História

Núcleo do demônio: como era a terceira bomba atômica dos EUA

Apesar de não ter sido usada na guerra, a terceira bomba atômica, 'Rufus', ceifou a vida de dois cientistas que manusearam "o núcleo do demônio".

Em agosto de 1945, os Estados Unidos lançaram duas bombas atômicas nas cidades japonesas Hiroshima e Nagasaki. Esses bombardeios continuam sendo a única vez que um país usou armas nucleares em um conflito. As duas bombas causaram imensa devastação, mas na verdade houve uma terceira bomba atômica, pronta para entrar em ação.

Felizmente, o Japão se rendeu poucos dias antes do novo ataque, poupando dezenas de milhares de vidas. No entanto, embora essa bomba não tenha ceifado nenhuma vida, seu núcleo de plutônio acabou matando dois físicos americanos, ganhando o nome de “núcleo do demônio”.

Vamos saber mais sobre essa bomba mortal neste artigo.

A terceira bomba atômica dos EUA

Continua após a publicidade

A terceira bomba atômica era uma massa subcrítica esférica de 6,2 kg de plutônio com 89 milímetros de diâmetro. Ela foi feita durante a Segunda Guerra Mundial pelo esforço de desenvolvimento de armas nucleares dos EUA, o Projeto Manhattan.

Como um núcleo físsil para um bomba atômica primitiva, ela esteve envolvida em dois acidentes fatais, em 21 de agosto de 1945 e 21 de maio de 1946, cada um dos quais matou uma pessoa.

Em suma, os incidentes aconteceram no Laboratório de Los Alamos, resultando no envenenamento agudo por radiação e subsequentes mortes dos cientistas Harry Daghlian e Louis Slotin.

O núcleo do demônio

Núcleo do demônio: como era a terceira bomba atômica dos EUA

Continua após a publicidade

O núcleo do demônio consistia em três partes: dois hemisférios de plutônio-gálio e um anel, projetado para impedir que o fluxo de nêutrons “jorrasse” para fora da superfície entre os hemisférios durante a implosão.

O plutônio refinado foi enviado do local de Hanford, no estado de Washington, para o Laboratório de Los Alamos. Na bomba chamada Rufus, os metalúrgicos usaram uma liga de plutônio-gálio, fase alótropo de plutônio para que pudesse ser prensado a altas temperaturas na forma esférica desejada. Como o plutônio corroeu prontamente, a esfera recebeu revestimento com níquel.

Em 13 de agosto, programaram a terceira bomba para ser usada em 19 de agosto. Entretanto, o Japão se rendeu em 15 de agosto de 1945. Desse modo, o núcleo do demônio permaneceu em Los Alamos.

Primeira vítima da terceira bomba atômica

Continua após a publicidade

Os padrões de segurança da época eram terrivelmente precários. Em outras palavras, isso significava que os cientistas conduziam experimentos de risco manualmente.

Desse modo, o físico Harry Daghlian estava realizando um experimento com o núcleo do demônio em 1945, quando algo deu fatalmente errado. Ele estava colocando blocos de carboneto de tungstênio refletores de nêutrons ao redor do núcleo para aproximá-lo da criticidade quando acidentalmente derrubou um dos blocos no núcleo.

Daghlian removeu o bloqueio o mais rápido que pôde, mas era tarde demais. Nesse breve momento, o núcleo entrou em supercriticidade e liberou uma quantidade letal de radiação.

Daghlian passou as três semanas seguintes lutando contra a doença da radiação antes de finalmente falecer. Após a morte de Daghlian, protocolos de segurança muito mais rígidos foram implementados para evitar que isso acontecesse novamente. Apesar disso, a tragédia voltou a se repetir.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Segundo incidente

Núcleo do demônio: como era a terceira bomba atômica dos EUA

Em 21 de maio de 1946, Louis Slotin estava realizando o experimento na frente de um pequeno grupo de pessoas em um laboratório de Los Alamos. Usando sua técnica usual, ele baixou as duas meias-esferas refletoras de nêutrons ao redor do núcleo do demônio, usando a chave de fenda para evitar que elas se fechassem completamente.

No entanto, nesta ocasião, a chave de fenda escorregou um pouco, permitindo que os dois refletores de nêutrons envolvessem completamente o núcleo. O núcleo imediatamente entrou em supercriticidade, emitindo um flash de luz azul brilhante e uma poderosa explosão de radiação.

Slotin removeu rapidamente os refletores de nêutrons, mas, como Daghlian, o estrago já estava feito. Ele havia sido banhado por uma dose extremamente alta de radiação.

Continua após a publicidade

Como ele estava muito próximo do núcleo no momento do acidente, ele absorveu grande parte da radiação, provavelmente salvando a vida dos outros na sala.

Minutos depois do acidente, Slotin já mostrava sinais de envenenamento por radiação. Após um ataque inicial de náuseas e vômitos, ele a princípio pareceu se recuperar no hospital, mas em poucos dias estava perdendo peso, sentindo dores abdominais e começou a mostrar sinais de confusão mental. Assim, ele morreu 9 dias depois do ocorrido.

O que aconteceu com a arma nuclear?

Os dois acidentes mortais, com apenas alguns meses de diferença, finalmente provocaram mudanças reais nos protocolos de segurança em Los Alamos.

Aliás, esses novos protocolos significaram o fim dos experimentos de criticidade ‘práticos’. Desse modo, os cientistas passaram a usar máquinas de controle remoto para manipular núcleos radioativos a uma distância de centenas de metros.

Continua após a publicidade

Eles também pararam de chamar o núcleo de plutônio de ‘Rufus’. A partir de então, ficou conhecido apenas como o ‘núcleo do demônio’. Mas depois de tudo o que aconteceu, o projeto da bomba nuclear também acabou.

Após o acidente de Slotin e o consequente aumento nos níveis de radiação do núcleo, encerraram os planos de usá-la na Operação Crossroads. Ademais, as primeiras demonstrações de explosão nuclear do pós-guerra a começar no Atol de Bikini um mês depois foram arquivadas.

O que foi feito do núcleo do demônio?

Núcleo do demônio: como era a terceira bomba atômica dos EUA

Por fim, o plutônio foi derretido e reintegrado ao estoque nuclear dos EUA, para ser reformulado em outros núcleos conforme necessário. Pela segunda e última vez, o núcleo do demônio teve sua detonação negada.

Continua após a publicidade

Embora as mortes de dois cientistas não se comparem aos horrores incalculáveis ​​se o núcleo do demônio tivesse sido usado em um terceiro ataque nuclear contra o Japão, também é fácil entender por que os cientistas deram o nome supersticioso que deram.

Além disso, há alguns detalhes obscuros que preenchem o pano de fundo da história. Em primeiro lugar, Daghlian e Slotin foram mortos por acidentes semelhantes envolvendo o mesmo núcleo de plutônio.

Ademais, ambos os incidentes ocorreram às terças-feiras, no dia 21 do mês, e os homens morreram no mesmo quarto de hospital. Claro que são apenas coincidências. Então, fica a dúvida se o núcleo demoníaco não era realmente demoníaco.

E você, achou esse conteúdo interessante? Então descubra a diferença entre a bomba de hidrogênio e a bomba atômica.

Continua após a publicidade

Próxima página »

Escolhidas para você