4 assustadores mistérios que a Ciência NUNCA desvendou

Você já viu aqui, no Segredos do Mundo, matérias anteriores bastante intrigantes, que mostram os áudios mais assustadores da web e as histórias sobrenaturais famosas, que são grandes mentiras, mas dais quais todo mundo continua tendo medo. Hoje, dando continuidade a esta série de assuntos um tando macabros, vamos listar alguns dos mais assustadores mistérios que a Ciência NUNCA desvendou.

Como você vai ter oportunidade de conferir abaixo, não há nada sobrenatural nesses temas que estão aquém das explicações científicas, mas todos eles são capazes de nos deixar arrepiados só pelo fato de acontecerem por aí e ninguém saber o porquê.

O mais assustador dos mistérios que a Ciência nunca desvendou talvez seja o das “luzes do Vale de Hessdalen”, na Noruega. Isso porque, ao acontecerem no céu, por razões nada óbvias; e serem vistas em formatos e cores diferentes, levantam sempre a suspeita de que se tratam de algum tipo de manifestação de vida extraterrestre.

Mas, como já dissemos, nada disso pode ser confirmado ainda. E a lista de mistérios que a Ciência nunca desvendou também não se limita a esse fenômeno, como você vai ver abaixo. Há muito mais, mundo à fora, que intriga a Ciência e que, com certeza, vai deixar você em alerta.

Confira, na lista, alguns assustadores mistérios que a Ciência NUNCA desvendou:

1. Círculos de fada, Namíbia

Um fenômeno bastante comum nas savanas da África do Sul, especialmente na Namíbia, os círculos de fada são apenas um dos mistérios que a Ciência nunca desvendou. Eles, basicamente, consistem em círculos de terra árida contornados por anéis de vegetação.

O mais interessante de tudo é que esses círculos costumam seguir um padrão. Normalmente, eles têm entre 2 metros e 15 metros. Ninguém, até hoje, conseguiu explicar do que os círculos de fada se tratam, porque eles são formados, o motivo dessa variação de tamanhos e muito menos porque eles são redondos e não proporções de terra em outros formatos geométricos.

1

2. Luzes do Vale de Hessdalen, Noruega

Localizado no município de Holtalen, na Noruega, o Vale de Hessdalen chama atenção dos cientistas desde a década de 80. Isso porque luzes misteriosas, em várias partes do céu, foram observadas sobre o vale.

Relatos apontam que as tais luzes inexplicáveis aparecem de tempos em tempos, em diferentes períodos. Além disso, podem ser rápidas, lentas ou mesmo paradas no ar. E os formatos e cores também são intrigantes: as luzes do Vale Hessadelen podem ser circulares, em formato de projétil, sendo azuis, vermelhas, verdes, amarelas ou todas essas cores juntas, ao mesmo tempo.

Esse mistério que a Ciência nunca desvendou perturba tanto que já foi lançado até mesmo um projeto, chamado Projeto Hessadalen, na tentativa de monitorar as luzes do lugar e desvendar suas origens. Apesar de ter sido lançado em 1983, os registros desse trabalho ainda não foram abertos, mas quem quiser pode acompanhar as atividades locais por streaming.

Mas, de forma geral, não há uma explicação para esse fenômeno:

2

3. Caldeirão do Diabo, Estados Unidos

Sem dúvida, outro dos mistérios que a Ciência nunca desvendou envolve o famoso Caldeirão do Diabo, no Parque Estadual Judge C.R. Magney, nos Estados Unidos. Embora o nome seja um tanto macabro, o Caldeirão do Diabo se trata de uma cachoeira que o rio Brule divida em duas.

Uma das partes, a mais intrigante, aliás, cai em uma caverna que, aproximadamente, 3 metros e, do nada, desaparece no subterrâneo. O mais interessante de tudo é que pesquisadores, por várias vezes, tentaram jogar objetos ali, na esperança de descobrir para onde a queda d’água segue, mas ninguém nunca conseguiu até hoje.

caldeirão do diabo (Foto: Reprodução/Youtube)4

4. Zumbidos de Taos, Estados Unidos

Outro dos mistérios que a Ciência nunca desvendou são os zumbidos de Taos, no Novo México, também Estados Unidos. Embora somente 2% da população local consiga ouvir o tal som misterioso, segundo um estudo desenvolvido na região, o zumbido é insuportável quando audível.

Como os cientistas não conseguem dizer, com certeza do que se trata, uma das explicações mais aceitas, até hoje, para os zumbidos de Taos é de que se trata, na verdade, de uma experiência subjetiva, ao invés de uma som objetivo.

Ouça:

Podem até ser coisas bobas, mas estes mistérios que a Ciência nunca desvendou dão arrepios, não acha?