Saúde

Resistência à insulina: 7 sintomas dessa grave condição

A resistência à insulina é um problema de saúde frequente, associado à obesidade e que pode ser o prelúdio de diabetes e outras doenças.

A resistência à insulina ocorre quando o corpo não responde ao hormônio insulina como deveria, dificultando a entrada da glicose nas células. A glicose vem dos alimentos e é a principal fonte de energia do corpo. Normalmente, a insulina ajuda a glicose a entrar nas células.

Desse modo, a resistência à insulina pode aumentar o risco de uma pessoa desenvolver diabetes tipo 2 e outros problemas de saúde. Saiba mais sobre esta condição a seguir.

7 sintomas da resistência à insulina

A resistência à insulina pode ser difícil de diagnosticar, ou seja, por sintomas específicos, uma vez que não é uma doença como tal. De qualquer forma, alguns destes sintomas podem levar à suspeita desta condição:

1. Sede excessiva

Há uma necessidade aumentada de beber água conhecida como polidipsia. Níveis elevados de glicose no sangue causam aumento da sede no indivíduo com resistência à insulina.

Continua após a publicidade

2. Micção constante

Observa-se também que essas pessoas apresentam um aumento no número de micções, chamado de poliúria. Isso também se deve ao aumento dos níveis de glicose que induzem a uma maior produção de urina.

3. Vontade de comer doce

Há uma maior necessidade de comer alimentos, principalmente açúcares ou carboidratos. Esse processo é explicado pela incapacidade de assimilar a glicose nos tecidos, como os músculos.

4. Ganho de peso

Este é um sintoma essencial para o desenvolvimento dessa síndrome, uma vez que o depósito de gordura abdominal é reconhecido como algo que sem a qual a resistência a insulina não pode existir.

A distribuição anormal da gordura em outras áreas do corpo também é evidente, contribuindo assim para o aumento do índice de massa corporal (IMC).

Continua após a publicidade

5. Fadiga

O fato de não assimilar açúcares no músculo produz uma sensação de cansaço geral, pois o tecido muscular não está sendo fornecido com a fonte de energia necessária para funcionar adequadamente.

6. Acantose nigricans

Consiste na hiperpigmentação (escurecimento) de algumas áreas do corpo, principalmente no pescoço, regiões axilares e na virilha. É resultado da ação do aumento da insulina no sangue, induzindo essas alterações celulares e na pigmentação da pele desses indivíduos.

Além disso, pequenas verrugas também podem aparecer na região do pescoço.

7. Desenvolvimento de distúrbios cardiovasculares

Em suma, a resistência à insulina está intimamente ligada à síndrome metabólica, de tal forma que, uma vez desenvolvido, o aparecimento de hipertensão arterial, alterações nos níveis lipídicos, pré- diabetes ou diabetes é uma questão de tempo.

Continua após a publicidade

Assim, quando esses fatores são combinados, a incidência de eventos cardíacos é muito maior.

O que é a resistência à insulina?

A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que tem como objetivo controlar os níveis de glicose no sangue. Ele faz isso garantindo uma administração adequada e medida de açúcar às células para que elas tenham energia e possam ser funcionais.

Estudos apontam que uma pessoa com resistência à insulina sofre uma alteração em seus tecidos que impede que esse hormônio exerça sua ação sobre eles; o pâncreas então libera mais insulina na tentativa de fazer com que as células respondam à sua ação.

Este excesso de insulina permite manter níveis normais de açúcar, mas tem consequências negativas para outras funções. Por exemplo, aumenta a produção de andrógenos como a testosterona, o que dificulta a ovulação adequada.

Continua após a publicidade

Também reduz a capacidade de implantação do embrião e está associada a um maior número de abortos. Além disso, níveis elevados de insulina no sangue são uma das características da síndrome dos ovários policísticos.

O que causa a resistência à insulina?

A resistência à insulina ocorre por vários motivos: genética, sedentarismo, obesidade ou síndrome dos ovários policísticos, por exemplo. Aliás, a resistência à insulina é mais comum em pessoas com excesso de peso e com excesso de gordura corporal.

A condição também está associada a algumas síndromes genéticas, condições que afetam as concentrações hormonais e os níveis de estresse e alguns medicamentos.

Quem tem resistência à insulina tem diabetes?

Em suma, ter resistência à insulina não significa ser diabético, mas essa situação pode ser o prelúdio do diabetes tipo 2 e deve ser remediado o mais rápido possível.

Continua após a publicidade

Em outras palavras, a resistência à insulina aumenta o risco de desenvolver diabetes. No entanto, você pode ser resistente à insulina por anos e não saber.

Segundo estudos, essa condição geralmente não desencadeia nenhum sintoma perceptível. Portanto, é importante que seu você junto ao seu médico de confiança, monitore regularmente seu nível de glicose no sangue.

Qual a diferença entre a resistência à insulina e a diabetes?

A diabetes é uma doença endócrina que surge quando temos pouca insulina porque o pâncreas não é capaz de produzi-la (diabetes tipo 1) , ou quando é produzida, mas em quantidade insuficiente (diabetes tipo 2).

Diferente disso, a resistência a insulina ocorre quando o pâncreas produz os níveis corretos de insulina, mas não pode desempenhar sua função corretamente, pois o corpo não é mais sensível à sua ação, não a reconhece.

Continua após a publicidade

A consequência é que a glicose no sangue aumenta à medida que o pâncreas continua a produzir cada vez mais, sem obter nenhum efeito. No final, se os freios não forem acionados, o diabetes acabará por aparecer.

Diagnóstico da resistência à insulina

Os médicos podem suspeitar de resistência à insulina se uma pessoa com sobrepeso ou obesidade tiver acantose nigricans e/ou histórico familiar de diabetes ou doença cardíaca. Eles também podem:

  • Verificar o IMC;
  • Verificar a Pressão arterial;
  • Observar por meio de exames de sangue a concentração de glicose e a concentração de insulina;
  • A resistência à insulina e a obesidade tendem a andar de mãos dadas. Por esse motivo, os médicos podem solicitar outros exames para verificar problemas relacionados ao peso, como fígado gorduroso, síndrome dos ovários policísticos e apneia do sono.

Tratamentos

Existem muitas maneiras de reduzir os efeitos da resistência à insulina e, em alguns casos, eliminá-la. Esses métodos se concentram na perda de peso e no aumento da atividade física.

Mudanças eficazes no estilo de vida podem incluir:

Continua após a publicidade
  • Adotar uma dieta baixa em carboidratos, baixa caloria ou cetogênica;
  • Caminhar 30 minutos por dia;
  • Aumenatar os níveis de exercícios semanais, como ir à academia;
  • Em casos extremos fazer uma cirurgia para reduzir o peso.

Como prevenir?

As causas da resistência à insulina não são totalmente compreendidas, mas você pode evitar akgumas práticas que podem contribuir para o seu desenvolvimento como:

  • Sedentarismo;
  • Dieta hipercalórica rica em açúcar e/ou hidratos de carbono;
  • Estresse crônico;
  • Uso prolongado de esteróides em altas doses.

Quais são as possíveis complicações da resistência à insulina?

Por fim, como você viu, a resistência à insulina se não for tratada pode gerar o aparecimento de diabetes. Nesse sentido, o diabetes tipo 2 afeta muitos dos principais órgãos, como coração, vasos sanguíneos, nervos, olhos e rins.

Além disso, os fatores que aumentam o risco de diabetes são fatores de risco para outras doenças crônicas graves. Assim, controlar os níveis de insulina no sangue pode diminuir o risco de desenvolver esses tipos de complicações ou condições coexistentes (comorbidades).

Bibliografia

Ros Perez, M., & Medina-Gomez, G. (2011). Obesidade, adipogênese e resistência à insulina. Endocrinologia e Nutrição, 58(7), 360-369. doi:10.1016/j.indonu.2011.05.008

Continua após a publicidade

Acevedo, M. (2006). Resistencia insulínica e hipertensión arterial I: mecanismos. Medwave. doi: 10.5867/medwave.2006.06.2305

Fontes: Rede Dor São Luiz, Dra. Ana Luiza, Hilab, Doctoralia

Leia também:

9 coisas que você precisa saber sobre a obesidade

Continua após a publicidade

As verdadeiras consequências da obesidade

Sintomas de problemas no coração: quais são e como identificar?

Como cuidar do coração – 14 dicas para melhorar a saúde do músculo

Fortalecer o coração – Alimentos e exercícios para a saúde do coração

Continua após a publicidade

Coração acelerado – Causas e como tratar esse problema

Próxima página »

Escolhidas para você