Ciência & Tecnologia

Bafo matinal – Como acabar com o problema, segundo a Ciência

Sabia que o mau hálito é causado por bactérias? E que é possível acabar com ele? Saiba como combater o bafo matinal, segundo a Ciência.

Não interesse se você é homem ou mulher, se é uma pessoa bonita ou feia. Se você está vivo, certamente, sofre do terrível bafo matinal. Não é verdade?

E, como você mesmo já deve ter percebido, esse é um tipo de mau hábito muito complicado de se contornar. Isso porque não adianta nada tentar se prevenir, escovando os dentes antes de dormir e usando enxaguante bucal, por exemplo. Afinal, ele estará lá quando você acordar, mesmo depois de tudo isso.

Segundo especialistas, isso acontece porque alguns micróbios benéficos ficam em nossas bocas. Mas, quando ficamos com a boca seca, quando dormimos de boca aberta, por exemplo; eles acabam morrendo.

Ou seja, isso faz com que bactérias “não tão boas”, que emitem odores, prevaleçam. São elas, portanto, que trabalham na formação do bafo matinal. Sem contar, é claro, que alguns alimentos podem ajudar nisso, como você já viu aqui.

A solução do bafo matinal

Continua após a publicidade

E, se você quer saber como os cientistas pensam em acabar com o bafo matinal, existe uma forma não muito ortodoxa. Eles pensam em usar um mix de bactérias Streptocuccous salivarius K12, em algum tipo de spray. Isso, portanto, seria capaz de eliminar aquelas bactérias que causam o mau hálito.

Nos testes, todos os voluntários que apresentavam halitose e utilizaram o composto apresentaram, na manhã seguinte, níveis mais baixos de bafo matinal. Interessante, não?

Conforme os cientistas, a ideia é que a Streptocuccous salivarius K12 seja utilizada junto com enxaguantes bucais, que podem matar todas as bactérias, boas e ruins, da boca. Com o composto, somente os micro-organismos ruins serão eliminados.

E, você, o que pensa sobre o assunto? Agora, se seu grande problema não for o bafo matinal, essa outra matéria pode ser bastante útil: 8 alimentos que alteram o cheiro do corpo humano.

Fonte: Revista Galileu

Continua após a publicidade
Próxima página »

Escolhidas para você