Ciência & Tecnologia

Tigre-da-tasmânia: polêmicas envolvendo a ‘ressurreição’ do animal

Entenda como os cientistas planejam ressuscitar o tigre-da-Tasmânia depois de quase 100 anos, usando a tecnologia genética.

Ao longo da história do mundo, mais de quatro bilhões de espécies evoluíram e 99% delas estão extintas, entre elas o tigre-da-tasmânia ou lobo-da-Tasmânia. Aliás, nos últimos 500 anos, um mínimo de 900 espécies foram extintas, com muitas outras sendo classificadas como em risco para o mesmo destino.

No entanto, os cientistas parecem ter uma maneira de reverter parcialmente essas extinções. Em outras palavras, eles pretendem usar DNA antigo e reprodução artificial para trazer de volta um animal que desapareceu há quase 100 anos.

Por que trazer de volta o tigre-da-tasmânia?

A ressurreição dos tigres-da-Tasmânia está sendo liderada pelo professor Andrew Pask da Universidade de Melbourne, que dirige o Laboratório de Pesquisa em Restauração Genética Integrada de Tilacino.

Os tigres-da-Tasmânia são candidatos especialmente bons para o processo de extinção, disse Pask. O animal morreu há relativamente pouco tempo, amostras de DNA de qualidade estão disponíveis e partes de seu habitat natural ainda existem.

Continua após a publicidade

Pask delineou o objetivo do projeto: “recuperar essas espécies na natureza, onde desempenhavam papéis absolutamente essenciais no ecossistema. Portanto, nossa esperança final é que você os veja na mata da Tasmânia novamente um dia.”

O tilacino era o único predador marsupial da Austrália. Ele já viveu em todo o continente, mas estava restrito à Tasmânia cerca de 3.000 anos atrás. De aparência canina e com listras nas costas, foi amplamente caçado após a colonização européia.

Continua após a publicidade

O último sobrevivente morreu em cativeiro em 1936. Apesar de centenas de avistamentos relatados nas décadas que se seguiram, e algumas tentativas quixotescas de provar sua existência contínua , foi oficialmente declarado extinto na década de 1980.

Como será o processo?

Segundo Pask, o processo é difícil, envolvendo a reconstrução completa do genoma do tigre-da-Tasmânia. Ele será então comparado ao genoma do dunnart, seu parente mais próximo.

Continua após a publicidade

Uma vez que os pesquisadores encontrem as diferenças entre os dois genomas, eles poderão alterar o genoma do Dunnart para torná-lo essencialmente igual ao do tilacino. Dunnarts serão usados ​​como substitutos para ajudar a trazer seu ancestral de volta à vida.

Sobre a tecnologia reprodutiva, Pask disse: “Estamos buscando o cultivo de marsupiais desde a concepção até o nascimento em um tubo de ensaio sem substituto, o que é concebível, dado o curto período de gestação dos marsupiais infantis e seu pequeno tamanho”.

Quais efeitos essa ‘desextinção’ pode provocar?

Se for bem-sucedido, o plano seria introduzir o tilacino em um ambiente controlado em terras privadas da Tasmânia com o objetivo final de devolvê-lo à natureza.

Os pesquisadores disseram que devolver um predador pode ajudar a reequilibrar o ecossistema do estado. Aliás, Pask disse que também espera que seu trabalho possa ter um impacto mais amplo para ajudar a lidar com uma crise de extinção.

Continua após a publicidade

Ele disse que o mundo está mudando muito rapidamente para as técnicas de conservação existentes para salvar muitas espécies ameaçadas, apontando para o impacto catastrófico dos incêndios florestais na vida selvagem australiana.

“Temos que olhar para outras tecnologias e novas maneiras de fazer isso se quisermos parar essa perda de biodiversidade”, disse ele. “Nós não temos escolha. Quero dizer, levará à nossa própria extinção se perdermos 50% da biodiversidade da Terra nos próximos 50 a 100 anos.”

Por fim, o anúncio recebeu uma resposta mista de biólogos de conservação. Desse modo, alguns afirmam que é improvável que o projeto de ressuscitar o tigre-da-Tasmânia tenha sucesso. Em contrapartida, outros acreditam que a genética que pode ser usada para proteger as espécies existentes.

Então, achou este artigo interessante? Pois, leia também:

Continua após a publicidade

Dupla de pesquisadores revela o porque antas correm risco de extinção
35 animais extintos e em risco de extinção no Brasil
Animais extintos: lista dos que sumiram e dos que correm risco de extinção
Animais em extinção no Brasil
Mamute – Características e extinção dos antepassados dos elefantes

Fontes: BBC, Gizmodo, Revista Galileu

Próxima página »

Escolhidas para você