Nova redução de estômago não tem cortes e é indicada para quem não é obeso mórbido

Uma nova técnica promete tornar o precedimento de redução de estômago muito mais simples e rápido, ela já está sendo realizada em voluntários em protocolo de pesquisa pela Faculdade de Medicina do ABC e está prestes a ser disponibilizada na rede particular.

O equipamento utilizado no procedimento já foi aprovado pela ANVISA no fim de 2016. Os custos da cirurgia em hospitais particulares ainda não foi divulgado.

Redução de estômago pela “nova bariátrica”

O procedimento, chamado de gastroplastia endoscópica, se diferencia da bariátrica tradicional por não precisar que nenhum corte seja feito no paciente, o que diminui os riscos envolvidos na cirurgia, como contaminação e perfurações acidentais.

A técnica foi desenvolvida pelo endoscopista bariátrico Manoel Galvão Neto em conjunto com médicos de outros países. Ele explica que o estômago do paciente é reduzido por meio de um equipamento de sutura endoscópica que é inserido pela boca do paciente.

“Nesse procedimento o órgão (estômago) é preservado e tem seu volume reduzido através de sutura realizada por endoscopia, nenhuma parte do estômago é retirada durante o procedimento” explica o médico em entrevista à Vix.

Quem pode fazer?

Basicamente qualquer pessoa que esteja acima do peso, IMC entre 30 e 40, mas não apresenta obesidade mórbida.

Para os casos de obesidade mórbida a bariátrica tradicional continua sendo a melhor opção. A gastroplastia endoscópica tem melhores resultados nos pacientes com obesidade menos severa.

“A perda de peso média é de 20%, então uma pessoa com 150 kg chegaria, no máximo, aos 120 kg e continuaria obesa. O procedimento é mais indicado para pessoas com obesidade graus 1 e 2 porque eles não podem fazer a bariátrica e o procedimento é capaz de fazer com que elas voltem ao peso normal”, explica Grecco à Vix.

 

 

Fonte: Vix 
Imagens: Reprodução da internet