Neurologia diz que em 3 anos cérebros congelados poderão ser despertados e transplantados

Pessoas congeladas que voltam a vida, até há algum tempo, não passava de uma proposta esdrúxula de filmes de ficção científica. Hoje em dia, no entanto, a possibilidade da criogenia realmente garantir uma nova vida a pessoas mortas parece cada mais mais próxima, como você já viu nessa outra matéria.

Um bom exemplo disso, como você vai ver, é a previsão mais recente de um dos neurologistas mais polêmicos do mundo, Sergio Cabavero, diretor do Grupo Avançado de Neuromadulação de Turim. Segundo ele, em 3 anos, cérebros congelados já poderão ser despertados e transplantados para novos corpos.

Transplante de cabeça

E esse não é a única meta ousada desse neurocirurgião. Há quatro anos, como você já viu nessa outra matéria aqui, ele anunciou que tentaria realizar o primeiro transplante de cabeça humana da história.

A operação já tem um voluntário e, inclusive, está prevista para dezembro desse mesmo ano de 2017.

Cérebros congelados e polêmicas

Agora, voltando ao projeto de devolver a vida a cérebros congelados, esse é um assunto que divide opiniões no meio científico. Isso porque o processo consiste em retirar o cérebro de uma cabeça congelada em nitrogênio líquido, a -196 graus, colocá-la em um novo corpo e fazer o cérebro reviver.

Muitos cientistas se mostram céticos com relação ao projeto, uma vez que nada próximo a isso já foi alcançado até hoje. Alguns especialistas lembram, inclusive, que pode ocorrer danos irreversíveis aos cérebros congelados, isso sem contar nos traumas, doenças mentais e outros problemas com os quais alguém supostamente ressuscitado pode sofrer.

Agora, para descontrair um pouco, mas ainda falando no destino final de todo mundo, você pode gostar de conferir ainda: O que acontece com seu Facebook depois que você morre?

Fonte: Hypeness