Curiosidades

Medidas contra Covid provoca onda de protestos violentos na Europa

Uma onda de protestos violentos na Europa começou esta semana contra os parâmetros dos governos em combate a propagação da Covid-19.

Uma onda de protestos violentos na Europa começou esta semana contra os parâmetros dos governos em combate a propagação da Covid-19. Sendo assim, a população está em revolta devido aos duros métodos de evitar aglomerações e o trânsito de pessoas.

Essas medidas foram impostas devido ao grande aumento de novos casos de coronavírus pelo continente. Várias pessoas já receberam a vacina na Europa. Contudo, houve uma elevação significativa da Covid-19 na última semana.

Segundo o diretor-regional da Organização Mundial de Saúde (OMS) para a Europa, Hans Kluge, é possível que cerca de 500 mil mortes possam acontecer até março do ano que vem. Ou seja, para evitar isso, a população deve aderir às medidas extremas de urgência.

Onda de protestos violentos na Europa – Holanda

A onda de protestos violentos na Europa começou na Holanda. Portanto, os manifestantes colocaram fogo em pneus, carros e enfrentaram policiais com o uso de pedras e fogos de artifício. Por isso, para revidar as agressões, os agentes de segurança precisaram de balas de borracha, cachorros de guarda, canhões d’água, cassetes e cavalos.

De acordo com o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, as noites estão violentas no País por conta das medidas. Sendo assim, vale lembrar que a Holanda teve 4 vezes mais casos semanais em novembro se compararmos ao mês anterior.

Continua após a publicidade

A razão de toda essa fúria foi o lockdown imposto parcialmente por 3 semanas. Motivo disso, foi o número recorde de casos de coronavírus. Com isso, os comércios têm que fechar mais cedo. Além disso, eventos esportivos, musicais e qualquer um que resulte em aglomerações também não podem acontecer.

Bélgica

Medidas contra Covid provoca onda de protestos violentos na Europa

A onda de protestos violentos na Europa também chegou à Bélgica. As manifestações começaram de forma pacífica, no entanto, terminaram com vandalismos e confronto contra policiais. Por isso, revidaram com canhões d’água e gás lacrimogêneo.

Sobre as máscaras, as normas para usá-las ficaram mais intensas no País. Além disso, os cartões de vacina já são obrigatórios na entrada de estabelecimentos comerciais. Ademais, grande parte da população deve trabalhar dentro de casa por 4 dias a cada semana até o fim de dezembro deste ano.

Áustria

Os austríacos também fizeram manifestações. Contudo, ficaram de fora da onda de protestos violentos na Europa e os atos seguiram de forma pacífica. Sendo assim, aproximadamente 40 mil manifestantes apareceram em Viena. A organização do protesto foi feita pela sigla de direita Partido da Liberdade.

Continua após a publicidade

O País europeu aderiu a medidas drásticas como, por exemplo, a obrigatoriedade da vacina contra o novo coronavírus. Além disso, foi imposto um lockdown nacional completo. Ou seja, as pessoas devem ficar em casa e sair somente em casos extremamente necessários.  Vale ressaltar que casos de Covid-19 na Áustria aumentaram 5 vezes mais.

Outros países da Europa

Manifestações também aconteceram em países como a Alemanha, Croácia, Dinamarca, Grécia e República Tcheca. Além disso, os motivos foram os mesmos. Ou seja, as restrições adotadas pelo governo.

Veja também sobre: Estas serão as 10 maiores cidades do mundo em 2030 – e nenhuma delas está nos EUA ou na Europa

Próxima página »

Escolhidas para você