História

Canhão – Origem e como funcionam essas armas de artilharia

As armas de guerra existem desde a antiguidade, e uma das pioneiras da artilharia foi o canhão, criado após a descoberta da pólvora.

O canhão mudou a forma de combate na guerra e encerrou a era dos castelos. Para esclarecer, as raízes do canhão moderno remontam a um milênio até a China.

Primeiramente apreciada por seu barulho e usada em fogos de artifício, não demorou muito para perceber que a pólvora também poderia ser usada em uma arma. Em 1225, a receita da pólvora abriu caminho para o oeste ao longo das rotas comerciais e, em um século, os projetos de canhões europeus ganharam vida.

O canhão evoluiu de lanças com tubos anexados contendo pólvora e projéteis para um lançador de ‘bolas de fogo’. O projeto básico surgiu por volta de 1300 – projéteis e pólvora foram carregados em um grande recipiente cilíndrico com um pequeno orifício na extremidade sólida para um fusível.

Quando aceso, o estopim explodiu a pólvora, produzindo um gás em rápida expansão que impulsionou os projéteis mais longe do que poderiam ser lançados ou arremessados. O design evoluiu de cilindros de bambu, couro, madeira e pedra, para bronze, cobre, ferro e aço.

Continua após a publicidade

Canhões antigos

Fonte: Pinterest

Todavia, por volta de 1400, os canhões de mão chineses eram bastante comuns, e as pessoas até usavam canhões de mão de quatro canos. No entanto, o canhão de mão exigiu melhorias tecnológicas para se tornar uma ferramenta útil: primeiro, era necessária uma forma que funcionasse para o atirador.

Além disso, tinha que haver uma boa maneira de acender a pólvora rapidamente. E por último, era preciso uma fechadura que é o mecanismo de ignição de uma arma, e aliás, foram essas fechaduras de canhões que precederam a pederneira.

Por exemplo, a chave de fósforo era simplesmente um pedaço de corda de queima lenta que você acendia com antecedência e depois colocava em posição para acender a pólvora. A corda de queima lenta estava presa a uma alavanca que se movia com o dedo para girá-la na posição – o primeiro gatilho.

Além da China, há registros de uso de canhões de artilharia no Oriente Médio e na Europa Ocidental.

Continua após a publicidade

Canhões Islâmicos

Canhões: como surgiram e como funcionam essas armas de artilharia?
Fonte: Pinterest

As armas de fogo foram introduzidas no mundo islâmico pelo comércio e pelo conflito armado no Oriente e no Ocidente, e a fabricação de canhões e armas de fogo portáteis tornou-se um ofício altamente considerado em muitas regiões sob o domínio islâmico. O que hoje é comumente referido como “armas de fogo islâmicas” são armas de várias regiões, derivadas de protótipos europeus do século XVII.

Muitos eram equipados com fechaduras europeias, adquiridas no comércio ou com fechaduras fabricadas nas regiões islâmicas, mas que eram, na verdade, cópias de tipos europeus. Alguns tipos, como o matchlock, permaneceram populares em algumas áreas sob o domínio islâmico até muito depois de se tornarem obsoletos na Europa Ocidental.

Como resultado, um dos canhões islâmicos mais conhecidos foi o super canhão de Dardanelos. O termo genérico supercanhão otomano, quando usado por historiadores, refere-se de maneira confusa a algumas bombas separadas que foram usadas pelo Império Otomano, mas datando do mesmo período.

O primeiro foi apelidado de Basílica e o último é o Dardanelos. A arma Dardanelos é um super canhão de artilharia projetado como uma bomba para uso em guerras de cerco. Dessa forma, ela pesava 16,8 toneladas e media 5 metros de comprimento com um diâmetro de 1 metro que disparava um enorme tiro que alcançava mais de um quilômetro. Este canhão foi dado à Rainha Victoria em 1866 pelo Sultão Abdulaziz.

Continua após a publicidade

Canhões medievais europeus

Fonte: Pinterest

Há relatos sobre o primeiro canhão sendo usado em 1260 pelos mamelucos na guerra contra os mongóis. Na Europa, entretanto, a primeira referência a essas armas de artilharia vem de Florença em 1326, onde canhões de latão e bolas de ferro foram encomendados para ajudar na defesa da cidade.

A descrição mais antiga de um canhão europeu aponta que ele era feito de ferro fundido ou bronze usando técnicas semelhantes às usadas para fazer sinos. Esses primeiros canhões não eram muito grandes, com o gargalo largo o suficiente para conter a haste de uma flecha.

Para acendê-lo, um ferro quente era colocado em um rastro de pó que alimentava a câmara em forma de tigela e depois a carga. Esses primeiros canhões tinham vários nomes. Pot-de-fer era um desses nomes, que em francês significa pote de ferro. Na Itália, era conhecido como vasi, que significa vaso.

Como funciona um canhão?

Fonte: Pinterest

Um canhão é um dispositivo extremamente simples. Ou seja, ele consiste em um tubo de metal forte com um tampão em uma das extremidades. Há um pequeno orifício para um fusível perfurado no tubo. Então, basta inserir a pólvora no tubo a partir da extremidade aberta do canhão e, em seguida, colocar uma bola de canhão para que a pólvora e a bola sejam pressionadas contra a extremidade conectada.

Continua após a publicidade

Posteriormente, é só inserir um fusível no pequeno orifício e o acionar para acender a pólvora. A explosão atira a bala de canhão para longe do canhão em alta velocidade.

Antigamente, a maioria das peças de artilharia eram tripuladas por equipes de pelo menos 10 soldados, embora apenas 2 fossem necessários em caso de emergência. Por este motivo, vários homens foram necessários para limpar o cano dos canhões antigos para evitar explosões não planejadas, carregar projéteis da parte traseira e lançar a pólvora e o projétil na parte de trás do tubo. Também havia um soldado responsável por para avaliar a distância e a posição do alvo e apontar a arma.

O famoso canhão Flak

Canhões: como surgiram e como funcionam essas armas de artilharia?
Fonte: Pinterest

O canhão Flak alemão de 88 milímetros é considerado a peça de artilharia mais famosa da Segunda Guerra Mundial. Projetado como um canhão antiaéreo na década de 1920, ele provou ser um canhão antitanque devastador em campos de batalha. Contudo, sua origem é bastante controversa. Para esclarecer, o Tratado de Versalhes proibiu a Alemanha de desenvolver novas armas, por isso o “Flak-41 L/74” foi projetado pela Rheinmetal Defense na Suécia.

Depois de rejeitar projetos de 75 mm, a equipe decidiu-se por 88 mm, um calibre há muito cobiçado pela Marinha Imperial Alemã. Dessa maneira, o protótipo Flak 18 apareceu em 1928. Depois que Hitler assumiu o poder em 1933, a Alemanha rapidamente foi abastecida com essas armas de artilharia. Quando a Segunda Guerra Mundial começou, mais de 2.500 canhões Flak 18, e modelos Flak 36 e 37 aprimorados, estavam em serviço.

Continua após a publicidade

Além disso, o Flak 88 disparava três tipos principais de munição que incluíam:

  • Cartuchos de alto explosivo com fusível de tempo acionado por mola ou operado por inércia eram disparados contra alvos aéreos;
  • Cartuchos de alto explosivo com fusível de percussão eram disparados contra tropas terrestres ou alvos fixos;
  • Projéteis perfurantes com traçador e pequena carga de explosão fundida eram usados ​​contra tanques.

Inicialmente, eram projéteis APCR (munição perfurante) com núcleo de tungstênio. Chamado de volfrâmio em alemão, o tungstênio é um metal muito denso e duro. A diplomacia aliada acabou cortando o suprimento alemão de minério de tungstênio da Espanha e Portugal. Mas os engenheiros que projetaram o Flak já estavam trabalhando em um 88 de cano longo que podia penetrar na blindagem de tanques aliados mesmo sem tungstênio.

Gostou deste artigo? Então, leia também: Fotos surreais mostram armas da 2º Guerra Mundial brotando em árvores na Rússia

Fontes: Superinteressante, Brasil Escola, Infoescola

Continua após a publicidade

Fotos: Pinterest e EC.

Próxima página »

Escolhidas para você