Mulher salva crianças de abuso ao ler mensagens de homem em avião

Ler mensagens no celular de outras pessoas, com certeza, é algo indiscreto e é considerado uma falta de educação, no entanto, esse ato de indiscrição de uma mulher em um avião, nos Estados Unidos, salvou crianças de serem abusadas.

A mulher, cuja identidade foi preservada, leu as mensagens no celular do passageiro na poltrona da frente, que no caso era Michael Kellar, de 56 anos. Conforme o The Mercury News, a passageira conseguiu ler as mensagens com conteúdo criminoso porque a fonte do aparelho estava grande e ela pôde entender que ele estava pedindo favores sexuais infantis.

Passageira conseguiu ler mensagens e fotografar evidências

A passageira, então, tirou fotos das evidências e entrou em contato com a tripulação do voo, que informou a polícia. Conforme o sargento da Polícia de San Jose, Brian Spears, as mensagens falavam não só de abuso infantil, mas também de práticas de envolviam animais.

Naquela mesma noite, quando Kellar desembarcou, a polícia o rendeu no aeroporto e usaram seu celular para encontrar Gail Burnworth, mulher com quem o passageiro trocava as mensagens durante o voo e que é apontada como cúmplice no caso.

Crianças raptadas

Ainda de acordo com a polícia, ao ser preso, Kellar tentou dizer que a conversa não era nada demais e que as mensagens não se tratavam de nada mais que fantasias e brincadeiras. No entanto, os detetives descobriram que duas crianças, de 5 e 7 anos, eram mantidas em cativeiro a abusadas.

A autora do rapto seria Gail, que se aproximava das crianças se passando por babá.

Crimes

A dupla de criminosos deve responder por crimes de tentativa de abuso infantil e crime sexual, no caso do homem; e de exploração sexual de menor, estupro de incapaz em primeiro grau e exposição de menor a conduta sexual explícita, no caso da mulher.

Tenso, não? Agora, falando em crimes esdrúxulos que acontecem pelo mundo, você precisa conferir também: Grupo droga e sequestra modelo para leiloá-la na Deep Web.

Fonte: Cosmopolitan, The Mercury News