o rei dos medos, unindo assim as duas dinastias. Ele teve pelo menos dois filhos: Evil-Merodaque e Cassaia.

Evil-Merodaque foi o sucessor de Nabucodonosor no trono da Babilônia. Ele reinou por apenas dois anos, de 562 a 560 a.C., e foi assassinado por seu cunhado Neriglissar, que se tornou o novo rei. Evil-Merodaque aparece na Bíblia como o libertador de Joaquim, o rei de Judá, que estava preso na Babilônia.

Cassaia foi a filha mais velha de Nabucodonosor e sua esposa favorita. Ela era muito inteligente e culta, e ajudava seu pai nas questões administrativas e diplomáticas. Ela se casou com Neriglissar, o general que matou Evil-Merodaque e tomou o poder. Cassaia teve um filho chamado Labashi-Marduque, que reinou brevemente após a morte de seu pai.

Nabucodonosor II teve outros filhos e filhas, mas seus nomes e destinos são desconhecidos. Ele morreu em 562 a.C., aos 80 anos, deixando um império poderoso e próspero. Ele foi enterrado em um magnífico mausoléu na Babilônia, junto com sua esposa Amitis.

Continua após a publicidade

Por fim, podemos dizer que faltam registros sobre a última parte de seu reinado. No entanto, sabe-se que Nabucodonosor morreu entre agosto e setembro de 562 a.C., com mais ou menos 70 anos de idade.

Ele foi sucedido por seu filho, Evil-Merodaque, o qual reinou por apenas dois anos e, pouco tempo depois, o Império Babilônico entrou em declínio, caindo, finalmente, diante dos persas.

Morte de Nabucodonosor II

Nabucodonosor II encontrou seu fim de forma inesperada, deixando para trás um império em choque. Sua morte repentina gerou incertezas e uma luta pelo poder, uma vez que não havia um herdeiro direto para assumir o trono.

Sucessão do reinado de Nabucodonosor II

A sucessão do reinado de Nabucodonosor II não foi tranquila. Ele teve quatro filhos, mas nenhum deles conseguiu manter a estabilidade e a prosperidade do império. O primeiro filho, Evil-Merodaque, assumiu o trono após a morte do pai, mas foi assassinado por seu cunhado Neriglissar depois de apenas dois anos. Neriglissar também não durou muito e morreu de uma doença quatro anos depois.

Continua após a publicidade

O filho de Neriglissar, Labashi-Marduque, foi o próximo rei, mas ele era muito jovem e inexperiente. Ele foi deposto e morto por um golpe liderado por Nabonido, um nobre que tinha laços familiares com Nabucodonosor. Nabonido foi o último rei da Babilônia. Ele tentou reformar a religião e a política do império, mas enfrentou a resistência dos sacerdotes e do povo. Ele também se ausentou da capital por dez anos, deixando seu filho Belsazar como regente.

Belsazar foi o rei que viu a famosa escrita na parede durante uma festa em seu palácio. A escrita anunciava o fim do império babilônico e a invasão dos persas liderados por Ciro, o Grande. Belsazar morreu na mesma noite e Ciro tomou a Babilônia sem muita resistência. Assim terminou a dinastia de Nabucodonosor II e o esplendor da Babilônia.

Nabucodonosor II na Bíblia

O rei da Babilônia aparece na Bíblia em vários livros do Antigo Testamento, principalmente em Daniel, Jeremias e Ezequiel. Nabucodonosor II teve um papel importante na história de Israel, pois foi ele quem conquistou Jerusalém e levou muitos judeus para o exílio na Babilônia.

A Bíblia retrata Nabucodonosor II como um rei orgulhoso e arrogante, que desafiou o Deus de Israel e tentou impor sua adoração aos judeus. Ele construiu uma enorme estátua de ouro e ordenou que todos se prostrassem diante dela. No entanto, três jovens judeus, Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, se recusaram a obedecer e foram lançados na fornalha ardente. Mas Deus os livrou do fogo e mostrou seu poder a Nabucodonosor II.

Continua após a publicidade

Segundo os relatos bíblicos, Nabucodonosor II também teve sonhos proféticos que revelavam o futuro dos impérios mundiais e o estabelecimento do reino de Deus. Ele pediu a Daniel, um judeu sábio e fiel a Deus, que interpretasse seus sonhos. Daniel explicou que Nabucodonosor II era a cabeça de ouro de uma grande estátua, representando os reinos humanos que o reino de Deus destruiria. Daniel também profetizou que Deus humilharia Nabucodonosor II devido à sua soberba, fazendo-o enlouquecer por sete anos, vivendo como um animal.

De fato, ainda segundo a Bíblica, Nabucodonosor II perdeu sua razão e seu trono por um tempo, até que reconheceu que o Deus de Israel era o verdadeiro Deus e o Senhor dos reis. Então ele recuperou sua sanidade e seu reinado, e louvou a Deus por sua misericórdia e justiça. Nabucodonosor II morreu em paz, deixando um grande legado para a Babilônia e para a história bíblica.

Você gostou dessa matéria? Então, você também vai gostar desta: Marca de Caim – o que era e qual seu significado, segundo a Bíblia

Fontes: Brasil Escola, Estilo Adoração, eBiografia

Continua após a publicidade

Outras postagens

Um comentário em “Nabucodonosor II: o rei mais poderoso do Império Babilônico