Curiosidades

Chorar sangue – Causas e curiosidades sobre a condição rara

Conhecida como hemolacria, a condição de chorar sangue pode acontecer por condições variadas, incluindo algumas sem explicações conhecidas.

Atualizado em 08/10/2020

Hemolacria é uma condição de saúde rara que faz um paciente chorar lágrimas e sangue. Isso porque, por algum problema no aparelho lacrimal, o corpo acaba misturando lágrimas e sangue. A condição é mais uma das que envolve sangue, assim como gosto de sangue na boca ou bolhas de sangue.

De acordo com os conhecimentos atuais, as lágrimas podem apresentar sangue por diferentes causas, inclusive algumas ainda desconhecidas. Entre elas, por exemplo, estão infecções oculares, lesões faciais, tumores nos olhos ou ao redor dos olhos, inchaço ou hemorragias nasais.

Um dos primeiros casos conhecidos de hemolacria foi registrado ainda no século XVI, quando um médico italiano tratou uma freira que chorava lágrimas.

Chorar sangue por alterações hormonais

Chorar sangue - principais causas e curiosidades sobre a condição rara
CTV News

Segundo relatos do médico italiano Antonio Brassavola, do século XVI, uma freira costumava chorar sangue durante o período menstrual. Por volta da mesma época, um outro médico, belga, registrou uma garota de 16 anos na mesma situação.

Suas anotações diziam que a jovem “descarregava seu fluxo pelos olhos, como gotas de lágrimas de sangue, em vez de dispensá-lo pelo útero”. Ainda que pareça estranho, o conceito é reconhecido pela medicina ainda hoje em dia.

Em 1991, um estudo analisou 125 pessoas saudáveis e conclui que a menstruação pode criar vestígios de sangue nas lágrimas. Entretanto, nesses casos a hemolacria é oculta, ou seja, quase não perceptível.

O estudo revelou que 18% das mulheres férteis tinham sangue nas lágrimas. Por outro lado, 7% das mulheres grávidas e 8% dos homens também tinham sinais de hemolacria.

Outras causas para hemolacria

Chorar sangue - principais causas e curiosidades sobre a condição rara
Flushing Hospital

De acordo com as conclusões do estudo, a hemolacria oculta surge a partir de alterações hormonais, mas existem outras causas para a condição. Na maioria das vezes, por exemplo, é provocada por problemas locais, incluindo conjuntivite bacteriana, danos ambientais, lesões, etc.

Problemas como traumatismo craniano, tumores, coágulos ou lesões e infecções comuns nos canais lacrimais são os responsáveis mais comuns pela hemolacria. Em casos mais raros, porém, condições adversas e curiosas podem fazer uma pessoa chorar sangue.

Em 2013, um paciente canadense passou a registrar a condição após ser picado por uma cobra. Além de ser acometido com inchaço na área e insuficiência renal, o homem teve muita hemorragia interna causada pelo veneno. Assim, então, o sangue chegou a sair até mesmo pelas lágrimas.

Casos icônicos de lágrimas de sangue

Chorar sangue - principais causas e curiosidades sobre a condição rara
ABC News

Calvino Inman tinha 15 anos, em 2009, quando percebeu lágrimas de sangue no rosto após o banho. Ele buscou atendimento médico urgente logo após o episódio, mas nenhuma causa aparente foi encontrada.

Michael Spann percebeu lágrimas de sangue depois de constatar uma forte dor de cabeça. Eventualmente, ele percebeu que o sangue também saía da boca e dos ouvidos. De acordo com o paciente, a condição (ainda não explicada) surge sempre após uma forte dor de cabeça ou quando ele fica estressado.

Curiosamente, os dois casos notáveis aconteceram num curto espaço de tempo na mesma região: o estado norte-americano do Tennessee.

Fim da hemolacria

Chorar sangue - principais causas e curiosidades sobre a condição rara
Mental Floss

Assim como tem causas misteriosas, muitas vezes a condição também desaparece sozinha. De acordo como o oftalmologista James Fleming, do Instituto Hamilton de Oftalmologia, chorar sangue é mais comum entre jovens e deixa de acontecer com o tempo.

Após realizar um estudo com vítimas de hemolacria, em 2004, o médico percebeu a diminuição gradual da condição. Em vários casos, inclusive, ela desaparece completamente depois de algum tempo.

Michael Spann, por exemplo, ainda sofre com a condição, mas viu uma redução nos episódios. Antes, eles aconteciam com uma frequência diária e agora aparecem uma vez por semana.

Fontes: Tudo de Medicina, Mega Curioso, Saúde iG

Imagens: healthline, CTV News, Mental Floss, ABC News, Flushing Hospital