5 fatos e curiosidades sobre a Palestina e sua história

Essa é uma das histórias mais cruéis de abandono de animais que você vai ver: 250 animais viraram múmias, por fome e sede, em zoo abandonado da Palestina.

5 fatos e curiosidades sobre a Palestina e sua história

A Palestina é uma região do Oriente Médio que tem sido palco de importantes eventos históricos ao longo dos séculos. Desde a Antiguidade, a região foi habitada por diferentes povos e culturas, que deixaram sua marca na história e na cultura local.

Neste artigo, vamos explorar 5 fatos e curiosidades sobre a Palestina e sua história. Esses fatos irão ajudá-lo a entender melhor essa região complexa e fascinante.

1. Lugar sagrado

A Palestina é uma região do Oriente Médio que abriga importantes locais religiosos para três das maiores religiões do mundo: o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. Isso torna a região um lugar de grande importância histórica e religiosa, e um destino turístico popular.

Continua após a publicidade

A cidade de Jerusalém, que gera uma briga territorial com israelenses, é o coração do mundo sagrado para as três religiões.

  • Para os judeus, Jerusalém é a capital do seu estado bíblico, e o local do Templo Sagrado, onde os Dez Mandamentos foram recebidos por Moisés.
  • Para os cristãos, Jerusalém é o local da vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo.
  • Para os muçulmanos, Jerusalém é o local da ascensão do profeta Maomé aos céus.

Você ainda pode gostar de ler – Calendário islâmico – Origem e importância do calendário muçulmano 

Continua após a publicidade

2. Culinária

A culinária é muito mais do que apenas comida; é uma manifestação da cultura, tradição e identidade de um povo. Quando falamos da Palestina, muitos podem se surpreender ao descobrir que esta terra histórica tem uma rica herança culinária que é, em si mesma, uma contribuição importante para o mundo.

Raízes Antigas e Sabor Autêntico

A história da culinária palestina remonta a séculos, influenciada por diversas culturas que passaram por essa região ao longo dos tempos. Este encontro de influências criou uma culinária diversificada e rica, que é única em sua fusão de sabores e técnicas de cozimento.

Continua após a publicidade

Da herança otomana à cozinha árabe, a Palestina absorveu o melhor de cada cultura e o transformou em algo verdadeiramente especial.

Pratos Icônicos para o Mundo

Quando falamos de pratos icônicos, a culinária palestina não fica atrás de nenhum outro país. O Mansaf, um prato tradicional de carne de cordeiro cozida lentamente, servido sobre uma cama de arroz e iogurte, é um dos pratos mais celebrados. Sua combinação única de especiarias, carne macia e textura cremosa é uma experiência inesquecível para os amantes da boa comida.

Além disso, o Knafeh, uma sobremesa de queijo e semolina regada a xarope de açúcar, é uma delícia que transcende fronteiras e é adorada por muitos ao redor do mundo. A riqueza de sabores e a tradição que cercam o preparo do Knafeh são um testemunho da paixão que os palestinos têm por sua culinária.

Ingredientes Frescos e Saudáveis

A culinária palestina é caracterizada por sua ênfase em ingredientes frescos e saudáveis. A abundância de azeite de oliva, legumes, grãos e ervas aromáticas torna a comida palestina não apenas deliciosa, mas também nutritiva.

Continua após a publicidade

3. Palco de conflitos

A Palestina, uma terra historicamente rica e diversificada, tem desempenhado um papel fundamental em inúmeros conflitos ao longo dos séculos.

Esses conflitos estão intrinsecamente ligados à sua localização estratégica, sua importância religiosa e sua influência geopolítica. A região, situada no Oriente Médio, foi lar de várias civilizações e impérios ao longo da história, o que resultou em uma mistura complexa de culturas e religiões.

Uma das razões centrais para os conflitos persistentes na Palestina é a disputa territorial entre judeus e palestinos. O sionismo, um movimento que buscava estabelecer um Estado judeu na Palestina, ganhou força no século XIX e desencadeou uma série de tensões com as comunidades árabes que já residiam na região. O conflito territorial atingiu o ápice durante o século XX, culminando na criação de Israel em 1948 e no subsequente conflito árabe-israelense.

Conflitos religiosos

Outro fator crítico na história dos conflitos na Palestina é a dimensão religiosa. Jerusalém, uma das cidades mais antigas e sagradas do mundo, é o epicentro de conflitos religiosos que envolvem judeus, cristãos e muçulmanos. Os locais religiosos, como o Muro das Lamentações, a Igreja do Santo Sepulcro e a Mesquita de Al-Aqsa, têm sido pontos de tensão e disputa ao longo da história.

Continua após a publicidade

Além disso, a influência de potências estrangeiras, como o Império Otomano, o Mandato Britânico e a Guerra Fria, também contribuiu para a complexidade dos conflitos na região. Essas potências exerceram controle e influência sobre a Palestina, muitas vezes exacerbando as tensões locais e criando divisões profundas.

4. Revolução na escrita

Imagine-se nas margens do Mar Morto, explorando cavernas isoladas no deserto. Nesses lugares áridos e remotos, um dos achados arqueológicos mais notáveis da história veio à tona: os Manuscritos do Mar Morto. Esses preciosos pergaminhos, datados principalmente do período entre o século III a.C. e o século I d.C., abriram uma janela direta para o passado.

Os Manuscritos do Mar Morto são uma coleção de textos que inclui cópias dos livros da Bíblia hebraica, escritos em hebraico antigo e aramaico, bem como escritos sectários, documentos comunitários e obras literárias.

Eles foram encontrados nas cavernas do deserto da Judeia, ocultos por um grupo religioso conhecido como os essênios, que buscava preservar seu conhecimento e crenças.

Continua após a publicidade

Esses documentos são uma mina de informações para historiadores, arqueólogos e estudiosos de todo o mundo. Eles lançaram luz sobre a vida e as crenças dos antigos habitantes da região, bem como sobre o desenvolvimento da língua e da escrita naquela época.

Além disso, as cópias dos textos religiosos, como o Livro de Isaías, permitiram comparar as versões mais antigas com as edições posteriores, fornecendo uma compreensão valiosa da evolução dos textos religiosos.

Importância

A descoberta dos Manuscritos do Mar Morto representou uma verdadeira revolução no estudo da antiguidade. Eles não apenas enriqueceram nosso conhecimento sobre a Palestina antiga, mas também tiveram um impacto profundo na compreensão da história da religião e da escrita.

Esses pergaminhos antigos continuam a ser uma fonte inesgotável de inspiração e pesquisa, mostrando como a Palestina, ao longo dos séculos, contribuiu para a preservação e a disseminação do conhecimento humano.

Continua após a publicidade

A rica herança cultural e histórica da Palestina é uma demonstração de sua importância global e sua capacidade de lançar luz sobre os segredos do passado.

Explorar esses tesouros arqueológicos é uma jornada fascinante que nos ajuda a compreender melhor não apenas o passado, mas também o mundo em que vivemos hoje.

5. Múmias animais

Parece mais uma história de terror, mas, infelizmente, é verdade. Mais de 200 animais selvagens acabaram se tornando múmias em um zoológico particular na Palestina, devido aos conflitos no território da Faixa de Gaza.

Conforme os jornais e sites internacionais reportaram, o zoológico South Park Forest foi criado em 2007, em Khan Younis, pelo empresário Mohammed Avayda. Cerca de 270 animais selvagens e exóticos viviam bem no lugar, até que os conflitos intensos de 2014 na região impediram que os funcionários do zoo voltassem até lá para os cuidados rotineiros.

Continua após a publicidade

Apenas 20 animais sobreviveram à completa privação de comida e água com dias a fio. Os demais, infelizmente, morreram e acabaram se tornando múmias, devido aos ventos secos e ao clima da Palestina.

Leões, tigres, macacos, jacarés e uma infinidade de outros bichos selvagens acabaram enclausurados em suas jaulas e o cenário que se instalou na antigo jardim zoológico é devastador, como você vai conferir nas imagens abaixo. O processo de mumificação iniciou logo depois da decomposição natural pós-morte, o que conservou, praticamente intactos, os corpos magros dos bichos que pereceram de inanição.

Fontes: Revista Exame, BBC, Mundo Educação, Daily Mail, Diário de Biologia,

Continua após a publicidade

Outras postagens