Listas

5 fatos para entender a crise na Ucrânia e o discurso de Putin

O reconhecimento de Donetsk e Luhansk como "independentes" foi recebido com ampla condenação do Ocidente em meio a temores de uma possível invasão russa.

As tensões estão aumentando mais uma vez, pois o conflito entre as tropas ucranianas e as forças apoiadas pela Rússia no leste da Ucrânia está reacendendo uma crise no país que remonta a 2013 e envolve várias facções.

Com os dois lados parecendo estar se preparando para a guerra, e os EUA e a Europa apelando para a desescalada, mantendo seu apoio à Ucrânia, o mundo observa as possíveis consequências.

A Ucrânia alertou que a Rússia está tentando desestabilizar o país antes de qualquer invasão militar planejada. Com efeito, as potências ocidentais alertaram repetidamente a Rússia contra novos movimentos agressivos contra a Ucrânia.

Em suma, o Kremlin nega que esteja planejando atacar e argumenta que o apoio da Otan à Ucrânia – incluindo o aumento do fornecimento de armas e treinamento militar – constitui uma ameaça crescente no flanco ocidental da Rússia.

Continua após a publicidade

A história pode ser complexa, mas aqui está 5 fatos que sabemos até agora sobre a crise na Ucrânia.

5 fatos que sabemos até agora sobre a crise na Ucrânia

1. Qual é a situação na fronteira?

Os Estados Unidos e a OTAN descreveram os movimentos e concentrações de tropas dentro e ao redor da Ucrânia como “incomuns”.

Continua após a publicidade

Cerca de 100.000 soldados russos permaneceram reunidos na fronteira ucraniana, apesar das advertências do presidente dos EUA, Joe Biden, e de líderes europeus de sérias consequências caso Putin avance com uma invasão.

Além disso, as descobertas da inteligência dos EUA em dezembro estimaram que a Rússia poderia iniciar uma ofensiva militar na Ucrânia “já no início de 2022”.

Continua após a publicidade

2. Qual é a história do conflito entre a Ucrânia e a Rússia?

As tensões entre a Ucrânia e a Rússia, ambos ex-estados soviéticos, aumentaram no final de 2013 devido a um acordo político e comercial histórico com a União Europeia.

Depois que o então presidente pró-Rússia, Viktor Yanukovych, suspendeu as negociações, os protestos em Kiev explodiram em violência.

Então, em março de 2014, a Rússia anexou a Crimeia, uma península autônoma no sul da Ucrânia com fortes lealdades russas, sob o pretexto de que estava defendendo seus interesses e os dos cidadãos de língua russa.

Primeiro, milhares de soldados de língua russa, apelidados de “pequenos homens verdes” e mais tarde reconhecidos por Moscou como soldados russos, invadiram a península da Crimeia.

Continua após a publicidade

Em poucos dias, a Rússia completou sua anexação em um referendo que foi criticado pela Ucrânia e pela maior parte do mundo como ilegítimo.

Pouco depois, separatistas pró-Rússia nas regiões ucranianas de Donetsk e Luhansk declararam sua independência de Kiev, provocando meses de intensos combates.

Apesar de Kiev e Moscou assinarem um acordo de paz em Minsk em 2015, intermediado pela França e pela Alemanha, houve repetidas violações do cessar-fogo.

De acordo com números da ONU, houve mais de 3.000 mortes de civis relacionadas a conflitos no leste da Ucrânia desde março de 2014.

Continua após a publicidade

3. Qual é o discurso de Putin?

O presidente russo, Vladimir Putin, negou repetidamente que a Rússia planeja invadir a Ucrânia, insistindo que a Rússia não representa uma ameaça a ninguém e que o país que movimenta tropas em seu próprio território não deve ser motivo de alarme.

Moscou vê o crescente apoio da Otan à Ucrânia – em termos de armamento, treinamento e pessoal – como uma ameaça à sua própria segurança.

Também acusou a Ucrânia de aumentar seu próprio número de tropas em preparação para uma tentativa de retomar a região de Donbas, uma alegação que a Ucrânia negou.

Ademais, Putin, pediu acordos legais específicos que excluam qualquer expansão da Otan para o leste em direção às fronteiras da Rússia, dizendo que o Ocidente não cumpriu suas garantias verbais anteriores.

Continua após a publicidade

Putin também disse que a Otan implantando armas sofisticadas na Ucrânia, como sistemas de mísseis, estaria cruzando uma “linha vermelha” para a Rússia; em meio à preocupação em Moscou de que a Ucrânia esteja sendo cada vez mais armada pelas potências da Otan.

4. O que significa o reconhecimento da independência das regiões separatistas da Ucrânia pela Rússia?

O presidente russo, Vladimir Putin, reconheceu a independência de duas regiões separatistas no leste da Ucrânia.

O líder russo assinou um decreto reconhecendo a autoproclamada “República Popular de Donetsk” (DPR) e a “República Popular de Luhansk” (LPR) como independentes.

Além disso, Putin estabeleceu planos para “acordos de ajuda” entre a Rússia e os dois territórios separatistas.

Continua após a publicidade

Com efeito, a medida aumentou os temores entre as nações ocidentais sobre uma invasão russa da Ucrânia.

Horas após o anúncio, Putin instruiu o Ministério da Defesa a enviar tropas aos territórios para o que o Kremlin chamou de “a função de manutenção da paz”.

Em um discurso longo e inflamado, Putin disse estar confiante de que o povo russo apoiaria sua decisão. Ele também descreveu a Ucrânia como inextricavelmente ligada à história da Rússia.

Aliás, estes desdobramentos ocorreram em meio a um aumento da violência no conflito de longa data entre tropas ucranianas e rebeldes pró-Rússia.

Continua após a publicidade

5. Qual é a situação atual da crise na Ucrânia?

Os países ocidentais estão preocupados que um aumento significativo de tropas russas perto da fronteira com a Ucrânia signifique que Moscou está se preparando para invadir seu vizinho.

Ainda assim, espera-se que o reconhecimento das regiões separatistas aumente ainda mais as tensões, pois dá a Moscou uma razão para mover abertamente as tropas.

Separadamente, a Rússia disse que sabotadores ucranianos tentaram encenar uma incursão, acusações que Kiev rejeitou como “notícias falsas”.

O Ocidente alegou repetidamente que Moscou pretende fabricar um pretexto para invadir. O secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, disse na segunda-feira que uma “proliferação” dos chamados eventos de bandeira falsa; e o aumento do número de tropas perto da fronteira com a Ucrânia indicam que Putin está comprometido com uma invasão.

Continua após a publicidade

A Ucrânia, por sua vez, solicitou uma reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU para lidar com a ameaça.

A Casa Branca disse que agora há até 190.000 soldados russos na região, incluindo rebeldes pró-Rússia no leste da Ucrânia.

Moscou exigiu amplas garantias de segurança em troca de desarmar a crise, incluindo a promessa de que a Ucrânia nunca poderá ingressar na Otan.

Por fim, os presidentes Putin e Biden concordaram provisoriamente com uma possível reunião cara a cara em uma última tentativa de evitar a guerra.

Continua após a publicidade

Então, achou este artigo interessante? Pois, não deixe de ler: Por que a volta do homem à Lua foi adiada pela Nasa?

Próxima página »

Escolhidas para você