Chernobyl: conheça os fungos mutantes que comem radioatividade

Não é segredo para ninguém. Desde que o pior acidente nuclear da história aconteceu, em 1986, a usina de Chernobyl, na Ucrânia, é um dos lugares mais contaminados e perigosos do planeta.

A radioatividade da região, mesmo depois de tanto tempo, ainda se encontra em níveis mortais e a permanência naquelas terras é expressamente proibida, embora exista uma procura muito intensa pela exploração turística nesse território, mas isso é outra história.

O que vamos tratar hoje é sobre um acontecimento inusitado, que novamente chamou a atenção do mundo para Chernobyl. Isso porque nesse ambiente onde os especialistas acreditavam ser totalmente impróprio para seres vivos foram encontradas 37 espécies mutantes e desconhecidas de fungos!

3

Os fungos de Chernobyl

De acordo com os pesquisadores da região, essa espécie de vida foi descoberta em uma inspeção de rotina, quando um robô – usado para a função – encontrou um tipo peculiar de “meleca” nas paredes do interior da usina. A gosma era preta e estava próxima ao reator 4, responsável pela explosão de Chernobyl.

Análises mostraram que a tal substância viscosa se tratava, na verdade, de fungos que conseguiram se modificar e se adaptar ao ambiente hostil, se alimentando da radiação e a transformando em energia. Conforme os cientistas, embora ninguém tenha previsto esse tipo de acontecimento, é possível que os fungos tenham penetrado na usina isolada por meio de frestas do lugar (mesmo mínimas).

1

Assim, dentro da usina, os fungos mais comuns encontrados foram versões mutantes do Cladosporium sphaerospermum, que provoca micose; e a Penicillium hirsutum, que ataca plantações de alho. Mas, conforme os especialistas, esses seres vivos não apresentam qualquer ameaça ao mundo, uma vez que eles não sobreviveriam em locais em que a radiação fosse menor que na usina.

Mesmo assim, com os especialistas alegando que é improvável a proliferação, dá um frio na barriga, não dá?

Clique para ler também: 10 previsões para a próxima década que causam arrepios.