Mercado Negro: Quanto valem seus órgãos no submundo

Milhões de órgãos e tecidos são usados ​​em transplantes e outros procedimentos médicos todos os anos. O caminho tradicional para um transplante é entrar uma lista de espera, mas milhares de pessoas morrem antes de conseguirem ser transplantadas. Devido à essa espera, que pode ser eterna, algumas pessoas desesperadas, e com dinheiro, recorrem ao mercado negro em busca da salvação.

Um site reuniu informações do FBI sobre os preços de venda dos diferentes órgãos humanos, confira alguns:

Escalpo: R$ 1.145,00
Fígado: R$ 296.277,00
Rim: R$ 494.341,60
Pele (polegada): R$ 18,86
Coração: R$ 224.529,20
Par de olhos: R$ 2.877,00
Litro de sangue: R$ 635,85
Vesícula biliar: R$ 2.300,00
Caveira com dentes: R$ 2.264,16
Intestino delgado: R$ 4.752,84
Baço: R$ 958,49
Artéria coronária: R$ 2.877,37
Vesícula biliar: R$ 2.300,00
Ombros: R$ 943,40
Estômago: R$ 958,49
Mão e antebraço: R$ 726,418

Todos os anos, centenas de pessoas morrem à espera de um transplante de órgãos no Brasil, em 2015 foram mais de 2 mil mortes. Há atualmente mais de 30 mil pacientes aguardando um transplante, segundo relatório Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO).

O comércio de órgãos é ilegal em todos os países, exceto no Irã. No entanto, mais de dois milhões de produtos derivados de tecido humano são comercializados todos os anos no Brasil.

Quanto seu corpo vale no mercado negro?

Onde existe demanda, existe oferta. Infelizmente, essa leia de mercado também se aplica para o corpo humano. De um lado, pessoas desesperadas por dinheiro, muitas delas vivendo em condições miseráveis nos países de terceiro mundo, do outro, uma minoria abastada, com dinheiro suficiente para comprar a vida.

Em um cenário hipotético, se o seu corpo fosse colocado à venda nesse mercado do submundo, quanto você ganharia por ele?

 

E então, o valor te atraiu de alguma forma? Antes de cogitar a ideia de vender um órgão, saiba que a retirada de apenas um pedaço do fígado requer intervenções cirúrgicas muito complexas que dificilmente podem ser executadas nas clinicas clandestinas que fazem esse tipo de intervenção. Não é atoa que muitos “doadores” acabam morrendo na mesa de cirurgia ou de complicações pós operatório.

 

 

Fontes: Fatos Desconhecidos
Imagens: Reprodução