Saúde

Você sabe o que são superbactérias?

Superbactérias são germes que evoluíram para escapar das armas médicas mais poderosas, os antibióticos. Veja quais existem e como se proteger!

Você já ouviu falar em ‘superbactérias’? O próprio termo, “superbactéria” não é um nome científico, embora muitos cientistas, médicos e outros profissionais médicos já utilizem o termo há algum tempo.

Geralmente, porém, uma superbactéria é um termo usado para descrever uma bactéria resistente à maioria dos antibióticos que usamos hoje. Em outras palavras, eles se adaptam, se escondem e voltam com força total.

Bactérias resistentes a antibióticos atualmente matam 700.000 pessoas por ano, e o número pode aumentar se o problema não for resolvido.

Desse modo, a inovação é vital para lidar com o uso excessivo e inadequado de antibióticos na saúde humana e animal, o que leva ao aumento e à disseminação da resistência.

O que é uma superbactéria?

As bactérias estão por toda parte e, em sua maioria, são inofensivas. Na verdade, muitas vezes são úteis, mas às vezes podem causar doenças. Assim, elas são responsáveis ​​por infecções leves na pele ou no ouvido e por doenças mais graves e potencialmente fatais, como meningite ou pneumonia.

Dessa forma, as infecções bacterianas são geralmente tratadas com antibióticos. No entanto, superbactérias multirresistentes são uma cepa de bactéria que sofreu mutação após entrar em contato com um antibiótico.

A bactéria então se torna resistente ao antibiótico, o que significa que o antibiótico não pode matar a bactéria ou impedi-la de se multiplicar. O resultado é que a bactéria continua a se multiplicar, deixando o paciente mais doente à medida que as opções de tratamento diminuem.

Como essa mutação acontece?

O uso excessivo de antibióticos é uma das principais causas da resistência aos antibióticos, assim como o uso incorreto de antibióticos que lhe foram prescritos. Entretanto, não são apenas humanos que estão sendo dosados.

Além disso, o uso de antibióticos na agricultura também é um fator contribuinte, com o consumo humano de galinhas e animais tratados com antibióticos aumentando ainda mais a resistência.

Veja a seguir, quais são as principais superbactérias, e como podemos nos proteger delas.

20 superbactérias que apresentam maior risco à saúde

Os principais germes de maior e menor risco incluem:

1. Clostridioides difficile

Esta bactéria se aloja no intestino, afetando mais frequentemente os adultos mais velhos que ficam em hospitais ou instalações de cuidados de longa duração. Aliás, ela se desenvolve rapidamente, o que já a tornou um grande problema de saúde.

2. Acinetobacter

Uma bactéria resistente aos carbapenêmicos, um tipo de antibióticos.

3. Candida auris

É um tipo de fungo que cresce como levedura e pode causar candidíase em humanos.

4. Enterobacteriaceae

Em suma, esta é uma grande família de bactérias que inclui Escherichia coli, Klebsiella, Salmonella, bem como Shigella e Yersinia pestis, todas resistentes a carbapenêmicos.

5. Neisseria gonorrhoeae

O nome científico da gonorréia. Esse germe está em ascensão e é considerado de alto risco por causa de sua reação ao antibiótico ceftriaxona.

6. Staphylococcus aureus resistente à meticilina

Causa infecções por estafilococos e se tornou muito difícil de tratar.

7. Mycobacterium tuberculosis

Uma bactéria patogênica que causa a tuberculose.

8. Streptococcus pneumoniae

Esta bactéria é a causa de muitas doenças, incluindo algumas das mais graves, pneumonia, meningite e bacteremia (uma infecção da corrente sanguínea).

9. Enterococos resistentes à vancomicina

Bactéria que afeta os intestinos e o trato genital e está se tornando lenta para reagir aos fortes antibióticos usados ​​para combatê-la.

10. Certos tipos de Salmonella

Elas têm sido relacionadas à carne bovina e a certos queijos de pasta mole.

11. Campylobacter

Outra bactéria do tipo da gripe que está se tornando cada vez mais difícil de combater.

12. Pseudomonas aeruginosa

Existem muitos tipos de pseudomonas, uma bactéria encontrada principalmente no solo ou na água. Todavia, esta versão costuma causar infecções em humanos após a cirurgia. Com efeito, sua resistência aos antibióticos é uma grande preocupação.

13. Enterococcus faecium

Comumente encontrado no trato gastrointestinal, também pode ser patogênico e causar meningite neonatal ou endocardite.

14. Staphylococcus aureus

Uma das mais perigosas infecções por estafilococos encontrados na pele ou no trato respiratório superior.

15. Klebsiella pneumoniae

Esta bactéria não móvel está rotineiramente associada à pneumonia e é mais comumente observada em alcoólatras e pacientes diabéticos.

16. Acinetobacter baumannii

Esta bactéria pode causar infecções do trato urinário, sangue e pulmões e também em feridas em outras partes do corpo do paciente, especialmente aqueles que passam um longo período de internação em um hospital.

17. Espécies de Enterobacter

Também outra que faz parte de uma grande família de superbactérias muito destrutiva.

18. Proteus sp.

Costuma ser responsável por infecções urinárias e está desenvolvendo resistência a diversos antibióticos.

19. Haemophilus influenzae

Bactéria causadora de meningite, pneumonia em crianças, infecções sanguíneas.

20. Shigella

É muito semelhante ao vírus da gripe, pois causa diarreia, febre e cólicas estomacais. Aliás, é uma das mais perigosas, pois esta bactéria está se tornando cada vez mais difícil de combater com antibióticos.

Como se proteger das superbactérias?

Nos hospitais, além de praticar a higiene adequada, uma das maneiras mais importantes de prevenir a disseminação de superbactérias nestes locais, é garantir que todo o equipamento médico esteja livre de contaminação, ou seja, devidamente esterilizados.

Por outro lado, não conseguir a esterilização significa a provável disseminação de microorganismos perigosos de um paciente para outro por meio de instrumentos cirúrgicos contaminados e outros suprimentos médicos.

Fora dos hospitais, existem outras medidas que você precisa tomar para se manter seguro:

  • Em primeiro lugar, lave as mãos com frequência, ou seja, praticar uma boa higiene é uma das principais formas de ajudar a prevenir uma superbactéria.
  • Em segundo lugar, mantenha seu sistema imunológico saudável pois isso pode ajudá-lo a combater as superbactérias.
  • Não tome antibióticos a menos que seja absolutamente necessário.
  • Seja seletivo quanto à carne que você come, pois muitas estão cheias de bactérias. Então, opte por lugares que vendem produtos orgânicos na hora de comprar carne bovina ou de frango.
  • Pratique boas condições de higiene em casa e no trabalho. Além disso, o poder público deve investir em saneamento para evitar a propagação de bactérias que espreitam ao redor.

Então, achou este conteúdo interessante? Pois, leia também: Doenças antigas – Quais as mais contagiosas e mortais da história

Próxima página »

Escolhidas para você