Ciência & Tecnologia

Chorar é um sinal de evolução, segundo a Ciência

Você vive morrendo de vergonha por ser uma pessoa chorona? Você pirar para o que a Ciência acabou de descobrir: chorar é um sinal de evolução!

Atualizado em 28/09/2018

Quantas vezes você já foi chamado de bebezão e manteiga derretida por chorar no meio de um filme ou de um programa de TV que ajuda as pessoas a encontrarem seus parentes perdidos? Se isso sempre acaba deixando você constrangido, fique sabendo que não controlar as lágrimas pode ser um bom sinal, segundo a Ciência.

Cientistas descobriram, recentemente, que chorar é um sinal de pessoa emocionalmente forte, ao contrário do que todo mundo costuma pensar. Além disso, quem choca fácil tem mais habilidades interpessoais e tende a ser um líder de destaque e persuasivo.

Para resumir, a Ciência acredita que chorar pode ser um sinal de evolução em alguns seres humanos. Então sim, você pode chorar de alegria ou de tristeza, ou pelo que mais quiser de agora para frente… se tiver vontade, claro!

1

E, conforme a pesquisa, os seres mais evoluídos, tomando como base o choro, são as mulheres. Elas choram, em média, 50 vezes por ano ou quase uma vez por semana. Os homens, por outro lado, choram cerca de 10 vezes por ano (ou menos), o que equivale uma vez por mês (ou menos também).

3

O ato de chorar e a evolução

7

Agora, se você está se perguntando, porque exatamente chorar é um sinal de ser mais evoluído, a resposta é simples: o choro é um sinaliza necessidades e intimida os inimigos. Interessante, não?

4

E, como se não bastasse, as lágrimas ainda contam com uma quantidade significativa de encefalina, uma espécie de analgésico natural. Logo, quem chora mais tende a se sentir melhor e por muito mais tempo, o que é uma grande vantagem sobre os demais. Não acha?

Agora, falando sobre evolução, você vai gostar de ler ainda: 6 bizarrices que a evolução humana deixou em seu corpo.

Fonte: Vix

Por <a href='https://segredosdomundo.r7.com/author/renata/' rel='dofollow' class='dim-on-hover'>Thamyris Fernandes</a>
Por Thamyris Fernandes
Jornalista pela PUC Goiás. Já flertou com assessoria de imprensa, passou um tempo em jornais impressos e encontrou na internet seu habitat natural. Basicamente, uma taurina curiosa. Gosta de vinho, café, livros, um bom papo e aconchego. Ama o que faz e faz o que ama por aqui. Instagram: @thamyriscf