Curiosidades

Saiba diferenciar quando a dor no peito é ataque cardíaco, ansiedade e pânico, além de outras condições

A dor no peito é um sintoma comum no pronto-atendimento, pois é associada ao infarto, porém indica outras condições também. Veja quais são.

A dor no peito é um dos principais motivos que fazem os pacientes buscarem as unidades de pronto-atendimento. Isso ocorre, pois esse é um sintoma muito associado, com razão, às doenças cardíacas, assim, levando muitas pessoas à grande preocupação, por serem enfermidades com alta taxa de mortalidade. No entanto, é importante ressaltar que a dor torácica pode ter outras causas, por exemplo:

  • doenças de ordem psiquiátricas, como transtorno de pânico e ansiedade;
  • doenças pulmonares, como pneumotórax;
  • condições gastrointestinais, como refluxo gastroesofágico;
  • de origem musculoesqueléticas.

Embora nem sempre seja por causada por uma condição potencialmente mortal, é um sintoma que deve ser investigado com cautela, porque, caso diagnosticadas no início, algumas doenças podem ser tratadas e revertidas. Nesse sentido, é sempre importante buscar atendimento médico.

Quer saber um pouco mais sobre as possíveis causas da dor no peito? Continue acompanhando nosso texto!

Como saber se a dor no peito é um ataque cardíaco/infarto?

Em primeiro lugar, vale explicar do que se trata o infarto. De acordo com a mestre em saúde coletiva Daniela Aparecida Flávio, “IAM (infarto agudo do miocárdio) ocasiona a oclusão súbita de artérias coronárias que resultam em isquemia e necrose dos tecidos cardíacos”. Em outras palavras, esse tipo de ataque consiste no impedimento que o sangue encontra em alguma artéria, seja por entupimento seja por outro motivo, de chegar ao coração. Em decorrência da falta do sangue, o músculo começa a morrer.

Continua após a publicidade

Sem dúvida, o sintoma mais conhecido dessa condição é a dor no peito que gera a sensação de uma pressão. Além disso, também é comum que essa dor seja refletida no queixo, nos ombros, nos braços e no abdômen. Outros sinais frequentes são a falta de ar e suar frio. Em casos em que as dores persistem por cerca de 4 minutos, é um sinal de que as artérias estão parcialmente entupidas.

É importante ressaltar, no entanto, que, nem sempre, uma dor aguda no peito é necessariamente um infarto. Segundo Domingues e Moraes-Filho, docentes das universidades Gama Filho e de São Paulo, respectivamente, a dor torácica também pode ter relação com condições relativas ao trato digestório, ao aparelho musculoesquelético, ao aparelho respiratório e a alguns distúrbios psicológicos.

Mesmo com essa gama de possibilidades, deve-se destacar que apenas o ataque cardíaco causa uma sensação de pressão no peito que pode atingir também as costas.

Diferenças entre ataque cardíaco e ataque de pânico

O ataque de pânico, conforme publicado na Revista de Psiquiatria Clínica, apresenta, predominantemente, sintomas somáticos e também apreensão intensa relativa à ideia de perda de controle e à iminência da morte. Um dentre os sintomas somáticos, ou seja, sentidos fisicamente, é a dor no peito, que desencadeia e reforça os pensamentos de que esteja sofrendo com problema cardiovascular grave.

Continua após a publicidade

De modo geral, os principais sintomas físicos associados ao ataque de pânico são dor no peito, formigamento no rosto e nos braços, bem como medo de morrer e/ou enlouquecer, agitação, sudorese e falta de ar. Essas manifestações costumam durar cerca de 5 minutos, porém podem durar até 30 minutos.

Embora o ataque de pânico possa envolver tantos sintomas, a principal diferença entre ele e a cardiopatia é que nele, em muitos dos casos, o paciente não tem nenhum tipo de alteração no coração. O que ocorre, entretanto, é uma desregulação nos circuitos cerebrais e que deixam a pessoa preparada para algo ruim, mesmo isso não sendo real.

Ataque de pânico X ataque de ansiedade

Só um parênteses para diferenciar essas duas condições psicológicas que, geralmente, incitam confusões.

  • Ataque de pânico: de modo geral, o ataque de pânico é repentino e ocorre por meio de manifestações físicas e emocionais intensas, conforme os sintomas já mencionados anteriormente.
  • Ataque de ansiedade: a crise de ansiedade, por sua vez, apresenta um aspecto mais gradual e/ou contínua, visto que ela é motivada por situações específicas, por exemplo, falar em público. Além disso, a crise de ansiedade deixa a pessoa constantemente preocupada e angustiada, com a tendência de antecipar circunstâncias futuras. Outra diferença entre as duas é que, na crise de ansiedade, os pensamentos acelerados e intrusivos vêm antes dos sintomas físicos, que envolvem irritabilidade, perda de concentração, cansaço, entre outros.

Como diagnosticar um ataque cardíaco e um ataque de pânico?

Antes de mais nada, se você estiver sentindo uma dor forte no peito e nos braços, procure atendimento médico como garantia.

Continua após a publicidade

Para diagnosticar um infarto, primeiramente, são investigadas informações acerca da sua saúde e família que podem aumentar as chances de uma cardiopatia, por exemplo, histórico familiar, se é fumante, a idade, comorbidades, como hipertensão ou diabetes.

Em seguida, o profissional da saúde, geralmente, solicita um eletrocardiograma e pode pedir também um exame de sangue para conferir se as células do coração estão morrendo. Se depois dessas medidas, os problemas do coração forem descartados, é importante investigar ainda mais a situação.

Diagnosticar um ataque de pânico é uma tarefa desafiadora, pois ele pode ser decorrente de algum fato específico que se manifesta de forma isolada, no entanto, eles podem passar a ocorrer com maior frequência, levando, então, ao transtorno do pânico.

Em casos de crise, é muito importante tranquilizar o paciente, tentando, de forma calma e gentil, mostrar que aquela sensação não é um infarto. Para ajudar nessa tarefa, você pode manter contato físico, oferecer água e pontuar que em breve o ataque deve terminar. O intuito disso tudo é diminuir a taxa de adrenalina, para que a pessoa possa voltar a ter controle corporal.

Continua após a publicidade

Outras possíveis causas de dor no peito

1. Excesso de gases causa do no peito

Essa é uma das causas mais comuns da dor no peito e ocorre, sobretudo, em pessoas que têm o intestino preso. A dor, nesse tipo de caso, é devido ao acúmulo de gases forçar os órgãos da região do abdômen, o que irradia o desconforto para o peito.

Como reconhecer e tratar em casa:

Esse tipo de dor no peito se manifesta como pontadas agudas que desaparecem e reaparecem de forma repetida, principalmente, quando a pessoa dobra a barriga.

Para tratar, você pode fazer massagens na área do abdômen, mais ou menos na região do intestino, para ajudar a empurrar os gases. Outra estratégia boa é caminhar por alguns minutos.

2. Dor muscular

Essa causa é bastante comum e pode acontecer com pessoas que praticam esportes ou malham, até mesmo, devido a atividades mais triviais como pegar um peso ou tossir em excesso.

Continua após a publicidade

Como reconhecer e tratar em casa:

É possível identificar essa causa da dor no peito a partir da respiração, que pode intensificar o desconforto, além da movimentação do tronco.

O melhor tratamento caseiro para essas situações é o repouso acompanhado de compressas mornas. Entretanto, o alongamento também é um ótimo aliado.

3. Problemas gastrointestinais podem causar dor no peito

As pessoas que sofrem com alguns problemas gastrointestinais e não se alimentam adequadamente, podem sentir dor no peito também.

  • Refluxo gastroesofágico: a inflamação da parede do esôfago em contato com ácido gástrico, geram dor e também sensação de queimação.
  • Úlcera estomacal: assim como no caso do refluxo, a dor ocorre por causa da inflamação.
  • Problemas na vesícula: quando esse órgão inflama, seja por presença de cálculos seja por consumo excessivo de gordura, provoca uma dor do lado direito do peito e que, muitas das vezes, irradia para o coração.

Como reconhecer e tratar em casa:

De modo geral, os problemas de origem gastrointestinais podem ser identificados por meio da observação do organismo após a ingestão de alimentos, pois a dor no peito costuma aumentar. Além disso, em alguns casos, a dor vem acompanhada de queimação, náuseas e sensação de estômago cheio.

Continua após a publicidade

Antes de mais nada, é necessário evitar que esse tipo de situação ocorra, mantendo uma alimentação equilibrada sem muitas frituras ou alimentos ácidos. Além disso, beber muita água pode ajudar também, além de paliativos como chá de camomila ou de gengibre e o suco de batata.

4. Problemas pulmonares

Os problemas pulmonares, por exemplo, asma e bronquite, comumente provoca dor no peito, devido ao fato de que parte deles estão no tórax atrás do coração.

Como reconhecer e tratar em casa:

Geralmente, a dor no peito aparece ao tossir ou piora ao respirar. Além disso, pode apresentar falta de ar e chiado.

Nesses casos, a indicação é de buscar um pneumologista, para identificar o quanto antes a causa e tratar de forma adequada.

Continua após a publicidade

Leia também:

Fontes: Viva Bem, Tua Saúde, MDS manuals, Danone Nutricia.

Bibliografia:

Bassan, Roberto et al. I Diretriz de Dor Torácica na Sala de Emergência. Arquivos Brasileiros de Cardiologia [online]. 2002, v. 79, suppl 2 [ , pp. 1-22. . Epub 15 Out 2002.

Domingues, Gerson Ricardo de Souza e Moraes-Filho, Joaquim Prado P. Dor torácica não-cardiogênica. Arquivos de Gastroenterologia [online]. 2009, v. 46, n. 3, pp. 233-239. Epub 28 Out 2009.

Continua após a publicidade

Flávio, Daniela Aparecida. O impacto do protocolo de dor torácica em unidade de pronto atendimento. 2018. 50 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Universidade do Sagrado Coração, Bauru, 2018

Soares Filho, Gastão Luiz Fonseca, Valença, Alexandre Martins e Nardi, Antonio Egidio. Dor torácica no transtorno de pânico: sintoma somático ou manifestação de doença arterial coronariana?. Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo) [online]. 2007, v. 34, n. 2, pp. 97-101.

Próxima página »

Escolhidas para você