O que acontece quando um buraco negro engole um planeta?

Você sabe o que é um buraco negro? Antes de começar essa matéria, você precisa saber que esse nome curioso se refere, segundo a Teoria da Relatividade Geral, a uma região do espaço da qual nada, nem mesmo partículas que se movem na velocidade da luz, podem escapar.

De forma mais detalhada, para a Ciência, o buraco negro seria uma espécie de deformação do espaço-tempo, causada após o colapso gravitacional de uma estrela, com uma matéria astronomicamente maciça e compacta. Seu “coração”, como é chamado o centro dessa deformação, não reflete luz e é também um lugar de onde nada nem ninguém poderia voltar.

Achou tensa a explicação? Agora tente imaginar se esse negócio todo engolisse um planeta. O que será que aconteceria?

Há milhões de ano-luz

Se você está na dúvida se isso poderia realmente acontecer, a resposta é SIM. Aliás, para sermos sinceros, cientistas registraram, recentemente, o exato momento em que um buraco negro engolia um planeta gigantesco, com massa de 14 a 30 vezes maior que a massa de Júpiter.

Conforme o cientistas Marek Nikolajuk, principal autor do estudo que nos explica o que acontece quando um buraco negro engole um planeta, a observação do fenômeno ocorreu por acaso. Um grupo de cientistas da Agência Espacial Europeia (ESA) estavam, na verdade, observando uma outra galáxia, quando notaram raios-X brilhantes na galáxia NGC 4845, a 47 milhões de anos-luz da Terra.

Os dados coletados pela equipe foram analisados por pesquisadores da Universidade de Genebra, na Suíça, e os cientistas tiveram a confirmação: o brilho vinha de um buraco negro, no centro da tal galáxia, que engolia um planeta gigantesco.

O que acontece quando um buraco negro engole um planeta?

Embora as fotos feitas do fenômeno sejam um tanto confusas, os especialistas explicam que quando algo é puxado para dentro do buraco negro, o calor e a pressão do evento convertem tudo o que foi engolido (seja um planeta, como nesse caso, ou mesmo uma estrela) em gás de alta energia.

Ainda de acordo com os cientistas, à medida que os gases são absorvidos pelo buraco negro, a energia a partir deles é liberada como raios-X. Isso permitiu que os pesquisadores que estavam analisando o espaço percebessem chama e descobrissem de que se tratava, graças ao uso do XMM-Newton da ESA, instrumento utilizado por astrônomos para detectar essas fontes de energia.

Brincando com a comida

Mas, o mais interessante dessa história não são apenas os registros de um buraco negro transformando um planeta em gás. O estudo também mostrou que o buraco negro não chegou a engolir o planeta por inteiro.

A forma como a emissão se iluminou e decaiu, conforme os especialistas, demostra que ocorreu um atraso de dois a três meses entre o objeto ser desintegrado e o aquecimento dos restos desse “lanchinho” na vizinhança do buraco negro. Nas palavras dos especialistas, era como o buraco “brincasse com a comida”.

Os cientistas estimam que somente as camadas externas do planeta tenham sido engolidas, ou seja, cerca de 10% da massa total do objeto… pelo menos até agora. Eles afirmam que o núcleo denso do objeto foi deixado em órbita do buraco negro, como uma espécie de descarte, talvez. Mesmo assim, o registro do evento não deixa de ser instigante, já que esta é a primeira vez que se observa a desintegração de um objeto subestelar por um desses buracos estranhos.

Interessante demais, não acha? Agora, se você quiser continuar falando de possibilidades assustadoras relacionadas ao espaço sideral, não deixe de conferir ainda: O que aconteceria se um asteroide gigante atingisse a Terra?

Fonte: Hypescience, ABC, Forbes