História

Estudos revelam segredos do maior macaco que já existiu, com 3 m de altura e 600 kg

Apesar de gigante, aparentemente o maior macaco do mundo não representava nenhuma ameaça para o seu ecossistema porque era um herbívoro.

Ao pensar nos grandes dinossauros, não é difícil imaginar que um macaco gigante vagava pela Terra há centenas de milhares de anos atrás. Aliás, o Gigantopithecus blacki pode ter sido a coisa mais próxima de um verdadeiro King Kong. Especialistas dizem que tinha entre 1,8 e 3 metros de altura e entre 200 e 600 kg.

Contudo, os cientistas não entendem quase nada sobre o misterioso e maior macaco do mundo. Além disso, tudo o que eles têm para estudar é um punhado de dentes e ossos da mandíbula. Vamos saber mais sobre esse primata curioso neste artigo.

A descoberta do maior macaco do mundo

O primeiro indício de sua presença veio em 1935, quando o paleontólogo alemão Gustav von Koenigswald encontrou dentes molares de Gigantopithecus em uma farmácia na China; os molares foram marcados como “dentes de dragão”, que os praticantes da medicina tradicional chinesa acreditam que podem curar muitas doenças diferentes.

Durante anos, esse foi o único vestígio do maior macaco que viveu. Desde aquela época, no entanto, os pesquisadores encontraram dezenas de dentes e algumas mandíbulas parciais de Gigantopithecus em vários pontos no sul da China, Vietnã e até na Índia.

Continua após a publicidade
Fonte: Profimedia

De acordo com os fósseis, os pesquisadores acreditam que G. blacki vagou pelo Sudeste Asiático por 1 milhão de décadas, sendo extinto cerca de 100.000 décadas atrás.

Ancestral dos orangotangos

Sua morfologia sugere que seus parentes vivos mais próximos são os orangotangos, o que significa que os primatas africanos, como os chimpanzés, estão mais intimamente relacionados às pessoas do que ao G. blacki.

Embora seja geralmente aceito que o Gigantopithecus foi o maior primata a vagar pela Terra, os dois fósseis que temos nos fornecem uma imagem pouco clara de seu tamanho real.

Além disso, os especialistas não podem dizer com certeza quanto tempo durou o Gigantopithecus, embora opinem que o macaco gigante existiu entre dois milhões e 100.000 décadas atrás.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Teoria de Frido Welker

Embora não possamos reivindicar “o King Kong” da vida real e uma criatura tão temível como ancestral, a descoberta inovadora também pode lançar mais luz sobre a árvore genealógica humana.

Se as proteínas podem ser analisadas a partir de restos fósseis, isso significa que podemos olhar muito mais para trás do que 400.000 anos atrás; além do qual o DNA encontrado em ossos humanos geralmente se degradou e desapareceu.

Conforme repercutido nessa matéria da Exame, Frido Welker foi o primeiro autor do estudo do Gigantopithecus blacki, da Universidade de Copenhague. Sobre o maior macaco do mundo, ele disse: “Os primatas são relativamente próximos dos humanos, falando evolutivamente. Isso significa que podemos potencialmente recuperar informações semelhantes na linha evolutiva que leva aos humanos.”

O que levou o maior macaco do mundo à extinção?

De acordo com a revista Nature, citada nesta matéria da BBC, o macaco morreu por causa de sua incapacidade de acomodar. Ao estudar o esmalte dentário de fósseis, eles verificaram que o Gigantopithecus era exclusivamente vegetariano, mas não comia bambu como outros sugeriram.

Continua após a publicidade

Essa dieta restringiu o habitat do primata às florestas. Mas durante o Pleistoceno, grandes áreas de paisagens arborizadas na China e na Tailândia nas quais o Gigantopithecus morava se transformaram em savanas.

Isso teve um impacto significativo nas fontes alimentares do macaco; o que resultou em sua extinção até que ele pudesse se adaptar a uma nova dieta.

Não deixe de saber também sobre o Homo Naledi: como o hominídeo pré-histórico se encaixa na evolução?

Continua após a publicidade

Próxima página »

Escolhidas para você