História

Fogo grego da morte: curiosidades sobre a arma mortal bizantina

Uma antiga arma incendiária usada pelo Império Bizantino, o fogo grego envolvia uma fórmula secreta que ainda não foi descoberta até hoje.

O fogo grego pode soar como algo referente à Grécia, mas o nome tem um significado muito diferente e igualmente mortal. O fogo grego foi na verdade uma arma feita pelo Império Bizantino.

Esse lança-chamas surgiu pela primeira vez em 672 d.C. e a fórmula e o processo usados ​​em sua criação continuam sendo um dos segredos mais bem guardados de todos os tempos.

O fogo grego intrigou tanto as pessoas ao longo dos tempos que aparece em videogames como Assassin’s Creed e na literatura como na franquia Harry Potter.

Adivinhar a composição do fogo grego tornou-se um dos passatempos favoritos de quem já ouviu falar dele e, se você não conhece sua história, confira tudo a seguir.

Continua após a publicidade

O que é o fogo grego?

Fonte: Pinterest

Fogo grego foi uma arma incendiária devastadora usada pelo Império Bizantino para se defender de seus inimigos. O povo bizantino usou este arsenal do século 7 para repelir a invasão árabe por anos, especialmente no mar. Embora o fogo grego não tenha sido a primeira arma incendiária, foi sem dúvida a mais significativa historicamente.

Os bizantinos eram um povo da ala oriental do Império Romano, obtendo seu nome de onde foram fundados, ou seja, em Bizâncio. O Império teve muito sucesso e conseguiu sobreviver mil anos após a queda do Império Romano Ocidental.

Com efeito, eles empregaram seu fogo grego principalmente em batalhas navais, pois o lança-chamas tinha componentes que permitiam continuar queimando enquanto flutuasse na água.

O fogo grego foi, sem dúvida, responsável por muitas vitórias militares bizantinas, pois forneceu uma vantagem tecnológica que grande parte de seus inimigos não tinha. Foi especialmente creditado por garantir a sobrevivência do Império quando foi usado para salvar Constantinopla de dois cercos árabes.

Continua após a publicidade

Por que ‘fogo grego’?

Fonte: Pinterest

Os criadores do fogo grego inicialmente não o chamaram assim, embora o nome tenha tomado seu lugar na maioria das línguas desde as Cruzadas. As fontes bizantinas chamavam sua arma incendiária de qualquer coisa, desde fogo marítimo, fogo de guerra, fogo líquido, fogo manufaturado até fogo romano.

O termo fogo grego passou a ser usado como um termo genérico para todos os tipos de armas incendiárias. Isso aconteceu por causa da impressão que teve nos cruzados da Europa Ocidental. Outras pessoas que começaram a fazer sua própria versão da arma incluem os mongóis, os árabes e os chineses.

Quem inventou a arma?

Fogo grego: curiosidades sobre a arma mortal secreta dos bizantinos
Fonte: Pinterest

O fogo grego foi criado no século 7 por Kallinikos de Heliópolis. Kallinikos foi um arquiteto judeu que fugiu da Síria para Constantinopla devido a suas preocupações com a captura de sua cidade pelos árabes.

Os historiadores afirmam que Kallinikos experimentou uma variedade de materiais até descobrir a combinação perfeita para uma arma incendiária. Ele então enviou a fórmula ao imperador bizantino.

Continua após a publicidade

Assim que as autoridades conseguiram colocar as mãos em todos os materiais, eles desenvolveram um sifão que funcionava como uma seringa ao impulsionar o arsenal mortal em direção a um navio inimigo.

O fogo grego não era apenas incrivelmente eficaz, mas também intimidante. Ele teria produzido um rugido alto e uma grande quantidade de fumaça semelhante a respiração de um dragão.

Por causa de seu poder devastador, a fórmula para criar este lança-chamas era secreta. Apenas Kallinikos o os imperadores bizantinos sabiam da sua receita.

Desse modo, esconder sua fórmula foi claramente eficaz: mesmo quando os inimigos conseguiam colocar as mãos no fogo grego, eles não tinham ideia de como recriar a tecnologia por si próprios.

Continua após a publicidade

No entanto, essa também é a razão pela qual a receita do fogo grego acabou perdendo-se na história.

Como era a bomba atômica do mundo antigo?

Fogo grego: curiosidades sobre a arma mortal secreta dos bizantinos
Fonte: Pinterest

Especula-se que o fogo grego era feito de uma mistura de substâncias como nafta, fosfeto de cálcio, resina de pinho, cal viva, nitrogênio e enxofre.

Aliás, a história de Tito Lívio das sacerdotisas de Baco em Roma tem uma parte onde o fogo é mergulhado em água e não se apaga porque é “enxofre misturado com cal”.

Na engenhoca usada para dispensar o fogo, acredita-se que os bizantinos utilizavam bicos pressurizados ou sifões que projetavam o líquido na direção que o apontassem.

Continua após a publicidade

Diz-se ainda que a arma se assemelha a um lança-chamas moderno em função. Vários exércitos realmente conseguiram um pouco do líquido que era o fogo grego junto com a engenhoca usada para dispará-lo, mas ainda não conseguiram copiá-los exatamente.

Ancestral da granada

Fogo grego: curiosidades sobre a arma mortal secreta dos bizantinos
Fonte: Pinterest

Por fim, acredita-se que o fogo grego inspira algumas armas mais modernas, como o lança-chamas e o napalm. A singularidade desta arma incendiária em particular vem do fato de que ela pode queimar na água e grudar em superfícies, sendo as únicas coisas capazes de extingui-la o vinagre, a areia e a urina velha.

Na verdade, é possível que ele seja inflamado com água. Feliz ou infelizmente, dependendo de como você olha para isso, a fórmula do fogo grego morreu com o império bizantino.

Os bizantinos também ampliaram o uso da arma para inclusão em granadas de mão. Essas granadas foram enchidas com a substância e então seladas.

Continua após a publicidade

Eles foram lançados no inimigo e explodiram em uma bola de fogo que os eliminou. Granadas modernas descenderam dessas engenhocas bizantinas, mas agora elas usam explosivos em vez de fogo grego.

Então, curtiu este conteúdo? Pois, você irá gostar de: Arco de Galério – História por trás do monumento da Grécia

Fotos: Pinterest

Continua após a publicidade
Próxima página »

Escolhidas para você