Saúde

O que estuda a gelotologia e como o riso pode ajudar pacientes de hospitais?

O efeito do riso no bem-estar físico e mental é da alçada da gelotologia, o estudo do humor e do riso; saiba mais sobre as descobertas desta área.

A sabedoria popular diz que rir é o melhor remédio. Para investigar isso, um número crescente de estudos científicos está agora fornecendo provas por meio da gelotologia ou estudo do humor e do riso.

Em suma, este novo campo de estudo descobriu que quanto mais e com mais frequência você ri, maiores são os benefícios para a saúde. Neste artigo, vamos contar pra você como surgiu e o que estuda a gelotologia.

Como surgiu e o que estuda a gelotologia?

O que estuda a gelotologia e como o riso pode ajudar pacientes de hospitais?

O interesse público pela terapia do riso começou a se desenvolver na década de 1960 e cresceu a partir daí. Essa também foi uma época em que o domínio do humor como principal via para o riso foi cada vez mais desafiado.

Dr. William F. Fry, professor de Psicologia na Universidade de Stanford, Califórnia, foi o primeiro cientista a sugerir em 1964 que o riso era um campo de estudo adequado e o primeiro a solicitar financiamento público.

No entanto, isso foi durante a Guerra do Vietnã e todos os projetos de pesquisa acabaram ficando em banho-maria por causa das severas restrições orçamentárias.

Implacável, ele perseguiu seu interesse de forma informal e sem financiamento e publicou uma série de estudos de referência sobre os processos fisiológicos que ocorrem durante o riso.

Com efeito, ele se tornou o primeiro autoproclamado Gelotologista, um especialista no estudo do riso (gelotologia, da raiz grega gelos ou rir).

Que parte do cérebro controla o riso?

Existem duas estruturas do sistema límbico envolvidas na produção do riso: a amígdala e o hipocampo. Desse modo, o simples ato de sorrir reduz a tensão, gera apego, estimula a aceitação dos indivíduos em grupos complexos, aumenta a atenção e homogeneiza culturalmente.

Rir dentro de um grupo de amigos é um código de aprovação, no escritório reduz a tensão, na família predispõe a uma melhor comunicação. Uma sequência de risadas com seu parceiro pode ajudá-lo a ter um melhor desempenho sexual.

O cérebro humano tende a ser feliz, embora tenha mais elementos para refletir ou para ficar triste, a natureza do nosso córtex cerebral busca elementos para se acalmar e sentir que nem tudo é ruim.

Além disso, o riso no cérebro humano como resposta social aparece após o terceiro mês de vida, para nunca mais desaparecer. Um estudo da Universidade de Ontário relata que os adultos riem em média 18 vezes por dia, as crianças tendem a rir de três a cinco vezes mais. A fonética do riso é universal, em todas as culturas aceita-se a mesma linguagem do riso ou do riso. Portanto, sorrir é uma forma de convivência.

Mas, vale lembrar que o riso é diferente do humor. O riso é uma resposta fisiológica ao humor e consiste em dois elementos: os movimentos do rosto e o som que é emitido.

Esses dois elementos ocorrem após uma ordem emitida pelo cérebro como um impulso e às vezes também são acompanhados por movimentos nas extremidades e nos músculos do tronco.

Quais os benefícios do riso para a saúde?

O que estuda a gelotologia e como o riso pode ajudar pacientes de hospitais?

Fornece exercícios de baixo impacto e queima calorias

Quando você ri, todos os sistemas do seu corpo são afetados de maneira positiva. É particularmente importante para idosos, bem como para pessoas acamadas ou em cadeira de rodas. É uma forma única de melhorar o seu bem-estar diário.

Regula a Pressão Arterial

O riso equilibra a pressão arterial. O relaxamento dos músculos em conjunto com o aumento da frequência cardíaca permite que o sangue flua mais livremente por todo o nosso corpo. Ao mesmo tempo, se nossa pressão arterial estiver baixa, ela pode aumentar ao longo do tempo devido ao exercício aeróbico que ela proporciona.

Reduz a dor

As endorfinas são analgésicos naturais do nosso corpo. Eles são liberados em nossa medula espinhal e depois se distribuem por todo o nosso sistema nervoso quando rimos. O riso regular é frequentemente usado para ajudar no controle da dor crônica.

Aumenta o oxigênio

o riso fornece mais oxigênio para as células do cérebro e do corpo. Ele faz isso aumentando o processo de expiração. Quando rimos, o diafragma força o ar de nossos pulmões para que, quando ele cai, mais ar seja inspirado nos pulmões, pronto para distribuição.

Fortalece o sistema imunológico

Quando você ri, o diafragma se torna uma bomba poderosa para a circulação linfática, assim como o coração serve como a bomba central que impulsiona o sangue pelos vasos sanguíneos.

Isso ajuda os vasos linfáticos a transportar esse fluido pelo corpo e ajuda os gânglios linfáticos a limpar e filtrar esse fluido, removendo resíduos, células mortas e até microorganismos indesejados.

Manter os fluidos corporais limpos é importante porque eles são necessários para você estar no seu melhor. O aumento do fluxo linfático equivale a um sistema imunológico elevado e aprimorado.

Ajuda em quadros de Depressão e Ansiedade

Você não pode ficar deprimido ou ansioso e rir. A depressão vive no passado e a ansiedade no futuro. Quando rimos estamos no presente.

Permite que você mude para um humor mais positivo rapidamente

O riso é uma atividade de recuperação eficaz no início ou no final do dia de trabalho ou durante um intervalo.

O que é a terapia do riso?

A terapia do riso é a prática de liberar deliberadamente o riso para melhorar o bem estar físico e emocional. Acredita-se que rir pode produzir uma série de benefícios físicos e psicológicos, e os defensores da terapia do riso sustentam que é útil tanto para quem está em meio a uma crise séria quanto para quem enfrenta o estresse do dia a dia.

Este tipo de terapia pode envolver riso genuíno e artificial, e pode ser feita em grupo ou sozinho. Aqueles que realizam sessões de terapia do riso podem enfrentar os desafios de encontrar exercícios que todos os participantes achem engraçados e conseguir que indivíduos tímidos participem.

Referências

Gervais, M. & Wilson, DS. (2006). A evolução e as funções do riso e do humor: uma abordagem sintética. A revisão trimestral de biologia. 80. 395-430. 10.1086/498281.

Baber, H., Donnelly, J., & Morreall, J. (1984, dezembro). Levando o riso a sério. Recuperado em 26 de janeiro de 2021, do site ResearchGate.

Agora que você sabe o que estuda a gelotologia, leia também: 5 segredos da felicidade de acordo com a ciência

Próxima página »

Escolhidas para você