Curiosidades

Ah Puch: conheça a lenda do deus da morte, na mitologia Maia

Ah Puch é o deus da morte na religião maia. Ele é o deus da morte, escuridão e calamidade, bem como do parto e da iniciação.

Ah Puch é o deus maia dos mortos, mais frequentemente associado à morte, decomposição corporal e ao bem-estar dos recém-mortos. Seus nomes na língua quíchua incluem Cimi (“Morte”) e Cizin (“O Flatulento”).

Conhecido pelos estudiosos maias como “Deus A”, Ah Puch é um deus antigo, aparecendo nas histórias maias do período clássico tardio, bem como nos códices de Madri e Borgia e vasos de cerâmica pós-clássicos.

Em ambas as versões, Ah Puch significa decadência, aparecendo em forma de esqueleto e frequentemente em cenas de execução. Vamos conhecer mais sobre esse deus maia, suas características e curiosidades.

Como Ah Puch é representado?

As representações de Ah Puch geralmente incluem grandes manchas pretas em seu corpo, provavelmente representações de putrefação, e uma barriga grande e grosseiramente inchada; que às vezes é substituída por matéria podre ou sangue derramado.

Continua após a publicidade

As imagens clássicas do período às vezes incluem um rufo semelhante a um cabelo (“rufo da morte”) com elementos globulares que se estendem para fora. Aliás, eles podem aparecer como sinos, chocalhos ou olhos.

Ele muitas vezes tem um osso humano em seu cabelo. Além disso, suas imagens são muitas vezes cômicas, com referências específicas as nádegas e flatulência.

Continua após a publicidade

A história e as origens de Ah Puch

Ah Puch governou Mitnal, o campeão mais velho do mundo. Depois de sua morte, ele também se aliou aos deuses da guerra, doença e sacrifício.

Como os astecas, os maias simbolizavam a morte com corujas, então Ah Puch era geralmente acompanhado por cães ou corujas. Ah Puch também é frequentemente considerado como uma obra para os deuses da fertilidade.

Continua após a publicidade

O mito de Ah Puch é desconhecido. Contudo, acredita-se que ele foi o governante do Norte no Livro de Chilam Balam de Chumayel. Além disso, é mencionado como um dos oficiais de Xibalba no Popol Vuh (registro documental da cultura maia, produzido no século XVI).

Os maias tinham mais medo da morte do que qualquer outra cultura mesoamericana. Desse modo, eles temiam Ah Puch, pois o viam como uma figura de caça que saqueava as casas de cidadãos feridos ou doentes.

Os maias geralmente estão envolvidos em luto extremo e até intenso após a morte de um ente querido. Assim, supunha-se que a bênção do som afligiria Ah Puch e o impediria de entrar nas casas para levar almas para o submundo.

7 curiosidades sobre o deus maia da morte

1. Na mitologia maia, Ah Puch é o Deus e Rei de Xibalba, o submundo.

Continua após a publicidade

2. Tem uma cabeça de crânio, mostra as costelas nuas e as projeções da coluna; seu corpo está coberto de carne em decomposição.

3. Ele é descrito como um esqueleto ou cadáver com um rosto de onça (ou coruja) adornado com sinos.

4. Os sinos de todos os tamanhos, feitos de cobre e às vezes de ouro, foram vistos em quantidades consideráveis ​​durante a escavação do poço dos sacrifícios de Chichén Itzá.

5. Ah Puch é uma divindade maliciosa. Sua figura é frequentemente associada ao deus da guerra e dos sacrifícios humanos, e seus companheiros constantes são o cachorro, o pássaro Moán e a coruja, considerados criaturas de mau agouro e morte.

Continua após a publicidade

6. Às vezes é chamado de Senhor do Nono Inferno ou o destruidor de mundos.

7. Nos festivais de adoração maia, as pessoas andavam sobre uma cama de fogo e brasas, que representava o solo do reino de Ah Puch, em Xibalba.

Vem saber mais sobre esses povos pré-colombianos, aqui: Maias, história, cultura e contribuições da civilização maia

Continua após a publicidade

Próxima página »

Escolhidas para você