Notícias

Ministério da Saúde libera vacinação infantil para Covid-19 sem prescrição médica

A vacina já está em uso em crianças de 5 a 11 anos em 30 países, e deve começar a ser aplicada este mês no Brasil.

O Ministério da Saúde autorizou nesta quarta-feira, 5, a aplicação da vacina contra a covid-19 em crianças de 5 a 11 anos sem exigência de prescrição médica. O intervalo da aplicação das duas doses pediátricas será de 8 semanas e a imunização começa ainda em janeiro.

Em nota à imprensa, a pasta não fixou uma data específica para o início da vacinação. A campanha será feita por faixa etária, de forma decrescente, com prioridade para crianças com comorbidades ou deficiências permanentes.

Desse modo, a previsão é de que 3,7 milhões de doses pediátricas da vacina da Pfizer cheguem ainda neste mês e as demais unidades até março. Ao todo, o governo estima em 20 milhões o número de crianças nesta faixa etária.

Segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, “essa faixa etária não compõe o grupo que tem maior mortalidade, mas toda a vida é importante, principalmente das nossas crianças”.

Continua após a publicidade

A vacinação infantil para a Covid-19 já havia recebido aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) há 20 dias.

Precisa receita médica para vacinar as crianças?

Não é necessário receita médica, contudo, o Ministério da Saúde orienta que os pais procurem a recomendação prévia de um médico antes da imunização. A assinatura de uma autorização dos pais será obrigatória apenas no caso de o responsável não estar presente no ato de vacinação.

A decisão de não exigir prescrição médica vai ao encontro do que era defendido pelos conselhos nacionais de secretarias estaduais de saúde (Conass) e secretarias municipais de saúde (Conasems); além da maioria dos que participaram de consulta pública aberta pela pasta.

Continua após a publicidade

Na antevéspera do Natal, Queiroga havia afirmado que o governo vacinaria as crianças apenas mediante prescrição médica. Contudo, isso gerou críticas de especialistas, pois não houve a mesma exigência para outras faixas etárias. Com efeito, a medida foi vista na ocasião uma forma de dificultar a imunização.

Qual será o intervalo entre doses e quando começa a aplicação?

Ministério da Saúde libera vacinação infantil para Covid-19 sem prescrição médica

O intervalo das doses para as crianças será oito semanas (cerca de 2 meses). O Ministério da Saúde deve receber até março ao menos 20 milhões de doses pediátricas da Pfizer contra a Covid-19. Essas doses são suficientes para imunizar cerca de metade da população de crianças de 5 a 11 anos.

O primeiro lote de vacinas pediátricas deve chegar ao país na próxima quinta-feira, 13 de janeiro. No entanto, ainda não há cronograma de vacinação definido. Além disso, a pasta avalia ampliar a encomenda de vacinas.

Continua após a publicidade

A vacinação infantil para Covid-19 é segura?

Ministério da Saúde libera vacinação infantil para Covid-19 sem prescrição médica

Um estudo divulgado no final de dezembro pelas autoridades de saúde dos Estados Unidos confirmou que os efeitos colaterais graves da vacina Pfizer em crianças de 5 a 11 anos são raros. Os resultados foram baseados em aproximadamente 8 milhões de doses aplicadas em jovens nessa faixa etária.

Portanto, quaisquer preocupações potenciais sobre a segurança da vacina devem ser pesadas contra os perigos comprovados da infecção por Covid-19.

Embora as crianças geralmente tenham sintomas mais leves do que os adultos, algumas crianças com a doença podem ter infecções pulmonares graves, ficar muito doentes e precisar de hospitalização.

Continua após a publicidade

Além disso, crianças que se recuperam mesmo de Covid-19 leve correm o risco de desenvolver posteriormente um perigoso distúrbio inflamatório multissistêmico denominado MIS-C.

Por fim, o estudo da Pfizer mostrou que a vacina é 90,7% eficaz na prevenção de crianças de 5 a 11 anos de desenvolverem sintomas de infecção por Covid-19.

Se achou esta notícia interessante, não deixe de ler a seguir: Mitos sobre vacinas – Principais fake news sobre os imunizantes

Continua após a publicidade
Próxima página »

Escolhidas para você