O que a teoria do Big Bang realmente diz?

Desde os primórdios do surgimento da vida humana, uma série de grandes questões nos assombram. Quem somos nós? Da onde viemos? Como surgiu a vida? Como ou o que criou tudo o que existe ao nosso redor?

A Teria do Big Bang por sua vez, é a preciosa resposta para uma dessas valiosas questões.

É fato que a Teoria do Big Bang, é a mais difundida e aceita pelo meio acadêmico e científico. Da mesma maneira que evidências que comprovam a sua proposição são constantemente descobertas. Ainda sim, é importante ressaltarmos que ela não é a única teoria que se propõem a explicar a origem de nosso universo.

Mas nenhuma outra teoria se mostrou tão completa e cheia de evidências quanto essa.

O que diz a Teria do Big Bang?

A Teoria do Big Bang, foi proposta no início do século XX pelo cientista russo, naturalizado americano, George Gamow e o astrônomo e padre belga, Georges Lemaître.

Os princípios físicos usados para formular e sustentar essa teoria, foram os encontrados na Teria da Relatividade, formulada por Abert Einstein. E mais tarde os estudos astronômicos realizados por Edwin Hubble e Milton Humason confirmaram o que afirmava a Teoria do Big Bang.

A teoria por sua vez, defende a ideia de uma grande explosão. A existência de um ponto único de massa e energia infinita, que sucumbiu a uma grande e potente explosão que ocorreu entre 13,3 e 13,9 bilhões de anos atrás.

Após o ocorrido, a matéria e a energia que teria se espalhado em uma velocidade próxima a da luz. Teria passado por um processo de resfriamento com o passar do tempo.

Padre e astrônomo Lemaître com o físico Albert Einstein

Aproximadamente 1 milhão de anos após a explosão, a matéria e a radiação teria finalmente começado a se separar, o que teria feito o universo deixar de ser opaco, para se tornar finalmente transparente.

Conforme o tempo passou as moléculas que estavam espalhadas pelo universo, começaram a se condensar, formando dessa forma os planetas, satélites, estrelas…

No ano de 1929, Edwin Hubble fez uma descoberta essencial para a sustentação dessa teoria. Hubble descobriu que o nosso universo não é estático. Por esse motivo ainda hoje ele vive em uma constante expansão, tendo as suas galáxias mais distantes uma das outras com o passar do tempo.

Seguindo essa lógica, é possível dizermos que se pudéssemos retroceder esse movimento, rebobinar essa imagem como se estivéssemos em um filme. Veríamos que as galáxias, estrelas, planetas e satélites se aproximariam até voltarem para um mesmo e único ponto.

O que seria segundo Lemaître, a “hipótese do átomo primordial”. Um ponto denso e repleto de energia no espaço que acabou gerando a grande explosão.

Mas e você caro leitor, acredita nessa teoria? Ou para você o universo assim como o conhecemos surgiu graças a outra força e mecanismo? Conta isso e muito mais aqui embaixo pelos comentários!

Se você se interessou por esse assunto, descubra também quais são os 7 indícios de que não estamos sozinhos no universo. 

Fontes: Brasilescola.