Mundo Animal

Animais extintos: lista dos que sumiram e dos que correm risco de extinção

A mudança climática, perda de habitat e, sobretudo, atividade humana são fatores de extinção que ameaçam exterminar muitas espécies até 2030.

Nas últimas décadas, várias espécies foram levadas à extinção graças, em grande parte, à interferência humana. Às vezes, essa interferência acontece de forma direta por meio da caça furtiva; e às vezes, é indireta; isso inclui o desenvolvimento da terra que destrói habitats e ecossistemas inteiros e o problema da mudança climática.

Veja a seguir os animais incríveis que levamos à extinção no último século e meio.

Animais extintos nos últimos 150 anos

Animais extintos: aves

Ararinha-azul

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Esta espécie extinta na natureza, a ararinha-azul atualmente existe em cativeiro com seus números na faixa tristemente baixa de 60-80. Aliás, elas tem esse nome porque possuem vibrantes penas azuis. Acredita-se que a arara-azul foi extinta na natureza devido à destruição do habitat, captura e comércio ilegais.

Continua após a publicidade

Pássaro Dodô

O dodô era um pássaro que não voava, nativo da Ilha Maurício, cuja população começou a diminuir e acabou por se extinguir no curto período de um século, quando os marinheiros começaram a chegar à nação insular da África Oriental.

Com efeito, os últimos dodôs foram vistos na década de 1660 e, como não havia realmente uma ênfase na preservação dos espécimes, muitos dos fósseis restantes foram perdidos ou destruídos.

Assim, são várias as teorias tentam explicar exatamente como o pássaro dodô foi extinto e uma série de eventos foram atribuídos à sua morte rápida e infeliz como caça predatória, desastres naturais e espécies invasivas.

Continua após a publicidade

Periquito-da-carolina

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Outro entre os animais extintos é o Periquito-da-carolina. O último Periquito-da-carolina morreu no zoológico de Cincinnati em fevereiro de 1918, logo após a morte de sua companheira, Lady Jane.

Contudo, não há uma razão específica que explique a extinção do periquito, é provável que o desmatamento e as doenças tenham exterminado os pássaros coloridos. Além disso, suas penas eram itens cobiçados para enfeitar chapéus femininos.

Pombo-passageiro

Continua após a publicidade

As estimativas dizem que a população de pombos-passageiros chegava a milhões – e possivelmente bilhões – quando os primeiros europeus começaram a se estabelecer na América. Todavia, acredita-se que eles foram extintos no final do século XIX.

Atribui-se a causa da extinção desse animal a caça furtiva. Os humanos caçaram o pombo e o consumiram até o ponto de extinção, com a última ave morrendo em cativeiro no Zoológico de Cincinnati em 1914.

Po’ouli

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Um nativo do Havaí, o pássaro Po’ouli ou trepadeira-do-mel, só foi descoberto na década de 1970. Os pássaros habitaram a encosta sudoeste do vulcão Haleakala. Mas a população diminuiu rapidamente e, em 1997, restavam apenas três Po’ouli em todo o mundo.

Continua após a publicidade

Os esforços para acasalar as aves restantes falharam e a espécie foi infelizmente extinta sete anos depois. Assim, as principais causa de sua extinção foram a perda de habitat, junto com doenças, predadores e um declínio em sua fonte de alimento.

Animais extintos: espécies aquáticas

Peixe-mão-liso

O peixe-mão-liso há apenas 200 anos existia em abundância nas águas ao redor da Austrália. Batizado com o nome da incrível semelhança com braços e mãos humanas, o peixe-mão-liso foi declarado extinto em 2020. Atualmente, há apenas uma espécime preservada desse animal extinto em todo o mundo.

Embora a causa definitiva da extinção não seja conhecida, os cientistas especulam que a perda de habitat e a pesca destrutiva de outras espécies marinhas contribuíram para sua morte.

Continua após a publicidade

Golfinho Baiji

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Também conhecido como golfinho-lacustre-chinês, golfinho-branco ou golfinho-do-yang-tsé o golfinho baiji foi visto pela última vez em 2002. De acordo com o Grupo de Conservação de Baleias e Golfinhos (WDC), o baiji é a primeira espécie de golfinho a se extinguir devido a ação do homem.

Assim, as principais causa da sua extinção foram a pesca excessiva, poluição, perda de habitat, caça furtiva e tráfego de barcos.

Pupfish Tecopa

Continua após a publicidade

O pupfishTecopa, um nativo das fontes termais do Deserto de Mojave, tem a distinção de ser o primeiro animal declarado extinto sob as provisões da Lei de Espécies Ameaçadas de 1973.

O declínio do peixe foi precipitado quando seu habitat natural foi invadido pelos seres humanos. Portanto, a causa de sua extinção foi a destruição de seu habitat natural.

Tartaruga-das-galápagos-de-pinta

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

A tartaruga da Ilha Pinta existia quando Darwin visitou Galápagos em 1835. Infelizmente, um macho chamado Lonesome George, foi o último puro-sangue desta subespécie e faleceu em 2015. Acredita-se que a causa de sua extinção foi a destruição de seu habitat natural e a caça predatória.

Continua após a publicidade

Animais extintos: espécies terrestres

Rinoceronte branco do norte

Acontece que os dois últimos rinocerontes brancos vivos existentes são fêmeas, já que o último macho morreu em março de 2018. Sudão, o homem de 45 anos estava sob guarda armada numa unidade de conservação do Quênia quando faleceu de velhice e um infecção.

As duas fêmeas também não podem dar à luz, tornando a probabilidade de introdução de uma nova geração da espécie altamente improvável. Felizmente, os cientistas que estavam trabalhando no uso de células sexuais coletadas e fertilização in vitro ajudaram a salvar essa espécie, desenvolvendo novos animais em laboratório.

Assim, acredita-se que a caça furtiva dizimou essa população e a perda de habitat também ajudou a levar o rinoceronte à beira da extinção.

Continua após a publicidade

Rinoceronte negro da África Ocidental

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

O majestoso rinoceronte negro da África Ocidental foi declarado extinto em 2006, depois que os conservacionistas não conseguiram encontrar nenhum em seu último habitat remanescente. Aliás, o rinoceronte negro da África Ocidental foi uma das quatro subespécies de rinoceronte.

Caçadores furtivos caçavam o rinoceronte por causa de seu chifre, que alguns no Iêmen e na China acreditam possuir poderes afrodisíacos, levando à sua extinção.

Tilacino

Continua após a publicidade

Outro dos animais extintos é o tilacino, um carnívoro também conhecido como tigre e lobo da Tasmânia, era um marsupial noturno que se alimentava de roedores e cangurus.

Embora os tilacinos parecessem ferozes, eles eram na verdade bastante tímidos e inofensivos. Relatos de avistamentos de tilacinos foram tão frequentes no século passado que desencadearam uma investigação quanto ao status de sua existência.

Contudo, acredita-se que as populações de Dingo ameaçaram a extinção do tilacino, além da caça excessiva de humanos.

Quagga

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Continua após a publicidade

O quagga era nativo da África do Sul e foi extinto no final do século XIX. Por muito tempo, pensou-se que o quagga fosse sua própria espécie antes de ser descoberto que estava intimamente relacionado com a zebra das planícies e era, na verdade, uma subespécie da zebra.

Os quagga eram interessantes na aparência, literalmente parecendo uma mistura entre dois animais (uma zebra na frente graças às famosas listras de zebra que adornam esta parte de seu corpo, e um cavalo na parte traseira devido à falta de listras nesta área).

Os cientistas estão tentando ressuscitar o quagga e obtiveram algum sucesso por meio da engenharia reversa, criando zebras seletivamente (que carregam os genes do quagga).

Íbex-dos-pirenéus

Continua após a publicidade

O Íbex-dos-pirenéus foi oficialmente extinto em 2000, antes de ser “ressuscitado” quase uma década depois, em 2009.

Os cientistas usaram DNA retirado de amostras epidérmicas preservadas para criar um clone de uma fêmea Íbex-dos-pirenéus, que foi capaz de sobreviver durante a gestação e até o nascimento antes de morrer pouco depois de deformidades pulmonares. Assim, a causa da extinção desse animal foi a caça predatória durante o século XIX.

Melomys rubicola

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Esses pequeninos roedores foram oficialmente declarados extintos pela União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN) em 2015. Nativos da espécie Melomys rubicola, estes roedores não foram vistos desde em 2009.

Continua após a publicidade

Acredita-se que a mudança climática provocada pelo homem que levou à perda de seu habitat e alimentos.

Veado de Schomburgk

O cervo de Schomburgk era nativo da Tailândia e recebeu este nome em homenagem ao explorador alemão, Sir Robert H. Schomburgk.

Alguns cientistas acreditam que ainda pode haver alguns desses veados na natureza, embora eles tenham sido oficialmente declarados extintos em 2006, com o último veado conhecido supostamente morto em cativeiro em 1938 .

Continua após a publicidade

Além dos humanos, os cervos de Schomburgk foram caçados por leopardos e tigres nativos.

Jiboia-da-ilha-round

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Nativa da Round Island, uma pequena ilha ao largo da costa de Maurício, a Jiboia-da-ilha-round preferia viver nas camadas do solo superficial de encostas vulcânicas.

Entretanto, ela já foi vista em várias outras ilhas ao redor de Maurício, mas sua população já era menor na década de 1940, e ele só podia ser encontrada em Round Island depois de 1949. Assim, esta jiboia foi vista pela última vez em 1975.

Continua após a publicidade

Atribuí-se sua extinção a introdução de espécies não nativas de coelhos e cabras na ilha que destruiu a vegetação e alterou o habitat da jiboia.

Sapo-dourado

Outro dos animais extintos é o sapo dourado. Essa espécie desapareceu nos últimos 40 anos. Aliás, o sapinho foi visto pela última vez em 1989 em uma floresta tropical da Costa Rica antes de ser declarado extinto em 1994.

Acredita-se que a quitridiomicose, uma doença de pele fatal, dizimou esta população de sapos que já era vulnerável graças ao que a ciência está chamando de ” habitat limitado e pequena população. ”

Continua após a publicidade

Leopardo de Zanzibar

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Uma das várias subespécies de leopardo, o leopardo de Zanzibar fez sua casa no arquipélago de Zanzibar, na Tanzânia. Ainda não está claro se este felino está tecnicamente extinto, pois há avistamentos ocasionais não confirmados.

Lobo das Ilhas Falkland

O lobo das Ilhas Malvinas foi extinto no final dos anos 1800 e também tinha nome de ‘lobo da Antártida’ e ‘raposa das Ilhas Malvinas’. Ademais, os cientistas acreditam que esses lobos se alimentavam de pinguins e outras aves que nidificam no solo, além de filhotes de foca.

Continua após a publicidade

Esses lobos eram nativos das Falklands, na costa da Argentina, e estavam bastante isolados do mundo até que os humanos alcançaram as ilhas e os caçaram até a extinção.

Tigre javan ou tigre de Java

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Semelhante em aparência ao tigre de Sumatra, o tigre de Javan era nativo da ilha indonésia de Java. Em 1800, eles eram tão comuns que eram considerados pragas pelos nativos da ilha, mas à medida que a ilha se desenvolveu sua população diminuiu. Com efeito, na década de 1950, restavam apenas 20 tigres.

Assim, a perda de habitat e o desenvolvimento agrícola levaram a um severo declínio populacional. Os esforços de conservação nas décadas de 1940 e 50 não tiveram sucesso devido à falta de terras e planejamento adequados.

Continua após a publicidade

Animais extintos: insetos

Borboleta Pieris wollastoni

A deslumbrante borboleta Pieris wollastoni foi encontrada nos vales das florestas Laurissilva na Ilha da Madeira, em Portugal. O parente mais próximo da borboleta, Pieris wollastoni é comum na Europa, África e Ásia.

Acredita-se que perda de habitat devido à construção, bem como a poluição por fertilizantes agrícolas, são as duas principais causas do declínio das espécies. Embora não tenha sido oficialmente declarada extinta, a borboleta não é vista há décadas.

Borboleta-azul

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Continua após a publicidade

Fechando a lista de animais extintos, temos a borboleta holandesa – uma subespécie do Alcon Blue. Ela foi vista principalmente nas pastagens da Holanda. Embora espécies estreitamente relacionadas ainda existam em partes da Europa e da Ásia, o último Alcon Blue holandês foi visto na natureza em 1979.

O aumento da agricultura e da construção teve um impacto negativo no habitat do Alcon Blue e fez com que ele perdesse sua principal fonte de alimento.

Animais quase extintos

A preocupação não se limita apenas aos animais extintos, pois, infelizmente para algumas espécies, o tempo no planeta Terra também está se esgotando.

Desse modo, alguns animais em risco de extinção contam com a ajuda humana para sua proteção e conservação. Veja a lista de animais ameaçados de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN):

Continua após a publicidade

1. Vaquita

A vaquita é o menor e o mais ameaçado mamífero marinho do mundo. Foi classificado como Criticamente Ameaçado pela UICN desde 1996 e, em 2018, havia apenas cerca de 6 a 22 vaquitas restantes. A estimativa mais recente, de julho de 2019, sugere que atualmente há apenas 9.

Dessa forma, a maior ameaça vem da pesca ilegal de totoaba, um grande peixe muito procurado por causa de sua bexiga natatória. Os vaquitas acidentalmente acabam enredados nas redes armadas para a totoaba e afogam-se porque já não conseguem nadar até à superfície para respirar.

Os esforços de conservação levaram à introdução da proibição das redes de pesca no habitat da vaquita em julho de 2016, mas a pesca ilegal continua e a ameaça permanece.

Continua após a publicidade

2. Leopardo-de-amur

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Infelizmente, os leopardos-de-amur são um dos grandes felinos mais ameaçados do mundo. Eles passaram a integrar a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da UICN e, entre 2014 e 2015, havia apenas cerca de 92 leopardos-de-amur dentro de sua área de distribuição natural.

Esse número agora é estimado em menos de 70. Assim, como todas as espécies em risco de extinção, os humanos são sua maior ameaça. Seus belos casacos são populares entre os caçadores ilegais, assim como seus ossos, que vendem para uso na medicina tradicional asiática.

Eles também correm o risco de perda de habitat devido principalmente a incêndios naturais e provocados pelo homem.

Continua após a publicidade

3. Kakapo

Kakapos ou Caçapos são papagaios noturnos que vivem no solo da Nova Zelândia e mais um exemplo de animal levado à beira da extinção pelos humanos.

Restam apenas cerca de 140 indivíduos, cada um com um nome individual. Eles já foram comuns em toda a Nova Zelândia e Polinésia, mas agora habitam apenas duas pequenas ilhas ao largo da costa sul da Nova Zelândia.

Assim, uma das principais ameaças aos Kakapos é a predação de espécies invasivas, como gatos e arminhos que caçam usando o cheiro.

Continua após a publicidade

Felizmente, medidas de conservação intensivas significam que a população está aumentando agora, o que é positivo. Mas, a diversidade genética é baixa entre os kakapo restantes, o que pode afetar a sobrevivência no futuro, especialmente se eles forem atingidos por uma doença.

4. Crocodilo Gavial

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Gaviais são crocodilos comedores de peixes da Índia. Eles têm focinhos longos e finos com uma grande protuberância na extremidade que se assemelha a um pote conhecido como Ghara, de onde tiraram seu nome.

Eles passam a maior parte do tempo em rios de água doce, deixando a água apenas para tomar sol e botar ovos. Infelizmente, o número da espécie Gavial tem diminuído desde 1930 e, infelizmente, este animal está agora perto da extinção. Existem apenas cerca de 100 a 300 restantes na natureza.

Continua após a publicidade

Seu declínio se deve a vários problemas, embora todos de origem humana. A perda de habitat , poluição e emaranhamento em redes de pesca representam algumas das maiores ameaças, junto com os caçadores que os visam para uso na medicina tradicional.

5. Pombo-bico-de-dente

Seguindo o exemplo de seu parente, o extinto dodô, os pombos com bico de dente estão desaparecendo em um ritmo alarmante. Eles vivem apenas em Samoa e atualmente existem 70 a 380 na natureza, sem populações de cativeiro para ajudar nos esforços de conservação.

Muito pouco se sabe sobre os pombos-de-bico-vermelho. Eles são esquivos e raramente vistos. No passado, a caça desempenhou um grande papel em seu declínio e matou milhares de indivíduos.

Continua após a publicidade

Hoje é ilegal, mas pombos com bico de dente ainda são mortos acidentalmente durante a caça a outras espécies. Atualmente, uma de suas principais ameaças é a perda de habitat. Além disso, eles também correm o risco de predação por espécies invasoras, incluindo gatos selvagens.

6. Gorilas

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Gorilas são criaturas fascinantes. Você sabia que eles compartilham 98,3% de seu DNA com humanos? No entanto, existem duas espécies, o Gorila Oriental e o Gorila Ocidental que estão criticamente ameaçados de extinção na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da UICN.

Seu declínio se deve principalmente à caça ilegal, perda de habitat, doenças e conflitos humanos. Os gorilas também demoram a se recuperar, pois têm uma baixa taxa reprodutiva, o que significa que as fêmeas só dão à luz a cada quatro ou seis anos. Portanto, uma fêmea se reproduz apenas três ou quatro vezes em sua vida.

Continua após a publicidade

7. Saola

O Saola é um dos maiores mamíferos mais raros da Terra. Aliás, ele foi descoberto pela primeira vez em 1992 na cordilheira de Annamite, no Vietnã, sendo uma das descobertas zoológicas mais espetaculares do século XX.

O Saola é esquivo e tão raramente visto que muitos o chamam de unicórnio asiático. Portanto, os números da população são difíceis de determinar com precisão, mas ele encontra-se a beira da extinção por ser um dos maiores mamíferos terrestres e um dos mais raros que existem.

8. Tartarugas marinhas

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Continua após a publicidade

Duas espécies de tartarugas marinhas estão criticamente ameaçadas de extinção na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da UICN: Tartarugas- de-pente e Tartarugas-de-Kemp.

Com efeito, as tartarugas marinhas se classificam como ‘vulneráveis’, embora a população esteja diminuindo e várias subpopulações estejam em extinção. A caça é uma das maiores ameaças às tartarugas marinhas, pois os caçadores furtivos visam seus ovos, conchas, carne e pele.

Por outro lado, elas também correm o risco de perda de habitat, captura acidental e poluição, bem como mudanças climáticas. A temperatura da areia determina o sexo dos filhotes com ovos se desenvolvendo como fêmeas em temperaturas mais quentes. Isso significa que mesmo pequenas mudanças de temperatura podem distorcer a proporção sexual das populações.

9. Rinocerontes

Continua após a publicidade

Em suma, a caça ilegal por chifres de rinocerontes é a maior ameaça dessa espécie. Eles são usados ​​na medicina tradicional chinesa e exibidos como um símbolo de status e demonstração de riqueza.

Por causa disso, três das cinco espécies de rinoceronte estão entre as espécies mais ameaçadas do mundo: o rinoceronte negro , o rinoceronte de Java e o rinoceronte de Sumatra. O rinoceronte de Java é o mais próximo da extinção, restando apenas 46 a 66 indivíduos.

10. Baleia franca do Atlântico Norte

Animais extintos: veja quais sumiram e os que correm risco de extinção

Por fim, as baleias desta espécie costumam ficar perto da costa e passam muito tempo na superfície se alimentando de zooplâncton, o que os torna um alvo fácil de se caçar.

Continua após a publicidade

Existem atualmente apenas cerca de 400 delas restantes, e apenas cerca de 100 fêmeas reprodutoras. Elas agora estão protegidos e a caça é ilegal, mas a recuperação da população é lenta. As fêmeas não se reproduzem nos primeiros dez anos de vida e, em seguida, darão à luz um único filhote a cada seis a dez anos.

Portanto, elas ainda estão em grande risco de extinção, sendo os atropelamentos e o emaranhamento das artes de pesca algumas das maiores ameaças.

Agora que você conferiu essa lista de animais extintos e em risco de extinção, veja também: 100 curiosidades sobre o mundo animal que você não sabia

Continua após a publicidade
Próxima página »

Escolhidas para você