Aparência dos alimentos é igual aos órgãos que eles curam

Se você foi criança um dia, com certeza, já perdeu muito tempo comparando o formato dos objetos com outras coisas, não é verdade? Com os alimentos não é muito diferente: às vezes os tomates parecem corações, o formato interno de uma cenoura pode parecer com um olho, uma noz podem passar de irmãs gêmeas de um cérebro e assim por diante.

O mais interessante de tudo, segundo alguns especialistas, é que a aparência dos alimentos (pelo menos de uma boa parte deles) é igual aos órgãos que eles curam ou ajudam a ter um funcionamento melhor. Dá para acreditar?

5

Por exemplo, o fato do tomate se parecer com o coração não é uma mera coincidência. Como você vai ver na lista que preparamos abaixo, ele realmente tem nutrientes capaz de melhorar o funcionamento do coração!

E, se você pensa que esta é a única grande surpresa sobre a aparência dos alimentos e a aparência dos órgãos que eles auxiliam, fique sabendo que existem muito mais comparações interessantes. Isso, aliás, você confere abaixo.

Aparência dos alimentos é igual aos órgãos que eles curam:

1. Tomate faz bem ao coração

1

A fruta que, de certa forma, lembra bastante os desenhos de coração que todo mundo já viu e desenhou na vida, é rica em potássio e ferro. Nosso coração e nosso sangue são os mais beneficiados com estes nutrientes.

2. Noz faz bem ao cérebro

2

Quem nunca se pegou pensando o quanto uma noz parece um cérebro? Isso não é mera coincidência: ela também é bastante saudável para essa parte de nosso corpo, especialmente quando o assunto é dar um “up” em seu funcionamento.

3. Abacate faz bem ao útero

3

As gorduras “boas” do abacate e seus nutrientes ajudam a manter o equilíbrio hormonal, especialmente com relação ao organismo feminino. O abacate, por exemplo, pode atuar na prevenção de cânceres como o de útero e de ovário.

Mas, não é só a aparência da fruta que lembra o útero da mulher. O abacate, por incrível que pareça, desde o florescer até se tornar fruto, precisa também de 9 meses de intervalo.

Batata-doce faz bem ao pâncreas

6

Eles não têm formatos parecidos? A batata-doce oferece nutrientes que atuam diretamente no pâncreas, melhorando seu funcionamento e estimulando o equilíbrio dos níveis de açúcar no sangue.

Cenoura faz bem aos olhos

5

Embora muita gente pense que isso é conversa mole (como você já viu aqui, nessa outra matéria), a verdade é que os nutrientes da cenoura aumentam o fluxo sanguíneo, especialmente em direção aos olhos e, por isso, acaba melhorando o funcionamento e a qualidade de sua visão.

Gengibre faz bem ao estômago

4

Além de acelerar o metabolismo e ajudar na perda de peso, colaborar no alívio da dor de gargante e assim por diante, gengibre pode evitar várias doenças no estômago e melhorar a digestão, devido às suas enzimas. O consumo de gengibre ainda evita úlceras estomacais, uma vez que ajuda a manter a mucosa em bom estado.

Cogumelo faz bem aos ouvidos

7

O cogumelo pode atuar bravamente contra a perda de audição. Conforme especialistas, a vitamina D, bastante presente neste alimento, é um verdadeiro “tesouro” para nossa audição. E, detalhe: essa é uma vitamina difícil de ser encontrada em nossa alimentação diária. Sua principal fonte é o Sol.

Feijão faz bem aos rins

9

Um grande protetor das funções renais são os feijões, devido à riqueza de nutrientes que este alimento oferece.

Laranjas faz bem aos seios

10

Sabia que a laranja é um alimento que faz muito bem aos seios? Seus nutrientes ajudam a prevenir o câncer, uma vez que ajuda nos movimentos da linfa na mama.

Aipo (ou salsão) faz bem aos ossos

8

Quem diria: este alimento garante ossos muito mais fortes, já que conta com 23% de sódio de boa qualidade em sua composição. Agora, você sabe quanto de sódio nossos ossos contém? Exatamente 23%.

Viu só que interessante essa questão sobre a aparência dos alimentos? Agora, se você quiser continuar entendendo um pouco mais sobre os alimentos que você coloca no prato, não deixe de conferir ainda: Quanto tempo seu corpo leva para digerir os alimentos?

Fonte: Conhecimento Científico