Curiosidades

20 curiosidades sobre a Última Ceia, de Leonardo da Vinci

A obra de Leonardo da Vinci, A ÚItima Ceia foi responsável por dar início à sua fama e ainda hoje esconde mistérios e segredos.

Por P.H Mota

Certamente, você já deve ter visto a pintura A Última Ceia de Leonardo da Vinci. Esta obra-prima centenária é uma peça icônica do Renascimento apreciada por mais de 500 anos.

Além disso, a Última Ceia de Leonardo da Vinci também é uma das obras mais intrigantes da história da arte; assim como a Mona Lisa. Acredita-se que Leonardo da Vinci representa a cena em que Jesus diz a seus doze apóstolos que um deles o trairá.

Vamos conferir alguns fatos surpreendentes sobre este magnífico trabalho.

20 curiosidades sobre a Última Ceia, de Leonardo da Vinci

1. É muito maior do que você imagina

Inúmeras reproduções foram feitas em todos os tamanhos. Contudo, a pintura original mede 4,6 metros de altura por 8,8 metros de comprimento, o que é muito grande para pendurar na parede da sua sala de estar, a menos que você queira cobrir a parede toda.

2. A Última Ceia é de grande importância religiosa

Todo mundo sabe que a pintura retrata a última refeição de Jesus com seus apóstolos antes de ser capturado e crucificado. Todavia, mais especificamente, Leonardo da Vinci queria capturar o instante logo após Jesus revelar que um de seus amigos o trairia, completo com reações de choque e raiva dos apóstolos.

Na interpretação de Leonardo da Vinci, o momento também ocorre pouco antes do nascimento da Eucaristia, com Jesus estendendo a mão para o pão e um copo de vinho que seriam os símbolos-chave deste sacramento cristão.

3. Você não vai encontrar o quadro em um museu.

Embora A Última Ceia seja facilmente uma das pinturas mais icônicas do mundo, sua residência permanente é um convento em Milão, Itália. E movê-lo seria complicado, para dizer o mínimo.

Aliás, Leonardo da Vinci pintou a obra religiosa diretamente (e apropriadamente) na parede do refeitório do Convento de Santa Maria delle Grazie em 1495.

4. Pouco da pintura original permanece hoje

Quando Da Vinci começou a pintar o mural, ele não tinha muita experiência. Ele fez um pouco de experimentação e a pigmentação foi feita em uma parede de gesso seco. É por isso que a pintura não resistiu bem ao teste do tempo.

Mesmo quando estava em andamento, surgiram problemas de descamação. Da Vinci teve que enfrentar muitos problemas para corrigir esses problemas naquele momento. Além disso, ao longo dos anos, passou por uma série de esforços de restauração. Portanto, muito pouco da obra-prima original permanece agora.

5. Não é um afresco

Ao contrário da crença generalizada, esta pintura icônica não pode ser classificada como um afresco. Os afrescos não são pintados em gesso seco. Além disso, o desvio dos métodos usuais levou à deterioração do trabalho.

6. A Última Ceia’ é uma experiência mal sucedida

Da Vinci experimentou com tinta têmpera em uma parede de gesso seca e selada no mosteiro de Santa Maria delle Grazie em Milão, Itália. Contudo, o experimento falhou porque a tinta não aderiu adequadamente e o trabalho começou a descamar apenas algumas décadas após a conclusão.

7. Leonardo da Vinci usou uma técnica totalmente nova em sua obra-prima

Para passar todo o tempo necessário para aperfeiçoar cada detalhe, da Vinci inventou sua própria técnica, usando tintas de têmpera sobre pedra. Assim, ele preparou a parede com um material que esperava que aceitasse a têmpera e protegesse a pintura contra a umidade.

8. Da Vinci usou um martelo e um prego par alcançar a perspectiva perfeita

Parte do que torna A Última Ceia tão impressionante é a perspectiva da qual é pintada, que parece convidar o espectador a entrar direto na cena dramática.

Entretanto, para conseguir essa ilusão, Leonardo da Vinci martelou um prego na parede e amarrou um barbante a ele para fazer marcas que ajudaram a guiar sua mão na criação dos ângulos da pintura.

9. As reformas acabaram com uma parte da Última Ceia

Em 1652, uma porta foi adicionada à parede que sustenta a pintura. Desse modo, sua construção significava que um pedaço central inferior da peça – que incluía os pés de Jesus – foi perdido.

10. Não dá para ignorar o olhar autêntico dos apóstolos

Os espectadores não podem deixar de admirar a aparência dos apóstolos na pintura. Aliás, existe uma teoria de que cada um desses apóstolos foi modelado em pessoas da vida real. Para retratar Judas, Da Vinci teria escolhido um criminoso.

11. O significado da comida está em debate

Diz-se que o sal derramado diante de Judas representa sua traição ou, alternativamente, é visto como um sinal de sua má sorte em ser o escolhido para trair.

Além disso, o peixe servido tem leituras igualmente conflitantes. Se for enguia, pode representar doutrinação e, portanto, fé em Jesus. No entanto, se for arenque, pode simbolizar um descrente que nega a religião.

12. A obra inspirou algumas teorias malucas

Algumas teorias propõem que a figura à esquerda de Jesus não é João, mas Maria Madalena, e que A Última Ceia é uma evidência chave em um encobrimento da verdadeira identidade de Cristo pelos católicos romanos.

13. Pode esconder uma melodia inédita

Músicos especularam que a verdadeira mensagem subliminar ou código oculto em A Última Ceia é na verdade uma trilha sonora que a acompanha. Em 2007, o músico italiano Giovanni Maria Pala criou 40 segundos de uma música sombria usando notas supostamente codificadas dentro da composição distinta de da Vinci.

14. Judas é retratado como um judeu comum

Ao analisar a pintura de perto, fica claro que Da Vinci retratou Judas de uma maneira típica para fazê-lo parecer um clichê de um judeu. Judas é a única pessoa entre os apóstolos com pele escura, bem como tem um nariz torto. Além disso, ele é visto bebendo leite enquanto outros bebem vinho; e está com um saco de dinheiro também.

15. Significado numerológico

É sabido que Da Vinci utilizou matemática e aspectos numerológicos em suas obras e A Última Ceia não é exceção. Nesta pintura, o número 3 foi representado de várias maneiras, o que representa a Santíssima Trindade.

Ademais, os apóstolos estão presentes em grupos de 3 e há 3 janelas atrás do grupo. Jesus está posicionado como um triângulo na pintura também.

16. A obra foi danificada pela Guerra

Não são apenas os elementos climáticos que devastaram a pintura. No final do século XVII, a pintura foi danificada por soldados revolucionários franceses. Mais tarde, na Segunda Guerra Mundial, as vibrações dos bombardeios danificaram o prédio onde a pintura está exposta.

17. Gerou inúmeras cópias

As belas artes e a cultura pop prestaram homenagem à Última Ceia com uma cavalgada de imitações e paródias. Estes variam de uma reprodução de pintura a óleo do século XVI a novas interpretações de Salvador Dali, Andy Warhol, Susan Dorothea White e Vik Muniz, que fez a sua com calda de chocolate.

18. Foi patrocinada por um duque

A pintura foi encomendada na década de 1490 pelo Duque de Milão, Ludovico Sforza, também conhecido como Ludovico Il Moro. Sua ideia inicial era transformar a igreja original, que foi concluída na década de 1480, em um mausoléu familiar. Portanto, ele encomendou a pintura para servir a esse propósito.

Esses planos, no entanto, nunca foram concluídos e apenas uma pequena capela mortuária foi construída adjacente ao claustro. A Última Ceia acabou por ser pintada na parede do refeitório do convento.

19. As tropas de Napoleão não se importavam muito com o trabalho de Da Vinci

Durante a Revolução Francesa no ano de 1796, sob o comando de Napoleão Bonaparte, as forças francesas assumiram o comando de Milão e transformaram o refeitório de Santa Maria Delle Grazie em um arsenal e estábulos.

Os revolucionários anticlericais não se importavam muito com a arte religiosa, então frequentemente jogavam pedras e terra na pintura, além de danificá-la deliberadamente.

20. Os Apóstolos da esquerda para a direita

De acordo com um manuscrito, que foi encontrado no século XIX, podemos dizer com precisão quem está retratado na pintura. Abaixo estão os Apóstolos da esquerda para a direita com base na posição de suas cabeças:

  1. Bartolomeu
  2. Tiago, filho de Alfeu
  3. André
  4. Judas Iscariotes
  5. Pedro
  6. João
  7. Jesus
  8. Tomé
  9. Tiago
  10. Filipe
  11. Mateus
  12. Judas Tadeu
  13. Simão, o Zelote

Fontes: Hiper Cultura, Cultura Genial, Toda Matéria, Info Escola, Super

Então, gostou de saber todas essas curiosidades sobre esta pintura famosa? Pois, leia também: Invenções de Leonardo da Vinci, quais foram? História e funções

Próxima página »

Escolhidas para você