Para que serve o furinho no meio da caneta BIC?

Você já perguntou porque existe aquele furinho no meio da caneta BIC? Quase todo mundo já usou uma caneta BIC, podemos dizer que elas são no mínimo um verdadeiro sucesso. Somente nesse segundo milhares de pessoas devem estar escrevendo com uma delas. Não é atoa que a empresa seja a maior no ramo de produção de canetas. Isso sem contar que se você sair agora procurando uma na sua casa com certeza vai encontrar, seja na bolsa, no escritório ou na mesa do trabalho elas estão sempre a mão. Mastigadas quebradas ou sem tampa, lá estão as velhas BIC de guerra.

A ideia de criar uma caneta esferográfica veio do jornalista húngaro László Biró (Ponto para a imprensa), que estava farto de encher canetas tinteiro durante todo o dia, e ainda ter que ficar esperando a folha secar. Assim, totalmente despretensioso quando ele viu uma bola rolar sobre uma poça d’água, que ao sair deixou um rastro de água por onde passou, ele teve uma sacada, reuniu com seu irmão Gyorgy (Meu deus quem consegue ler isso?), que era químico, e pimba! Inventaram uma versão comercialmente viável desse objeto.

O furinho da caneta BIC
Ponta da caneta vista de um microscópio

Assim lá pelos anos 1938, os irmãos Biró, patentearam o design diferencial que trazia uma pequena bolinha na ponta, que rolava e liberava tinta do tubo. Antes disso, outras empresas já haviam tentado criar as canetas esferográficas mas boa parte delas não fez nenhum sucesso, por apresentar inúmeros vazamentos, ressecamentos e má distribuição da tinta. Em 1940 os irmãos começaram a licenciar o produto para fabricantes de outros países, e pouquíssimo tempo depois a história das canetas BIC começou.

O tal do furinho

O furinho da caneta BIC
Olha o tal do furinho ai gente.

No ano de 1950, Marchel Bich um fabricante de canetas francês, lançou a sua primeira versão sob a licença dos irmãos Biró. Como precisava urgente criar um nome para o produto, ele usou o seu próprio nome e removeu a leva H, se tornando mais fácil de ser falado, então o nome ficou “Bic Cristal”. Além disso ele resolveu um ou outra falha que existia no design, barateou o custo e começou uma produção em massa.

Com o objetivo de controlar melhor o fluxo, Bich, investiu em tecnologia suíça para conseguir uma esfera que se adequasse melhor a cavidade permitindo que a tinta corresse livremente e sem derramar. E foi ai que surgiu o pequeno furinho na lateral.

Por mais que o furo pareça inútil, ele serve para igualar a pressão atmosférica dentro e fora da caneta. Sem ele, seria impossível usar o objeto dentro de um avião ou no topo de um prédio por exemplo. A diferença na pressão faria com que a caneta estourasse sujando tudo ao seu redor. E isso foi um fator decisivo para que os pilotos britânicos e americanos utilizassem as canetas esferográficas durante a Segunda Guerra Mundial, ajudando a popularizar incrivelmente o produto.

E o furinho da tampa? Bom esse foi criado em 1991, para aumentar a segurança dos usuários, isso porque como você deve saber todo mundo tem mania de ficar mastogando essas tampas e hora ou outra alguém engasga com uma delas, se não fosse esse buraquinho na ponta a pessoa poderia morrer asfixiada.

E ai deu para entender?