Notícias

Cientistas descobrem minúsculas lascas de prata no cocô de minhocas

Uma equipe de estudiosos ficaram surpresos ao descobrir minúsculas lascas de prata no cocô de uma minhoca pré-histórica.

Uma equipe de estudiosos ficaram surpresos ao descobrir minúsculas lascas de prata no cocô de uma minhoca pré-histórica. Sendo assim, as fezes são fossilizadas. Contudo, os pesquisadores ainda não sabem como o bicho ingeriu a metal precioso.

A criatura estava nas Montanhas Mackenzie, no Canadá. Os especialistas explicam, portanto, que as minhocas viviam no fundo do mar na época em que o local era coberto por um oceano durante o Período Cambriano. Ou seja, aconteceu entre 543 milhões e 490 milhões de anos atrás. 

A maior lasca de prata no cocô da minhoca media aproximadamente 300 micrômetros de largura. Por isso, é um tamanho considerável se levar em conta o comprimento da criatura. 

Descoberta das lasca de prata no cocô da minhoca

Cientistas descobrem minúsculas lascas de prata no cocô de minhocas

Continua após a publicidade

Essas lascas de prata no cocô de minhocas se chamam coprólitos. O grupo de especialistas afirma que não é muito comum encontrar esses materiais, no entanto, não é algo novo dentro da ciência. Além disso, apesar da necessidade de fazer mais avaliações, os pesquisadores acreditam que as minhocas não ingeriram o metal precioso. 

Motivo disso é que a região não possuía um acúmulo o bastante de prata para que fosse ingerido. Ademais, esse tipo de material é visto como um veneno para as minhocas.

Portanto, a teoria mais aceita pelos pesquisadores é de que uma colônia de micróbios retirou a prata de uma coluna d’água. Em seguida, o colocou nas fezes fossilizadas. Essa hipótese se reforça por conta do material se espalhar de forma uniforme. 

Micróbios mineradores

Continua após a publicidade

Com toda esta descoberta, os especialistas consideram incrível a maneira como os micróbios trabalharam na mineração da prata por tanto tempo. Ou seja, os pesquisadores levam em consideração também a capacidade destas bactérias minerarem outros tipos de materiais. 

É importante dizer que este método é muito mais surpreendente quando se leva em consideração a quantidade de tempo. Sendo assim, há aproximadamente 500 milhões de anos.

 Confira também sobre a Primeira fazenda de polvos gera repercussão entre cientistas e empresas!

Continua após a publicidade
Próxima página »

Escolhidas para você