Leia, na íntegra, carta de despedida que Kim Jong-hyun deixou aos fãs

O mundo da música internacional ficou um pouco mais triste essa semana. Como você já conferiu por aqui (clique para ler), o vocalista do grupo k-pop Shinee, Kim Jong-hyun, foi encontrado inconsciente em seu apartamento, em Seul, na Coreia do Sul.

As autoridades acreditam que o cantor, de 27 anos, cometeu suicídio. Antes da tragédia, no entanto, ele enviou mensagens de texto em tom de despedida para a irmã.

Outro indício de que o vocalista tirou a própria vida foi a carta de despedida que ele deixou aos fãs. A revelação do documento foi feita um dia após o falecimento de Kim, por Jang Hee Yon, integrante do grupo Dear Cloud e amiga do cantor.

Segundo ela, junto com a carta, Kim deixou instruções claras sobre a divulgação do texto. A mensagem deveria ser postado “de qualquer jeito caso ele desaparecesse do mundo”.

Depressão e dor

Na carta de despedida do cantor, ele conta que convivia com a depressão e que se sentia sufocado todos os dias. Ele contou ainda que nunca aprendeu como transformar a dor que sentia constantemente em felicidade.

Abaixo você terá acesso ao texto completo e conhecerá os últimos pensamentos de Kim Jong-hyun antes de tirar a própria vida.

Leia, na íntegra, a carta de despedida de Kim Jong-hyun:

“Estou quebrado por dentro.

A depressão que me devorou ​​lentamente acabou me devorando.

Não pude superá-la.

Eu odiava a mim mesmo. Eu resolvi aguentar as lembranças e gritava para mim mesmo para perceber meus sentidos, mas não havia resposta.

Se não há como aliviar a respiração sufocante, é melhor simplesmente parar.

Perguntei quem pode ser responsável por mim.

É só você mesmo.

Eu estava completamente sozinho.

É fácil dizer que você vai acabar com as coisas.

É difícil terminar as coisas.

Eu vivi com essa dificuldade durante todo esse tempo.

Você me disse que queria fugir.

Está certo. Eu queria escapar.

De mim.

De você.

Você perguntou quem estava lá. Eu disse que era eu. Eu disse que era eu de novo. E eu disse que era eu de novo.

Perguntei por que continuo esquecendo minhas lembranças. Você me disse que era por minha personalidade. Entendo. Vejo que tudo é minha culpa no final.

Eu esperava que as pessoas percebessem, mas ninguém sabia. Você nunca me conheceu, é claro que você não saberia que eu estava lá.

Você perguntou por que eu vivo. Só porque. Só porque. Todos simplesmente vivem apenas porque.

Se você perguntar por que as pessoas morrem, provavelmente dirão que é porque estão esgotadas.

Eu sofri e agonizei. Nunca aprendi a transformar essa dor em felicidade.

A dor é apenas a dor.

Tentei me empurrar além dela.

Por quê? Por que estou me impedindo de acabar com isso?

Me disseram para procurar o motivo por que dói.

Eu sei muito bem. Estou me machucando por causa de mim. É tudo culpa minha, porque nasci desse jeito.

Doutor, é isso que você queria ouvir?

Não. Não fiz nada de errado.

Quando você me disse com aquela voz calma que é por causa da minha personalidade, pensei o quão fácil era ser um médico.

É quase fascinante o quanto isso dói muito. As pessoas que sofrem mais que eu parecem se dar bem. As pessoas mais fracas do que eu se dão bem. Mas isso não deve ser verdade. Entre as pessoas neste mundo, ninguém sofre mais do que eu e ninguém é mais fraco do que eu.

Mas eu ainda tentei viver.

Perguntei-me por que eu tinha que fazê-lo por centenas de vezes e nunca foi por mim. Era para você.

Eu queria fazer algo por mim.

Por favor, deixe de me dizer coisas que você não entende.

Você me diz para descobrir porquê estou tendo dificuldade. Eu disse várias vezes o porquê. Não posso estar tão triste por essas razões? Tem que ser mais específico e dramático? Preciso ter melhores razões?

Eu já te disse. Você estava mesmo ouvindo? As coisas que você pode superar não permanecem como cicatrizes.

Acho que não queria enfrentar o mundo.

Eu acho que não deveria ter uma vida ao alcance do público.

Por isso foi difícil. Enfrentando o mundo e estar no olho do público. Por que eu tomei essas decisões? É ridículo.

É ótimo que eu até fiz isso até agora.

O que mais posso dizer? Apenas me diga que eu fiz bem.

Diga-me que eu fiz o suficiente e que eu passei por muitas coisas.

Mesmo se você não pode sorrir enquanto me vê indo embora, não diga que foi minha culpa.

Você fez bem.

Você realmente passou por muito.

Adeus.”

Um fim triste, infelizmente. Agora, falando em algo tão sério, você precisa conferir ainda: Suicídio: 6 comportamentos para ficar alerta.

Fontes: Correio Braziliense, Capricho